Magazine

Fundamentos Da Teologia Do Novo Testamento - Marcos Granconato

Description
Testamento M arcos G ranconato FUNDAMENTOS DA TEOLOGIA DO NOVO TESTAMENTO MC mundocristáo São Paulo Copyright © 2014 por Marcos Granconato Publicado por Editora…
Categories
Published
of 210
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
Testamento M arcos G ranconato FUNDAMENTOS DA TEOLOGIA DO NOVO TESTAMENTO MC mundocristáo São Paulo Copyright © 2014 por Marcos Granconato Publicado por Editora Mundo Cristão Os textos das referências b/blicas foram extraídos da Nova Versão Internacional (NVT), da Biblica Inc.» salvo indicação específica. Eventuais destaques nos textos bíblicos e citações em geral referem-se a grifos do autor. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610, de 19/02/1998. É expressamente proibida a reprodução total ou parcial deste livro, por quaisquer meios {eletrônicos» mecânicos, fotográficos, gravação e outros), sem prévia autorização, por escrito, da editora. Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Granconato, Marcos Fundamentos da teologia do Novo Testamento í Marcos Granconato — São Paulo: Mundo Cristão, 2014. Bibliografia 1. Bíblia. N. T. — Teologia I. Título. 13-12343 CDD-230.0415 índicespara catálogo sistemático: \, Novo Testamento: Teologia bíblica 230.0415 2. Teologia bíblica: Novo Testamento 230.0415 Categoria: Teologia Publicado no Brasil com todos os direitos reservados pela: Editora Mundo Cristão Rua Antônio Carlos Tacconi, 79, São Paulo, SP, Brasil, CEP 04810-020 Telefone: (11) 2127-4147 www.mundocristao.com.br Ia edição: fevereiro de 2014 À minha filha Helena: linda e alegre. Encontre o tesouro, encontre a rocha. Suba na pedra, encontre a caverna. Entre na caverna, escave a areia. Abra o tesouro: é um lindo livro poderoso! Sofia Granconato, aos 4 anos Sum ário Agradecimento Introdução C apítulo 1 Teologia do Novo Testamento: Definição, necessidade e relevância C apítulo 2 O século mais importante da história C apítulo 3 Os mistérios outrora ocultos C apítulo 4 Os mistérios do Reino C apítulo 5 Os mistérios da salvação C a pít u l o 6 Os mistérios da comunidade da fé C apítulo 7 Os mistérios escatológicos C a p ít u l o 8 Os mistérios jamais revelados Conclusão: O adomo de todos os mistérios Referências bibliográficas Sobre o autor A gradecim ento À Igreja Batista Redenção que, generosamente, me concedeu um período sabático, proporcionando o tempo necessário para a composição deste livro. Introdução Esta obra não é um escrito composto segundo as regras da arte, por ostentação, mas um tesouro de notas para a minha velhice, remédios contra o esquecimento, imagem sem artifícios, simples esboço de ensinamentos claros e espirituais que mereci ouvir da boca de homens felizes e eméritos. C lem ente de A lexandria (c . 1 5 0 ‫׳‬ c . 2 1 7 ), Stromata [Miscelâneas]. A m a n if e s t a ç ã o d e C r is t o a e st e mundo por meio da sua encar­ nação foi o ápice da revelação de Deus ao homem (Hb 1.3), mas de modo algum pôs termo ao maravilhoso processo de desven- damento tanto da mente como do ser divino. Na verdade, esse processo continuou por algum tempo, mesmo depois da ascensão de Jesus. É sabido que, nos dias de sua humilhação, o Senhor pregou, ensinou, corrigiu e admoestou os homens, mostrando-lhes a von­ tade e o plano do Pai. Ele, pois, não revelou Deus somente atra­ vés de seu caráter e suas obras, mas também por meio de seus discursos. De fato, a revelação do Verbo, além de pessoal, foi tam­ bém verbal, trazendo à luz verdades que muitas vezes deixaram os religiosos de seu tempo atônitos e irritados. Jesus explicou essas reações dizendo que os farrapos do judaís­ mo corrompido não poderiam suportar um remendo feito com o pano novo da sua doutrina. Os odres velhos da religião vigente 1 2 | F u n d a m e n t o s d a t e o l o g ia d o N o v o T e s t a m e n t o em Israel se romperiam caso fosse despejado dentro deles o vinho novo de seus ensinos (Mt 9.14'17). Isso significava que novos pas­ sos estavam sendo dados no cumprimento do programa de reve­ lação de Deus. Inequivocamente, apontava para o fato de que um novo conjunto de verdades até então ocultas estava vindo à luz. Esse processo iniciado pelo Senhor prosseguiu mesmo depois de sua partida. A luz das Escrituras, os veículos que Deus usou para dar-lhe seguimento foram os apóstolos e profetas do Novo Testamento (Ef 3.5). O método que utilizou, como se sabe, foi a supervisão, pelo Espírito Santo, dos escritos daqueles homens, protegendo-os de qualquer erro — um fenômeno denominado “inspiração” (2Tm 3.16; ICo 2.13; 2Pe 1.20-21). Os 27 livros que compõem o Novo Testamento foram o resul­ tado desse processo de inspiração. A primeira obra desse conjun­ to a ser escrita foi talvez Gálatas, cuja origem data de cerca de 50 d.C. Não há dúvidas, porém, de que a carta de Tiago também foi escrita antes do concílio de Jerusalém (49 d.C.), o que a aponta como outra forte candidata ao posto de primeira obra escrita do Novo Testamento. Apocalipse, escrito provavelmente no início da década de 90, foi certamente o último livro do conjunto canô­ nico a vir à luz. Esse conjunto, portanto, foi produzido ao longo de cerca de quarenta anos e, sob o manto protetor da inspiração divina, completou a revelação de Deus nas Escrituras, tornando- -se a fonte principal dos fundamentos teológicos sobre os quais a igreja edifica seus ensinos e suas práticas. Este livro trata precisamente desses fundamentos — doutrinas antigas, hoje esquecidas ou desprezadas por muitos, mas caras aos gigantes do passado, nossos corajosos pais na fé. Em diversos lugares, o Novo Testamento chama essas doutrinas de “misté­ rios”. Por isso, esta obra foi dividida em oito capítulos que, em sua maioria, tratam das diferentes categorias em que esses mistérios podem ser classificados. In t r o d u ç ã o I 1 3 Antes, porém, de apresentá-las, o livro mostra a importân­ cia do assunto e a necessidade de sua divulgação nos dias atuais (capítulo 1). Em seguida, o capítulo 2 situa o leitor no contex­ to histórico em que os mistérios teológicos do Novo Testamento vieram à luz. Depois, no capítulo 3, é proposta uma definição de “mistério”, além de serem apresentadas certas ressalvas com o ob­ jetivo de prevenir o leitor contra perigosas tendências modernas. São os capítulos 4 a 7 que tratam respectivamente de cada classe de mistérios: os mistérios do Reino, os mistérios da salva­ ção, os mistérios da comunidade da fé e os mistérios escatoló- gicos. O capítulo 8 também traz comentários sobre uma classe distinta de mistérios: aqueles que sabemos existir, mas cujos con­ tornos exatos jamais foram revelados ao homem. Nesse capítulo descreve-se, inclusive, a atitude que o crente deve nutrir diante de realidades teológicas tão obscuras. Em sua conclusão, este livro exorta o leitor a prosseguir no estudo da sã doutrina, sem, contudo, negligenciar outros deveres próprios do cidadão do céu, como o serviço, a piedade e, especial­ mente, o amor. Consideremos então, a partir de agora, os mistérios de Deus, verdadeiros fundamentos da teologia do Novo Testamento. C a p í t u l o 1 Teologia do N ovo Testam ento: Definição, necessidade e relevância E conhecerão a verdade, e a verdade os libertará. Jesus de N a z a ré , João 8.32 O QUE É TEO LO G IA DO NOVO T E ST A M E N T O ? O conhecimento da doutrina cristã é essencial para a plena liber­ tação do homem, sendo certo que a teologia do Novo Testamento é o arcabouço principal de toda a instrução que emana do cris­ tianismo verdadeiro. Antes, porém, de expor com mais exatidão a importância e a necessidade dessa teologia, será útil limitar o alcance do assunto construindo os contornos de uma definição. Aqui é proposta a seguinte: Teologia do Novo Testamento é o arranjo ordenado das doutrinas reveladas ou reafirmadas por Deus no século 1, detectadas nos escri‫׳‬ tos neotestamentários e usadas como fundamento singular e intocá­ vel na construção do pensamento, da ética e do padrão funcional da igreja cristã autêntica. Essa definição mostra a necessidade urgente de dar ao ensino neotestamentário o lugar de preeminência na pregação e no fun­ cionamento das igrejas nos dias de hoje. A instrução nos misté­ rios revelados no Novo Testamento afastará o crente dos prejuízos gerados pelos modelos teológicos modernos, como a teobgia da 1 6 | F u n d a m e n t o s d a t e o l o g ia d o N o v o T e s t a m e n t o prosperidade, que há décadas conta com a constante adesão das massas, a teologia do processo e o teísmo aberto, estes últimos flores­ cendo especialmente dentro de círculos evangélicos intelectuais. Ora, essas tendências, quando acolhidas, geram inúmeros e terrí­ veis males que se alastram sobre todas as áreas da vida, destruin­ do a fortuna, a fama, a família e o futuro das pessoas. L iv r a m e n t o d a s u p e r s t iç ã o e d a fr a u d e Muito se tem dito sobre a teologia da prosperidade. Sendo o mais popular entre os três exemplos listados no fim da seção anterior, bastante atenção já lhe foi dada por escritores cristãos sérios que expuseram seus ensinos e o impacto que tem causado a milhares de vidas. Basicamente, a teologia da prosperidade ou “triunfalismo” pode ser definida como o modelo doutrinário que assegura aos crentes riquezas materiais e saúde física caso tenham um grau superior de fé. Essa suposta fé elevada deve se expressar de forma válida no ato de contribuir com a igreja, dando-lhe o máximo de dinheiro, mesmo (e especialmente!) quando o fiel estiver pas­ sando por duras privações. Os expoentes dessa teologia também prometem vitórias sobre demônios e maldições que supostamente provocam fracasso e miséria na vida das pessoas. Anexa à teologia da prosperidade está a doutrina da confis­ são positiva, segundo a qual o crente pode obter vitórias contra as vicissitudes da vida através das frases que pronuncia. Palavras de ordem ou de reprimenda, tais como “Eu determino”, “Eu não aceito” ou “Eu repreendo”, são tidas como capazes de operar al­ guma mudança na realidade ao redor, livrando o crente dos re­ vezes que lhe sobrevieram. Também afirmações do tipo “Eu tomo posse” ou “Eu declaro a vitória” são classificadas como constru­ ções permeadas de grande poder para alterar os rumos da vida de alguém, conduzindo ao sucesso. T e o l o g ia d o N o v o T e s t a m e n t o ; D e f in iç ã o , n e c e s s id a d e e r e l e v â n c ia | 1 7 Apesar da mensagem que apregoa não ser encontrada no Novo Testamento (cf., p. ex., At 3.6; 2Co 12.7-10; G1 4.13-14; lTm 6.8-9; 2Tm 4.20; Hb 10.34; Tg 2.5, etc.), a teologia da pros­ peridade, oferecendo tudo o que os homens anelam (2Tm 4.3-4), faz grande sucesso no Brasil e no mundo. E verdade que, recente­ mente, algumas igrejas que a proclamam apresentaram sinais de declínio. Contudo, é inegável que essa vertente religiosa continua viva e ativa, sempre conquistando novos e numerosos adeptos. O sucesso e o alcance desse tipo de teologia prejudicial com­ provam a necessidade urgente de um retorno da igreja à teologia do Novo Testamento em toda a sua pureza como único antídoto contra a superstição e a fraude religiosa. Com certeza, os cristãos nutridos pelo genuíno leite da Palavra de Deus não serão mais como crianças, “levados de um lado para outro pelas ondas, nem jogados para cá e para lá por todo vento de doutrina e pela astúcia e esperteza de homens que induzem ao erro” (Ef 4.14). R e je iç ã o d a s v ã s f il o so f ia s O conhecimento da teologia do Novo Testamento também livra­ rá o crente dos desvios perniciosos da teologia do processo. Esse modelo tem seu principal núcleo de estudos na Escola de Teolo­ gia de Claremont, na Califórnia, e seu expoente mais conhecido é John Cobb Jr. (1925-). Trata-se de uma proposta doutrinária baseada nas concepções do filósofo e matemático Alfred North Whitehead (1861-1947), ex-professor em Harvard e autor do li­ vro Process and Reality [Processo e realidade] (1929). Segundo Whitehead, a realidade não deve ser entendida como composta de substâncias, mas sim em termos de eventos interligados. Para ele, o real é o que ocorre numa cadeia universal de acontecimentos. O próprio Deus é envolvido por essa teia de eventos. Ele a organiza, mas também faz parte dela e a contém, sendo influenciado pela dinâmica de acontecimentos no cosmos. F u n d a m e n t o s d a t e o l o c ia d o N o v o T e s t a m e n t o 1 8 Assim, de acordo com esse modelo doutrinário, Deus não é eterno, onisciente e, muito menos, imutável. Antes, participan­ do de uma cadeia integrada de acontecimentos, ele próprio está sempre mudando, enquanto se relaciona com o mundo também em constante mutação. Deus é imutável somente no tocante ao seu perfil moral, isto é, seu caráter, e aos seus ideais e anseios, que permanecem sempre os mesmos. Porém, na sua experiência como ser, ele sofre mudanças à medida que vivência o mundo, podendo decepcionar-se, surpreender‫׳‬se e aprender. Um traço distintivo dessa concepção é que, no envolvimento de Deus com o mundo, ele tenta persuadir as pessoas a fim de que sua vontade seja realizada. Ocorre, porém, que o homem, fazendo uso do livre‫׳‬arbítrio, pode resistir a Deus em suas tentativas de persuasão. Essa resistência gera grande sofrimento à divindade, empobrecendo seu relacionamento com o universo que, de outra forma, seria rico, produtivo e feliz. Nesse aspecto vê-se que, para o teólogo do processo, Deus não é onipotente no sentido de que não tem força coercitiva. Esse é um dos pontos centrais dessa vertente teológica: estando o uni­ verso sujeito a processo e mudança, a autodeterminação é fator crucial nos desdobramentos da realidade. Por isso, Deus não força o acontecimento de nada, limitando sua atuação a meras tentati­ vas de persuasão, sem jamais violar o livre-arbítrio humano. A ênfase da teologia do processo na livre vontade das cria­ turas diante de um Deus que apenas as convida a se harmonizar com o seu Reino desemboca em conclusões surpreendentes. Os teólogos do processo ensinam que Deus não realiza intervenções sobrenaturais na história nem conhece o futuro, pois este depen­ de das decisões livres dos indivíduos. Além disso, ao lidar com o problema do mal e do sofrimento os mestres do processo afirmam que Deus não pode impedir a dor, a maldade ou as catástrofes, uma vez que não direciona as ações das entidades reais. Diante TEOLOGIA DO N O V O TESTAM ENTO: DEFINIÇÃO, NECESSIDADE E RELEVÂNCIA I 1 9 dessas misérias, tudo o que ele pode fazer é assumir o papel de um “grande companheiro — o coparticipante no sofrimento que também o compreende”.1 As estranhas conclusões propostas pela teologia do processo podem também ser encontradas no teísmo aberto (ou do livre‫׳‬ 'arbítrio), modelo proposto especialmente por Clark Pinnock (1937-) e John Sanders (1956-). O teísmo aberto ensina igual­ mente que, sendo o homem verdadeiramente livre, isso impede que Deus exerça controle meticuloso sobre o universo, sob pena de interferir nessa liberdade. Deus também não predetermina nem conhece o futuro plenamente. Ele limita, desse modo, a sua pró­ pria soberania e, assim, se “abre” a fim de garantir o exercício do livre-arbítrio humano em toda a sua plenitude. A diferença entre a teologia do processo e o teísmo aberto, presentes também no Brasil, parece estar apenas em seu ponto de partida. A primeira tira as rédeas da história das mãos de Deus partindo de uma concepção que o insere numa rede de relaciona­ mentos dentro da qual a própria divindade sofre mudanças fatais e só é capaz de fazer tentativas de intervenção no destino do uni­ verso. A segunda reduz a soberania divina partindo de uma tôni- ca inflexível sobre a liberdade humana, tendo-a como intocável. Em ambos os casos, a vontade pessoal de Deus deve ceder diante das decisões humanas. Assim, é Deus quem diz ao homem: “Seja feita a sua vontade”. Com que instrumentos o povo de Deus pode fazer oposição a esses ensinos? Como pode resistir a essas formas de filosofia pagã que circulam dentro da igreja de Jesus travestidas de teologia cris­ tã? Mais uma vez, somente a instrução dos crentes no ensino que procede da pena apostólica poderá livrá-los dos devaneios da vã sabedoria humana. 1Alfred North W hitehead, Process and Reality, p. 351. 2 0 | F u n d a m e n t o s d a t e o l o g ia d o N o v o T e s t a m e n t o Estudando o Novo Testamento, o cristão rejeitará a teologia do processo, aprendendo que Deus é transcendente, distinto do universo que criou, situando-se infinitamente acima dele (At 17.24; Ef 1.21-22; Ap 3.14; 4.11). Descobrirá que o Senhor não é imutável somente em seu caráter e anseios, mas também em suas decisões e na forma como administra sua graça (Tg 1.17). Além disso, descobrirá ainda que a vontade de Deus é sobe­ rana, não podendo jamais ser resistida (Rm 9.19-21; Ef 1.11); que seu conhecimento do futuro é pleno e certo (Mt 24.2; Lc 17.30-31; 2Ts 2.1-12; Ap 1.19), visto que o amanhã foi escrito e determinado por ele (At 4.27-28). E mais: o estudioso da teologia cristã autêntica encontrará a verdade de que Deus não somen­ te interfere na história das pessoas dando-lhe o rumo que bem entende (At 17.26), mas que ele também altera a vontade dos homens, endurecendo ou quebrantando o coração de quem quer Go 6.65; At 16.14; Rm 9.18; Ef 2.13). Ao final, esse estudante fatalmente concordará, sem reservas, com a famosa distinção que Blaise Pascal (1623-1662) fez em seu Memorial: “Deus de Abraão, de Isaque e de Jacó e não dos filóso­ fos e dos sábios...”. Também entenderá melhor o que Tertuliano de Cartago (t c. 220) quis dizer quando escreveu na sua Prescri­ ção contra os hereges: O que, de fato, tem Atenas que ver com Jerusalém? Que harmonia há entre a Academia e a Igreja? Que união entre hereges e cristãos? Nossa instrução vem do “Pórtico de Salomão” que ensinou que o Senhor deve ser buscado com simplicidade de coração. Fora com todas as tentativas de produzir um cristianismo com cores estóicas, platônicas e dialéticas! Depois de termos possuído Cristo Jesus, não temos interesse em nenhuma disputa especulativa. Depois que desfrutamos do evangelho, nenhum debate inquisitivo nos atrai. Ao lado da nossa fé não queremos nenhuma outra crença. Uma vez T e o l o g ia d o N o v o T e s t a m e n t o : D e f in iç ã o , n e c e s s id a d e e r e l e v â n c ia | 2 1 que essa é nossa excelente fé, não há nada em que queiramos crer além dela.2 A referência que Tertuliano faz ao Pórtico de Salomão evoca Atos 3.11 e, especialmente, 5.12, onde se diz que esse era o lo­ cal em que a igreja se reunia no início para aprender a doutrina dos apóstolos. É precisamente com essa matéria que se ocupa a teologia do Novo Testamento. Pouco ou nada tem a ver com as especulações da mente humana, sendo vacina e remédio contra todas as enfermidades do pensamento. U m c i c l o s a l u t a r É claro que o universo teológico protestante do Brasil não está contaminado apenas com a teologia da prosperidade, com a teo­ logia do processo e com o teísmo aberto. Quem dera esses fossem os únicos desvios! Há focos da teologia da libertação (destacando a salvação como livramento da opressão social), há seminários que defendem o velho liberalismo teológico (negando a possibili­ dade de milagres e até a historicidade da ressurreição de Cristo), proliferam mestres e pastores neo-ortodoxos (que, entre outras coisas, rejeitam o conceito bíblico de inspiração das Escrituras) e multiplicam-se líderes evangélicos com discursos pós-modernos, inclusivistas e universalistas (especialmente os proponentes da chamada “igreja emergente”). O mosaico do engano doutrinário é multicolorido, compro­ vando a importância e a necessidade de a igreja voltar-se com mais dedicação para a teologia do Novo Testamento. Deve-se, porém, destacar que o retomo às páginas da litera­ tura apostólica não é preciosa somente por causa do seu valor apologético ou porque tem o poder de prevenir o crente contra 2VII. Em: A. Roberts; J. D onaldson; A. C . C oxe, The Ante-Nicene Fathers, vol. 3, p. 246-247. 22 | F u n d a m e n t o s d a t e o l o g i a d o Novo T e s t a m e n t o a superstição e a vã filosofia. De fato, o conhecimento do ensino neotestamentário é útil também porque provoca no crente uma maior inclinação à vida de santidade. É o que ensina Gregó
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks
SAVE OUR EARTH

We need your sign to support Project to invent "SMART AND CONTROLLABLE REFLECTIVE BALLOONS" to cover the Sun and Save Our Earth.

More details...

Sign Now!

We are very appreciated for your Prompt Action!

x