Slides

Deficiência Istmo-Cervical e Placenta Prévia

Description
1. Deficiência Istmo-cervical e Placenta Prévia Fisioterapia Urologia, Ginecologia e Obstetrícia Acadêmicas: Santos G; Menna Barreto L; Lins M; Barsanti P; Tonello T.…
Categories
Published
of 17
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
  • 1. Deficiência Istmo-cervical e Placenta Prévia Fisioterapia Urologia, Ginecologia e Obstetrícia Acadêmicas: Santos G; Menna Barreto L; Lins M; Barsanti P; Tonello T. 2014.1
  • 2. Deficiência Istmo-cervical  Inabilidade em manter uma gravidez intra- uterina devida a uma fragilidade inerente ou adquirida do colo uterino.  Conhecida como: Incompetência istmo- cervical, insuficiência istmo-cervical, insuficiência cervical, insuficiência do colo ou deficiência istmo-cervical
  • 3.  Caracterizada por uma fraqueza congênita ou adquirida na junção do orifício interno cervical e o segmento inferior.
  • 4. Classificação: Primária e Secundária.  Primária: congênita - podendo ou não coexistir com outras malformações.  Secundária: ocorre como consequência de um trauma na região istmo-cervical. Obs.: Há autores que o tipo funcional (somente quando grávida aparece a abertura devido ao aumento da pressão intra-uterina)
  • 5. Causas:  Congênitas ou adquiridas.  Congênitas: malformação do canal ístmico- cervical Ex.: maior concentração de fibras elásticas que fibras musculares.  Adquiridas: levam a uma deformidade deste canal após o nascimento Ex.: uso fórceps no parto, partos traumáticos, dilatação forçada do colo uterino, conização, miomas.
  • 6. Diagnóstico:  Primariamente na história clínica.  Poderá ser efetuado antes ou durante a gestação. Em ambas épocas considera-se, a anamnese e o procedimento propedêutico diagnóstico de eleição.
  • 7. Medidas de Precauções:  Repouso moderado à absoluto;  Circlagem antes da 13ª semana de gestação;  Medicamentos inibidores de contração uterina precoce (Inibina, Dactil), AAS;  O repouso absoluto costuma ajudar a manter a gestação até pelo menos a 34ª semana.  Quando então o pulmão do bebe estará melhor desenvolvido. Solicitar o medicamento para amadurecimento do pulmão também é uma medida preventiva.
  • 8. Tratamento:  O tratamento é cirúrgico e corresponde ao reforço do colo uterino com sutura atraumática e inabsorvível na altura do orifício interno do canal endocervical, com o objetivo de manutenção da gravidez em curso até a viabilidade fetal. (procedimento denominado “circlagem cervical”.  Já as propostas de circlagem em mulheres não grávidas são genericamente denominadas “istmorrafias profiláticas”.
  • 9. Circlagem:  Circlagem é como uma costura em volta do colo uterino antes da 13ª semana de gestação com um, dois ou mais pontos, dependendo do grau da IIC.  É feita com anestesia local ou radial e na maioria das vezes não há necessidade de internação.
  • 10.  Após a cirurgia, como medida cautelar deve- se utilizar o ultrassom mensalmente para medir o colo uterino. Colo uterino menor que 3 cm exige cautela e repouso absoluto pois corre-se o risco de arrebentar com os pontos da circlagem.
  • 11. Placenta Prévia  Placenta prévia (PP) é definida como a situação em que a placenta está inserida total ou parcialmente, no segmento inferior do útero, podendo ou não recobrir o orifício cervical interno (OCI).  Frequente detecção no segundo trimestre de gestação
  • 12.  Resolução de mais de 90% dos casos até o terceiro trimestre.  Diagnóstico: avaliação ecográfica efetuada no terceiro trimestre da gravidez.  Fatores de risco: idade materna avançada, cesariana anterior e tratamentos de infertilidade.
  • 13.  Etiologia e fisiopatologia não estão bem esclarecidos.  Fatores associados com a PP: multiparidade, gravidez gemelar, antecedentes de abortos espontâneos ou induzidos, cirurgia uterina, miomas uterinos, tabagismo, consumo de cocaína e PP em gravidez anterior.
  • 14.  A PP é a segunda causa mais comum de hemorragia genital no segundo trimestre.  Manifesta-se geralmente por uma hemorragia assintomática sob forma de coitorragia.  A ecografia transvaginal tem uma segurança bem demonstrada e uma acuidade diagnóstica superior à da ecografia transabdominal.
  • 15.  Classificação clássica: PP central, parcial e marginal.  Classificação RCOG: PP major (quando a placenta cobre total ou parcialmente o OCI) e PP minor (quando a placenta se localiza no segmento inferior do útero mas não cobre o OCI).
  • 16. Referências: 1. Antonio Rozas, Luiz Ferraz de Sampaio Neto. Incompetência Cervical: Conceito, diagnóstico e conduta. Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, v. 5, n. 2, p. 1 - 9, 2003; 2. Ricardo Barini1, Egle Couto1, Marcos Matias Mota1, Carolina Taddeo M. dos Santos1, Sofia Rocha Leiber, Simone Cotes Batista. Fatores Associados ao Aborto Espontâneo Recorrente. RBGO-22(4):217-223, 2000. 3. Maria Regina Torloni, Antonio Fernandes Moron, Luiz Camano. Placenta Prévia: Fatores de Risco para o Acretismo. RBGO-23(7):417-422, 2001. 4. Maria Isabel Bento Ayres Pereira, Diogo Ayres de Campos. Placenta Prévia: classificação e orientação terapêutica. Acta Obstet Ginecol Port
  • We Need Your Support
    Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

    Thanks to everyone for your continued support.

    No, Thanks
    SAVE OUR EARTH

    We need your sign to support Project to invent "SMART AND CONTROLLABLE REFLECTIVE BALLOONS" to cover the Sun and Save Our Earth.

    More details...

    Sign Now!

    We are very appreciated for your Prompt Action!

    x