Arts & Architecture

RECURSOS DIDÁTICOS PARA O ENSINO DE INSTRUMENTO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

Description
Artigo apresentado durante o I Simpósio Sergipano de Pesquisa e Ensino em Música
Published
of 8
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
  RECURSOS DIDÁTICOS PARA O ENSINO DE INSTRUMENTO:UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Antônio Chagas Neto Universidade Federal de Sergipe (UFS)achabach@hotmail.com Resumo: Este artigo trata sobre as possibilidades didáticas encontradas para melhorar oentendimento do conteúdo programático dosalunos de violino da SOFISE (SociedadeFilarmônica de Sergipe) e da Escola Santa Maria, ambas sediadas na cidade de Aracaju-Sergipe. Entre as maneiras encontradas destacam-se: produção de uma apostila comfotos e exercícios comdificuldades gradativas; acompanhamento das atividade cominstrumento harmônico (violão ou teclado); utilização do método Suzuki (livro I, CD,Duetos); criação de um CD contendo somente os acompanhamentos e desenvolvimentode atividades de improvisação.Este trabalho tem o objetivo de difundir idéias paraplanejamentos didáticos, buscando diversas formas para a melhoria do aprendizado. Palavras-chaves: Ensino de música; Recursos Didáticos;Tecnologia. Introdução: O ensino de instrumento sofreu diversas modificações no decorrer dos anos. Asmetodologias e os objetivos desejados pelos docentes e discentes sofreram, em algunscasos, grandes alterações. Segundo Harder (2003): Nos últimos anos, porém, vem sendo observada uma mudança nosobjetivos do aluno que procura por cursos na área de concentração emExecução Musical no Brasil. A redução significativa dos que aspiramdesenvolver carreira como solistas ou músicos de orquestra é umindício da crescente diversificação de opções e demandas do mercadode trabalho brasileiro em música na atualidade. Na nova realidade,grande parte dos alunos ingressa na escola de música já atuandoprofissionalmente ou objetivando tocar, seja em bandas populares oubandas de corporações (como o Corpo de Bombeiros, PM e FuzileirosNavais), entre outros grupos musicais. Outros envolvem-se ainda comestúdios de gravação, cerimônias e eventos ou mesmo em atividadesmusicais em igrejas e outras entidades. Ainda hoje, o estudo de alguns instrumentos musicais são fortemente marcadospor um método conservador. A uniformidade didática mantida por professores duranteum longo espaço de tempo pode limitar e/ou dificultar o aprendizado dos seus discentes. Os professores de música adotam, basicamente, os processos deensino tradicionalmente prescritoshá muitos anos. Há, evidentemente,vantagens inerentes a tais métodos; porém, há algumas oportunidades  ISimpósio Sergipano de Pesquisa em Música 2 em que tais métodos poderiam ser modificados (AMARAL, 1991, p.16). Tal característica provém desde a ação jesuítica, no período colonialbrasileiro.Segundo Fonterrada: Aprendia-se pela prática exaustiva, mediante exercícios que evoluíamdo simples para o complexo, o que permitia que o domínio dedeterminada disciplina ou atividade fosse, aos poucos, se instaurando.Foi dentro desses princípios racionais e metodológicos que,provavelmente, se instalou, no Brasil, a primeira proposta pedagógicaem educação musical, em que os curumins das missões católicas eramtreinados e aprendiam música e autos europeus (FONTERRADA,2003, p. 193)Há uma grande necessidade de produção científica na área de ensino deinstrumento. Tourinho escreve: A área de Execução Musical no Brasil se ressente da ausência detrabalhos escritos que registrem as soluções encontradas porexecutantes e professores de instrumento. Uma quantidade expressivade intérpretes e professores ainda não vê como necessidade e deimportância o fato de registrar e perpetuar por escrito o seu trabalhocomo docente ou executante e considerar a pesquisa sistemática nãopertinente ao seu campode ação (TOURINHO,apudHARDER,2003). “Minha Primeira apostila de violino” Uma das causas do descompasso entre a realidade da escola e asexpectativas do estudante é o fato de que, a despeito das mudanças noperfil do aluno, grande parte das escolas demúsica do país aindapermanece dentro do sistema dos conservatórios tradicionais. Talsistema continua priorizando o preparo de performers medianterepertório constituído quase que exclusivamente de Música EruditaOcidental, muitas vezes sem levar em conta o gosto, cultura e valoresdos seus alunos, bem como suas necessidades frente a um mercado detrabalho em transição. Conseqüentemente, as expectativas de muitos jovens que buscam a escola continuam sendo frustradas diariamente(HARDER, 2003). Ao tentarbuscar uma padronização e uma melhor absorção dos princípiosbásicos do violino, foi criada uma apostila (figura 1), contendo assuntos como:exercícios de arcos; exercícios com o violino; breve teoria musical; exercíciosgradativos que objetivam a qualidade técnica, leitura e afinação; e curiosidades sobre oinstrumento (história do instrumento, partes do instrumento, acessórios, etc –figura 2).  ISimpósio Sergipano de Pesquisa em Música 3 Uma ferramenta primordial, utilizada para auxiliar a compreensão do assunto é a grandequantidade de imagens (Figura 3). Figura 1 Figura 2   Figura 2  ISimpósio Sergipano de Pesquisa em Música 4 Figura 3 A apostila supracitada tem como principal objetivo facilitar o aprendizado doaluno, dinamizando e trazendo o estudo mais próximo à sua realidade. Harder apresentacomo causa da frustração de alguns alunos de instrumento a seguinte citação: Harmonização das Atividades: Ao efetuar as atividades iniciais, como as direcionadas ao reconhecimento denotas, alinhamento de arco, postura e afinação, por exemplo, foi observado por estepesquisador um desestímulo por parte dos alunos, devido a falta de musicalidade dasmesmas. Uma solução encontrada foi harmonizar todas as atividades, alterando assim aimagem das atividades iniciais anteriores perante o aluno mas, sem alterar o foco doexercício. Assim, o aluno, naturalmente, consegue reparar erros de andamento, afinaçãoe ritmo, além de trabalhar desde o início a prática em conjunto, requisito fundamentalpara um instrumentista.Sem necessitar de um estudo muito aprofundado, o professor pode aprenderacordes básicos de tônica e dominante em instrumentos harmônicos, como teclado porexemplo, das tonalidades trabalhadas com seus alunos. Assim, dinamizará suas aulassem necessitar de um outro instrumentista somente para acompanhar, pois tal fato pode
Search
Tags
Related Search
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks
SAVE OUR EARTH

We need your sign to support Project to invent "SMART AND CONTROLLABLE REFLECTIVE BALLOONS" to cover the Sun and Save Our Earth.

More details...

Sign Now!

We are very appreciated for your Prompt Action!

x