Documents

362 - Laicado Dominicano Maio Junho 2013

Description
Directora: Cristina Busto ISSN: 1645-443X - Depósito Legal: 86929/95 Directora: Isabel de Castro e Lemos Praça D. Afonso V, nº 86, 4150-024 - PORTUGAL ISSN: 1645-443X - Depósito Legal:Porto 86929/95 Praça D. Afonso V, nº 86, 4150-024 Porto - PORTUGAL Fax: 226165769 - E-mail: laicado@gmail.com FREI RUI DE ALMEIDA LOPES O.P Maio/Junho 2013 Ano XLIII - nº 362 NOVO PROMOTOR GERAL PARA O LAICADO DOMINICANO Felicitação e Agradecimento LAICADO DOMINICANO do e dedicado enquanto nosso promotor. DELIC
Categories
Published
of 8
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
    Maio/Junho 2013 Ano XLIII - nº 362   Directora: Isabel de Castro e Lemos  ISSN: 1645-443X - Depósito Legal: 86929/95Praça D. Afonso V, nº 86, 4150-024 Porto - PORTUGAL Fax: 226165769 - E-mail: laicado@gmail.com      L   A   I   C   A   D   O      D   O   M   I   N   I   C   A   N   O Directora: Cristina Busto  ISSN: 1645-443X - Depósito Legal: 86929/95Praça D. Afonso V, nº 86, 4150-024 Porto - PORTUGAL  FREI RUI DE ALMEIDA LOPES O.P NOVO PROMOTOR GERAL PARA O LAICADO DOMINICANOFelicitação e Agradecimento Frei Rui Lopes, ainda nosso promotor pro-  vincial, foi nomeado pelo Mestre Geral da Or-dem dos Pregadores, promotor geral para oramo dos leigos dominicanos durante seisanos, visto o serviço do promotor anterior,Frei David Kammler, ter chegado ao seu ter-mo. O jornal “ Laicado Dominicano” e o conse- lho provincial leigo, em nome das fraternida-des da província portuguesa acolhem comgrande entusiasmo a notícia desta nomeação efelicitam-no com sentida e fraterna alegria,desejando-lhe as maiores bênçãos e êxitos nodesempenho das suas novas e exigentes fun-ções e missões. Agradecemos, também, o seu serviço delica-do e dedicado enquanto nosso promotor.DELICADO porque sempre tratou os lei-gos dominicanos das nossas fraternidades como maior respeito, deferência, afabilidade e dig-nidade.DEDICADO porque nas variadas visitas àsfraternidades, nas actividades provinciais e nasreuniões do conselho provincial leigo foi ma-nifesto o empenho interessado, competente,prudente, interpelante e encorajador.Exerceu, pois, as suas competências na fide-lidade às normas estabelecidas na nossa regra edirectório. Por este seu testemunho reiteramosa nossa admiração e gratidão. Após este caminho percorrido ficou maisclaro o perfil de um promotor das fraternida-des: estar imbuído de espírito de itinerância edisponibilidade com vista a uma promoçãocontinuada, efectiva e disponível.Bem haja por nos ter dito e demonstradoque acreditava e confiava nos membros desteramo da Ordem e da Família Dominicana epelo seu apelo a que vivamos sempre o carismadominicano na nossa condição própria de lei-gos pregadores no meio do mundo. Aguardamos com serena expectativa a no-meação do novo promotor, conscientes do seupapel imprescindível na vida das nossas frater-nidades.Creia-nos unidos na oração e comunhãofraterna em S. DomingosPelo Conselho, Francisco Piçarra, op   2   Laicado Dominicano Maio/Junho 2013 PALAVRA DO PROMOTOR   A ANUNCIAÇÃO (III) Continuando a reflexão que vimos fazendo sobre olugar de Nossa Senhora na nossa vida, particularmentena nossa vocação de dominicanos, gostava de proporum exercício colocar lado a lado dois textos evangélicosem que aparece Nossa Senhora. O primeiro é aqueleque temos vindo a comentar, o texto da Anunciaçãoque se encontra no Evangelho de S. Lucas (Lc 1, 26-38)e o segundo é o do milagre de Caná, o primeiro mila-gre de Jesus que nos é apresentado por S. João no seuEvangelho (Jo 2, 1-12).Quem nos propõe esta comparação é o P. Schille-beeckx, teólogo dominicano belga, falecido em 2009, no seu livro “A mãe do Redentor”. Pode parecer -nosestranha a comparação porque compara dois textos deevangelistas diferentes, com uma visão teológica dife-rente, mas, mesmo assim, vale a pena laçarmo-nos nacomparação dos dois textos.Na Anunciação o evangelista diz-nos que Maria fi-cou perturbada (Lc 1,29), interrogava-se sobre o senti-do das Palavras do Anjo e timidamente pergunta ao  Anjo: “como será isto se eu não conheço homem?”.  Ao longo dos relatos que nos apresentam os factos rela-cionados com o nascimento e infância de Jesus, perma-nece esta atitude interrogativa de Maria que S. Lucas apresenta nestas palavras: “ Maria guardava tudo istono seu coração” (Lc 2,19; Lc 2,51). Maria tenta desco- brir o significado profundo de tudo aquilo que se refe-re a Jesus.O texto do milagre de Caná mostra Nossa Senhorade uma forma muito diferente. É Maria que toma a iniciativa e vai ter com Jesus para lhe dizer: “não têm vinho” (Jo 2,3) e que apesar da resposta ambígua de Jesus, quase desalentadora: “que queres de mim mu-lher? A minha hora ainda não chegou” (Jo 2, 4), vai confiadamente ter com os serventes de mesa e lhes diz com toda a autoridade e confiança: “fazei tudo o queele vos disser” (Jo 2,5).  Parece que timidez da jovem de Nazaré se transfor-ma numa corajosa certeza e numa iniciativa arrojada.Pelo meio ficam trinta longos anos de proximidade,feitos de proximidade e de atenção na discrição da casade Nazaré. Maria vai seguir Jesus atentamente, conhece Jesus como ninguém, do ponto de vista humano, mas vai percebendo, igualmente, e progressivamente quemé este Jesus e qual a sua missão, vai percebendo o pro-jeto do Pai que passa por este Jesus que ela trouxe noseu ventre e fez crescer para a vida. Vai, por esta proxi-midade, descobrindo o alcance das palavras do Anjo,os acontecimentos da noite em que Ele nasceu e daadoração dos pastores e as palavras de mistério e dra-matismo do velho Simeão. Há todo um conjunto de verdades, há todo um penetrar no mistério que a proxi-midade de Jesus no recato da humilde casa de Nazaré vai oferecendo a Maria.Mas isto tem muito ver connosco. O crescimentona fé de Maria talha-se numa proximidade muito gran-de com Jesus, no dia a dia, observando os seu gestos eouvindo a Palavra que, a partir de agora, ultrapassaráos muros da sua casa e as ruelas de Nazaré, mas ondefoi proclamada como primícias do anúncio público doReino.De S. Domingos diz-se que foi crescendo de homemda regra, para se tornar homem apostólico. Foi a suaproximidade com Jesus, no silêncio do claustro de Os-ma, numa escuta com os ouvidos do coração da suaPalavra e num saboreá-la no sacramento do altar quelhe dá essa audácia apostólica que o leva a fundar aOrdem. A audácia apostólica que somos chamados a ter,nasce desta proximidade com Jesus, proximidade quese vive na perseverança da oração, no treino da escutada Palavra e do discernimento da sua aplicação na nos-sa vida. Só esta proximidade com Jesus nos permiteopções profundas no sentido do Evangelho e coragempara o propor como sentido de vida. Só esta proximi-dade com Jesus nos permite o anúncio destemido dasua palavra e a força perante as dificuldades que nos vêm da denúncia do que se opõe a este projeto.Como Maria cresceremos na fé e no compromissoapostólico se houver esta intimidade com Jesus, já nãona casa de Nazaré mas na morada do nosso coraçãoonde podemos ouvir a Sua voz. A proximidade de Je-sus na oração e na escuta da sua Palavra será sempre araiz sólida do nosso anúncio do Evangelho. Fr. Rui Carlos Lopes, O.P.  3   Laicado Dominicano Maio/Junho 2013 FAMÍLIA  – A MAIS IMPORTANTE DE TODAS AS REDES SOCIAIS Fala-se hoje muito sobre a importância das redes soci-ais, com especial relevância das que são suportadas e ali-mentadas pelas novas tecnologias de informação e comu-nicação. Um computador portátil, um tablet ou um smartphone , uma rede de comunicação digital, e aí temos nós a internet, o e-mail , os sms , o skype , o  facebook , e todo um mundo de possibilidades tecnológicas que, se por umlado facilitam a nossa vida (por exemplo, é por e-mail que envio a minha colaboração para o Laicado Dominicano),por outro lado criam em nós uma ilusão de poder, decontrolo e uma falsa segurança. Estas tecnologias são,evidentemente, instrumentos para alcançar objetivos, sãoum meio à nossa disposição, mas não devem ser um fimem si mesmas, nem substituir a linguagem dos afetos e docoração, da proximidade, da relação pessoal que dá senti-do e colorido à vida. Sabem? – vem-me à cabeça o delicio-so romance  A Cidade e as Serras , de Eça de Queiroz (se não o leram, não percam a oportunidade), e aquele perso-nagem que no seu luxo parisiense, na mansão dos Cam-pos Elísios, tinha tudo, até um telégrafo por onde lhechegavam as mais variadas notícias de todo o mundo;mas faltava-lhe um motivo para a verdadeira alegria e umsentido para a vida, que veio a encontrar na simplicidadede uma aldeia do Douro e nas suas gentes.Mas a melhor e a mais eficaz rede social nos nossosdias continua, afinal, a ser a família. No encontro quoti-diano e na comunhão em que se tece a vida, ou no reen-contro dos que estão longe e voltam nas férias e nas fes-tas, esta rede, ora real e tangível, ora virtual por força dascircunstâncias, é uma rede em que fazemos a experiênciada comunhão e da vida em família. Sabemo-lo, com certe-za por experiência própria – quer seja nas nossas famíliasbiológicas, nas nossas famílias comunitárias (fraternidades, comunidades religiosas, congregações) ou na grande Família Dominicana – que a família, seja qualfor a sua configuração, é o lugar onde pertencemos e oafeto é a garantia desse sentimento de pertença. E, comosabemos, são estes vínculos que nos ligam e dão seguran-ça, mas também que nos fazem ter vontade de partir efazermo-nos ao largo. A família é isso: porto de abrigo eporto de partida.Nesta época em que a palavra crise está tão gasta etanto nos alarma (e não quero dizer que não haja razõespara tal e situações verdadeiramente aflitivas), não hánada como ouvir um avô ou uma avó contar as históriasda suas infâncias para fazermos ideia do que era realmen-te uma crise. Agora os tempos são outros, habituámo-nosa outras formas de viver e esta transição revela-se crítica,dolorosa e desorientadora. Mas são as famílias, como re-de social, que estão a desempenhar um grande e funda-mental papel de suporte para o descalabro não ser maior. Aqui há tempos, na região onde vivo (em Trás-os-Montese Alto Douro), diziam-me que ultimamente o consumode pão aumentou nas aldeias, porque os pais e avós queali vivem compram para dar aos filhos e netos que vivemnas cidades. De facto, não podemos ignorar que é à portados pais, e não raramente dos avós, que batem muitoscasais novos, em início de vida, que planificaram as suas vidas e que se confrontam agora com dificuldades inespe-radas, ou jovens desempregados que, depois de uma expe-riência de autonomia, voltam ao porto de abrigo enquan-to não passa a tempestade.  José Carlos Gomes da Costa, o.p. EM VIDA, IRMÃO, EM VIDA  Se queres fazer o bem a Alguém a quem queiras muito,Diz-lhe, hoje, o teu querer.Fá- lo em vida, irmão, em vida…  Se desejas oferecer uma flor, não esperes que ela murcheManda-lha hoje, com amor.Fá- lo em vida, irmão, em vida…   Se desejas dizer com verdade “gosto de ti” à gente da tua casa, aos que te são queridos, Ao amigo perto ou longe, di-lo hoje.Fá- lo em vida, irmão, em vida…  Não esperes pela sepultura das pessoas para as amar comlealdadeE dar-lhes a sentir a tua ternuraFá- lo em vida, irmão, em vida…  Se ser muito feliz mereces,Se aprenderes a fazer felizes a todos os que conheces Em vida, irmão, em vida…  Nunca visites panteões nem enchas tumbas de floresEnche de amor os coraçõesEm vida, irmão, em vida faz o bem,Bem feito, a todos, a tempo e horas Em vida, irmão, em vida Significativa…   Frei Bernardo Domingues, o.p.  4   Laicado Dominicano Maio/Junho 2013  AGENDA FAMÍLIA DOMINICANA  PEREGRINAÇÃO NACIONAL DO ROSÁRIO EDA FAMÍLIA DOMINICANA   A Peregrinação Nacional do Apostolado do Rosá-rio e da Família Dominicana ao Santuário de Fátimarealiza-se nos próximos dias 28 e 29 de Setembro.Por indicação do Santuário de Fátima a Peregrinaçãodo Rosário insere-se no programa oficial do Santuá-rio para esse Domingo. Assim, às 10h00, terá lugar arecitação do Terço na Capelinha das Aparições, sen-do a recitação de um dos mistérios orientado por umrepresentante do Apostolado do Rosário. Pelas 11h00, organizar-se- á a procissão para o altar do Re- cinto, seguindo-se a celebração da Eucaristia interna-cional, presidida pelo Sr. D. José Garcia Cordeiro,Bispo de Bragança – Miranda.Para o dia de sábado o programa será o seguinte: — 14h30, chegada ao Centro Pastoral Paulo VI — 15h00 apresentação das dioceses —   15h30 Festa da Família Dominicana: “Maria:Contemplação e Pregação da Palavra”   — 17h00 Procissão para a Capelinha das Apari-ções e Saudação a Nossa Senhora — 21h30 Celebração do Rosário (na Capelinhadas Aparições) — 22h45 Vigília de Oração (no Centro PastoralPaulo VI)Como na peregrinação de 2012, pedimos aos Associados do Rosário o maior empenho na partici-pação nesta peregrinação, momento único, para tes-temunharmos, em conjunto, a nossa vivência da es-piritualidade do Apostolado do Rosário, dentro daFamília Dominicana. Todos aqueles que puderem,levem os estandartes ou bandeiras dos Centros doRosário para se identificarem e darem maior desta-que à nossa presença no Santuário de Fátima. Fr. José C. Vaz Lucas, o.p.  JORNADAS NACIONAIS DA FAMÍLIA DO-MINICANA   Vão ter lugar, no fim de semana de 8 a 10 de No- vembro, em Fátima, as próximas jornadas da família Dominicana, sob o tema “Laicado Dominicano e apregação”.  Como já é habitual, haverá espaço para conferên-cias, painéis e debate, sem esquecer os momentoscelebrativos e de convívio. Cristina Busto, o.p. CAPÍTULO PROVINCIAL - 2013  O P. Provincial da Província Portuguesa da Or-dem de São Domingos, fr. José Manuel Valente daSilva Nunes, op, convocou hoje, dia 30 de Março, opróximo Capítulo Provincial, que começará no pró- ximo dia 2 de Setembro, no Convento de São Do-mingos de Lisboa.De acordo com as Constituições da Ordem dosPregadores, compete ao Capítulo eleger o prior pro- vincial (cf. LCO 353), tratar de tudo aquilo que digarespeito à vida fraterna e apostólica, bem como à boaadministração da Província, e proceder à eleição dosdefinidores, dos conselheiros e dos delegados aospróximos Capítulos Gerais (cf. LCO 351 § I).Na mesma carta convocatória, o P. Provinci-al recomendou a todos os membros da Província eda Família Dominicana que rezem pelo bom êxito ebons frutos do Capítulo. Notícia retirada do site da Província Portuguesa da Ordem de S.Domingos  (www.dominicanos.com.pt) 
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks
SAVE OUR EARTH

We need your sign to support Project to invent "SMART AND CONTROLLABLE REFLECTIVE BALLOONS" to cover the Sun and Save Our Earth.

More details...

Sign Now!

We are very appreciated for your Prompt Action!

x