Slides

Trabalhos de alunos gil vicente

Description
1. Agrupamento de Escolas Dr. Bissaya Barreto – Castanheira de Pera Ano Letivo 2014/2015 Português – 9.º Ano - Prof.ª Cristina Delgado Trabalhos de alunos do 9.º…
Categories
Published
of 18
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
  • 1. Agrupamento de Escolas Dr. Bissaya Barreto – Castanheira de Pera Ano Letivo 2014/2015 Português – 9.º Ano - Prof.ª Cristina Delgado Trabalhos de alunos do 9.º Ano inspirados no Auto da Barca do Inferno de Gil Vicente
  • 2. Auto da Barca da Vaidade Rainha Ato I Personagens: Diabo, Anjo e Rainha Cena 1 Chega o Diabo à sua barca e fica a aguardar a chegada de almas. Diabo (gritando): À barca, à barca meus senhores! Ah, que boa e gentil maré! Aproximai-vos que nós iremos para a Ilha Perdida. Aproxima-se a rainha D. Cristina, muito vaidosa e de nariz empinado, que só dava valor ao dinheiro e à luxúria, e que pensa que, só por ser rica e vistosa, tem todo o poder. Rainha: Ó da barca! Diabo: Quem vem lá? Rainha: Sua Majestade, a rainha. Essa barca que conduzis, para onde faz a viagem? Diabo: A viagem é para a Ilha Perdida, já disse,… ou seja, para o Inferno! Rainha: Nessa barca não entro; eu sou muito fina, muito bela, não entro em qualquer parte. Não há aqui outra barca? Dirigi-se a rainha à barca do Paraíso. Chama pelo Anjo, mas este não lhe responde à primeira.
  • 3. Rainha (resmungando entre dentes): Eu sou muito bela e boa pessoa; como tal, mereço entrar na barca do Paraíso. Anjo (com ar de poucos amigos): Conheço-te muito bem e, como tenho poder para julgar, assim eu te julgo, rainha malvada. Vai-te daqui, pois, na vida, foste sempre uma pessoa de nariz empinado e vaidosa demais, cheia de escravos à tua volta! Mereces ir para o Inferno. A rainha dirige-se à barca do Inferno. Diabo: Sempre vieste aqui parar, rainha minha parente (1)? Rainha: Pois, não tive outra alternativa senão vir até ti, Berzebu, que sou como tu e mereço ir contigo para o Inferno. Diabo: Entra, pois, que assim desejo e cá nos entenderemos. Vamos os dois levar as pessoas à riqueza e à vaidade. (1) O diabo chama a rainha de sua parente, pois ele adora a vaidade e a riqueza e leva a vida (ou melhor, a morte) a levar as pessoas à vaidade e à riqueza. Nota: As pessoas que dão valor à riqueza e à vaidade acabam por ser condenadas ao Inferno. José Ricardo - 9.º B
  • 4. Cena 2 Ao Cais da Morte chega um homem bêbado. Diabo: Olha, olha! O meu próximo passageiro! À Barca! À Barca! Entra que tens muito que remar! Bêbado: Ah, ah, ah, ah! (Arrota.) Diabo: BÓFIA!! Mas que cheiro a… a quê mesmo? Vinho? Cerveja? Vodka? Bêbado: Cheira a pu…!! Eh, eh, eh, eh… Diabo: Então, pois… A tua vida terrena resumiu-se a “cair, beber e levantar” e a comer pu…! Passavas as noites com uma garrafa na mão e, por entre gem…., com uma badalh… no m… das p..…, a fazer “servicinhos”! Anda daí que na Barca do Paraíso não entras! Bêbado: Isso é o que tu pensas! (Dirige-se à Barca do Paraíso.) Bêbado: Oh, minha anjinha?! Anjo: Que desejas, docinho? Bêbado: Ai coisinha sexy, que és demais…! Passava as noites contigo a brincar aos cowboys! Hmmm… Anjo: Ai, docinho, entra na Barca já! És um pobre inocente que apenas queria ser amado! Diabo (sussurrando): Que grande p… que tu me saíste, Anjo! Anjo (piscando o olho ao Diabo, tirando o traje e revelando-se uma prostituta): Não fiques a olhar para mim, que eu também espero por ti! (E faz o gesto para lhe ligar.). Joana C. e Joana V. - 9.ºA
  • 5. Primeiro Ministro Cena 3 Vem uma limousine preta, que deixa o ex-primeiro ministro na barca infernal. Sócrates: Ó da barca, Onde estás? Diabo: Olha quem aqui está! O presidente do Guaraná. Sócrates: Não cheguei a tanto, Porque se acabou o mandato. Fui primeiro ministro de Portugal E fiz muito carnaval. Diabo: Ah, pois fizeste, Quanto o bolso desfizeste De todo o Portugal. E agora chora o povo de todo o mal. Sócrates: O que querias que fizesse ali? Que levantasse a perna e fizesse chichi, Enquanto o povo todo chorava, O Ministério das Finanças tudo roubava E eu ficava sem nada!?! Diabo: E que fizeste com o dinheiro? Deste-o ao teu banqueiro … Sócrates: Digamos que em viagens a Roma, Japão, Bruxelas e Milão… Só não cheguei a Paris
  • 6. Porque me roubaram a matriz Do meu plano de fuga. E à cadeia fui parar Sem me regalar com um bom manjar Da minha querida Beatriz. Diabo: Quem? Aquela atriz Que contrataste E que revelaste ser tua amante? Sócrates: Não era a minha amante, Mas sim aspirante A ser a minha versão feminina. Diabo: E agora aqui bateste Por tudo o que fizeste. Sócrates: Com esses teus chifres… Não entrarei. À outra barca irei. Aproximando-se do batel angelical. Sócrates: Ó da barca, onde estás? Põe aqui a prancha Que levo tudo atrás … Anjo: Tudo atrás? Nem entrarás, Por tudo o que fizeste Ao povo do oeste De Portugal.
  • 7. Sócrates: (Aparte) Se fosse só oeste… Mas sou muito importante Para ser perdoado E não ir no batel do lado. Anjo: Lá irás, Porque aqui não entrarás. Sócrates: Coitado de mim, Que termino assim, No batel infernal. Diabo: Entrai, entrai. Que mais hão de chegar A este belo amor. Carla A., Marta S., Sofia M. - 9.º B
  • 8. Rainha D. Clementina e Geraldina Cena 4 Vem a Rainha e a moça, direitas à Barca do Inferno. R. D. Clementina - Anda, Geraldoca, mexe-te, minha porca. Mexe-te, vamos ali àquela barca E veremos se é a indicada para uma monarca. Geraldina – Geraldina, Senhora... Não Geraldoca. R. D. Clementina - Ah, sim, já sei, Geraldina Maria dos Santos blá… blá… blá… R. D. Clementina - Bem, ó da Barca, olhe que a realeza não espera… Mas aqui a Geraldoca pode esperar; é do povo, já está habituada. Geraldina - Grr… nem depois de morta deixa de ser… R. D. Clementina - De ser o quê, Geraldina? Geraldina - De ser… de ser… oh, nada.
  • 9. R. D. Clementina - Ó barqueiro… uh, uh, há alguém? Aparece o Diabo. Diabo - Olha, olha, quem chegou: a ladra e a sua cúmplice cheias de swag ! R. D. Clementina - Ladra? Por quem me tomas, ó… ó mal cheiroso? Diabo – Ah, ah… Entre e veremos quem é a malcheirosa que transpira azeite… Sim, azeiteira. R. D. Clementina - Para além de malcheiroso, Tens a mania que és suergue! R. D. Clementina - Geraldina… vamos ali àquela Barca. Com certeza que serão mais simpáticos do que este gajo armado em suergre. Dirijem-se à Barca do Anjo. R. D. Clementina - Olá, senhora Anjo! Olha, eu na Terra sou da realeza, por isso, como é óbvio, aqui tenho um lugar no Céu.
  • 10. Posso entrar? Não quero perder tempo! Geraldina - Olá Anjo! Eu sei que muitos pecados cometi, que ajudei esta vaca nas suas trafulhices, mas, como sabes, ela sempre me ameaçou. Posso entrar? Anjo - Geraldina, entra… sei o que fizeste e sei que não te orgulhas e que muitas noites não dormiste com remorsos… Entra, mereces! Geraldina entra na Barca e, nas costas do Anjo, faz um pirete à Rainha Dona Clementina. Anjo - Já tu, maltratas tudo e todos; pensas que, por seres da realeza, és mais que os outros!? Vai ali àquela Barca do Diabrete e embarca, sua mula. R. D. Clementina – Ah, ah, mula és tu, ó minha Anja de m****. Diabo - Entra, ó azeiteira. R. D. Clementina – Ah, ah, ah, está bem, eu entro, ó meu ganda porco. Rita N. - 9.ºB
  • 11. Eusébio Cena 5 Vem o Eusébio e, chegando ao batel infernal, diz: Eusébio: Hou da Barca! Hou da Barca! Diabo: Quem é? Eusébio: Sou o melhor jogador de futebol de sempre. Diabo: Se és o melhor jogador, o que queres? Eu cá não vendo bolas! Eusébio: Não as vendes, mas tens duas. Diabo: Oh! Meu grande filho da mãe, o que estás a insinuar!? Eusébio: Eu quero saber se me queres na tua barca. Diabo: Não, não podes entrar! Não tenho lugar para ti… Eusébio: Se não tens lugar, vou pedir a outra gente! (Dirigindo-se ao Anjo.) Hou da Barca! Hou da Barca! Anjo: O que me queres? Eusébio: Sou o melhor jogador de futebol de sempre. Anjo: Já percebi, queres embarcar comigo!!! Eusébio: Eh! Isso mesmo, camarada. Tens lugar para mim? Anjo: Claro que sim, foste um homem muito bom na vida terrena. Por isso, tenho um lugar especialmente guardado para ti. Eusébio: Muito obrigado pelo elogio!!!
  • 12. Anjo: Entrai, entrai na minha barca, que te levará para o Paraíso. Oh, que barca esta! Ergam asas, que é festa! Verga baixa, âncora a pique! Ó Poderoso Pantera Negra, Cá vós entrais. Que linda barca é esta! Rodrigo N. e Joana S. - 9.ºB
  • 13. Hitler Cena 6 (Adolf Hitler suicida-se e entra no cais da Morte.) Diabo - Então, senhor Nazi, por cá apareceis? Hitler - Com a pressão da guerra não me aguentei e me matei! Diabo - Para te despachares, entra rápido que há mais à espera! Hitler - Nesta barca não entro eu, e não há ninguém que obrigue Adolf Hitler a entrar nesta espelunca! Diabo - Isso dizes tu! Na Terra mandavas em todos, mas aqui quem manda sou eu. Hitler - Vejo ali uma barca muito mais formosa, digna de uma pessoa com poder como eu. Diabo - Poder!? Ah, ah, ah, ah, ah! O único poder que tens agora é pegares num dos remos da barca e remares até à Ilha Perdida(1)! Hitler - Isso querias tu! Eu vou é até à outra barca mais bonita! Até nunca! (Hitler dirige-se até à barca do Anjo) Anjo - O que queres? Hitler - Ora essa, quero entrar nessa barca, meu lindo Anjo! Anjo - Não te sabia tão graxista, Hitler! Hitler - De forma alguma! Deixa-me lá entrar nessa barca tão linda! Anjo - Tu!? Ah, ah, ah, ah! Vai-te mas é embora. Depois de tudo o que fizeste lá em baixo ainda queres entrar!? Vai-te mas é embora! (Hitler regressa à barca do Inferno)
  • 14. Hitler - Ai, mãe! Está tudo desgraçado! Agora é que estou feito ao bife! Diabo - E novidades? Isso já eu sabia! Hitler - Novidades só no Continente! Diabo - Que piada! Teve tanta, tanta, tanta… que até me esqueci de rir! Espero que também tenhas esse sentido de humor no Inferno! Hitler - Venha de lá essa prancha! (Hitler, de cabeça descaída, entra na Barca do Inferno.) (1) Ilha Perdida - Inferno Anónimos - 9.ºA
  • 15. Cristiano Ronaldo Cena 7 Chega o Ronaldo ao porto… Diabo: Chega-te aqui à minha beira! Ronaldo: O que se passa, meu? Diabo: Vais fazer publicidade à Linic? Ronaldo: Já não gosto da Linic, agora só uso Pantene. Diz lá… o que queres de mim? Diabo: Anda comigo para a Ilha Perdida. Ronaldo: Mas o que fiz eu, para ir para o Inferno? Diabo: Bateste ao Edimar. Ronaldo: Porque me pareceu o The Rock! Vou ver para onde vai a outra barca! Anjo: Ao pé de mim! Chegai-vos. Ronaldo: Dizei, o que quereis de mim? Anjo: O que quereis de mim?! O que quereis de mim?!! Ronaldo: Para onde vai esta barca? Anjo: Para o Paraíso. Ronaldo: Quero embarcar nela. Anjo: Dai-me razões para isso acontecer! Ronaldo: Pois, sou o maior embaixador de Portugal, ganhei três bolas de ouro, fiz um museu para a minha terra (Madeira)… Anjo: Entrai, então, nesta barca, pois fizestes boas ações! Embarcai, embarcai! Tiago Silva, Rodrigo Bernardo, Afonso Tomás, Rodrigo Tomé - 9.ºB
  • 16. Bêbado Cena 8 Chega o bêbado, Jerónimo Margarido, ao cais da Morte. Diabo - Então, minha peste da sociedade, que vens aqui fazer? J.M. (falando em tons de embriagado) - Vim passear. Diabo - Credo, Senhor do Carmo! O teu hálito tresanda. Vá, entra lá na Barca e cala-te. J.M. - Ai!! Não entro aí! Peço desculpa, mas a sua barca é feia! Diabo - Se é feia, então, combina contigo! J.M. - Eu não sou feio! Diabo - Ai não é?!? Tu não passas de um embriagado horrível. J.M. - Eu só sou embriagado porque o álcool é a única coisa que me resta. Diabo - Olha, agora vai começar com histórias… J.M. - Não são histórias, é a realidade! (Dito em tons de choro) A minha mãe morreu, o meu pai está na prisão, a minha irmã fugiu de casa e a minha mulher deixou-me e levou o meu filho com ela… Diabo - Sim, sim…entra lá na Barca e depois contas os pormenores. J.M. - Não! Já disse que não vou entrar aí. Vou dirigir-me àquela barca, parece mais o meu género. Diabo – Ah, ah, ah, ah, ah, ah! Boa sorte! (O bêbado dirige-se à Barca do Paraíso.) J.M. - Olá! Está aqui alguém? Preciso de ajuda. Anjo - Sim! Fala o Anjo! O que deseja? J.M. - Preciso de um sítio para onde ir. Estou sozinho! Perdi os meus pais, mulher, filho e, até, a minha irmã. Anjo - Bem, tens aí uma bela história para novela. Mas sabes que o álcool simplesmente só piora? J.M. - Sim! Eu sei! Mas que mais posso fazer? Anjo - Basta que sigas a tua vida, sem beber! Eu ajudo-te! Deixo-te entrar nesta barca se deixares a bebida. J.M. - Eu prometo! Faço o resto da minha jornada, sem álcool, sem mais pecados… Anjo - Eu confio em ti! Entra lá na Barca! Temos de partir! Anónimo - 9.ºA
  • 17. Ministro da Saúde Cena 9 Chega ao Cais o Ministro da Saúde. Ministro: Mas que raio, isto não são as minhas urgências! Diabo: Pois não, são as urgências da morte! Mini: Urgências da morte!?! E que mal fiz eu? Diabo: Nada, nada, não fizeste nada, absolutamente nada. Mini: Então, porque é que aqui estou? Diabo: Por boa coisa não é, de certeza (risos). Mini: Mas, afinal, para onde vai esta... esta coisa? Diabo: “Esta coisa”? “Esta coisa” é muito melhor que as tuas urgências. E vai para o Inferno finito (risos)! Min. (com cara de assustado): O quê, para o Inferno? Dia: Sim, para o Inferno. Pois tu pessoas mataste, para a morgue as enviaste. As urgências cobraste. Mini: Eu nunca fiz nada disso. Eu, nessa coisa, não entro, nem morto! (O ministro dirige-se à Barca da Glória.) Mini: Está aí alguém? Anjo: Quem és? O Ministro da Morte? Mini: Mas o quê, tu também sabes disso? Como? Anjo: Tu não andas dentro de nenhum saco. Tu nesta barca nunca entrarás, nem morto. Mini: Estou arrependido e já paguei às famílias e, por ser ministro, acho que devia entrar nesta barca. Anjo: Desculpe, senhor Ministro, mas não entrará nesta barca. (O Ministro dirige-se outra vez à Barca do Inferno.)
  • 18. Mini: Ok, ok… venha essa prancha de lá. Diabo: Eu sabia que voltarias às urgências da morte! Mini: Será que vou aqui encontrar alguns pacientes? Diabo: Quem sabe… e se não te farão a vida num inferno! Maria de Fátima M. Patrícia Q. 9.º A
  • We Need Your Support
    Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

    Thanks to everyone for your continued support.

    No, Thanks