Documents

SÍNTESE DA OBRA: ‘A CONSTRUÇÃO DAS CIÊNCIAS’ DE GÉRARD FOUREZ

Description
SÍNTESE DA OBRA: ‘A CONSTRUÇÃO DAS CIÊNCIAS’ DE GÉRARD FOUREZ
Categories
Published
of 5
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
          P        á      g        i      n      a        1 ___________________________________________________________________________________________________ SÍNTESE DA OBRA: ‘A CONSTRUÇÃO DAS CIÊNCIAS’ DE GÉRARD FOUREZ . Gérard Fourez é um filósofo francês nascido em maio de 1937. O autor é licenciado emfilosofia e matemática, doutor em física teórica e professor da ni!ersidade de amur, onde até pouco tempo ensinou #pistemolo$ia, %tica e Filosofia da #duca&'o, onde tam(ém fundou o)epartamento de *+ilosop+ie de -+omme de cience. % tam(ém professor !isitante dani!ersidade da Filadélfia 1 . )entre !árias o(ras, pu(licou “A Construção das Ciências: introdução à filosofia e a éticadas ciências”, o(ra /ue será o(0eto deste estudo, e atra!és da /ual ser'o feitas al$umas refle2es so(real$uns de seus capítulos o capítulo inicial e o final, pela import4ncia, foram escol+idos para umaa(orda$em mais ela(orada5.   o capítulo 6, o autor nos mostra /ue para se c+e$ar a uma conclus'o em umain!esti$a&'o científica é necessário uma série de processos in!esti$ati!os, de o(ser!a&'o,eperimenta&'o e por fim a conclus'o. presenta8nos o  Método Crítico Dialético 2 , onde primeiramente se afirma uma tese, isto é, uma realidade /ue se oferece, após, uma antítese /uene$ará esta tese, culminando em uma síntese, uma no!a maneira de se !er, podendo ainda sofrer transforma&2es pois nunca será uma !is'o a(soluta das coisas.#m se/ência, a o(ra nos res$ata a import4ncia da Obseração Científica ! , ou se0a,o(ser!a8se as coisas como elas s'o apresentadas. :ontudo, necessita8se con+ecer a coisa.#emplificando, se o(ser!o uma fol+a de papel em cima de uma escri!anin+a, só sa(erei /ue éuma fol+a de papel se ti!er um conceito do /ue é uma fol+a de papel, caso contrário, ao descre!er o o(0eto, falarei de uma coisa (ranca /ue está so(re min+a escri!anin+a, com al$umas lin+asre$ulares. ;as é importante frisar /ue teria /ue con+ecer a cor (ranca e a escri!anin+a para poder atin$ir este conceito, ou se0a, o(ser!ar é interpretar.o conceituar “fato ” , eis a se$uinte defini&'o< =)i$o /ue é um fato se considero /ue éal$o indiscutí!el, /ue nin$uém pelo menos até a$ora, o coloca em /uest'o.> #ste =até a$ora> dizrespeito á possi(ilidade de futuramente este =fato> ser colocado em c+e/ue. O fato assim, é ummodelo de interpreta&'o, /ue se esta(elece ou se pro!a. *ara se afirmar /ue a terra é /ue $ira emtorno do sol, +ou!e a necessidade de se pro!ar o ale$ado.  pro!a deste modo seria uma releiturado mundo.o tentar di!isar  #onto de #artida $  , a o(ra nos mostra /ue ?c+e$a8se sempre tarde paradesco(rir o primeiro ponto de partida-, ou se0a, /uando se o(ser!a um célula no microscópio, 0á seestá interpretando o funcionamento do aparel+o e da célula, e portanto, este n'o seria o ponto de partida, pois se$undo o autor, =n'o eiste um ponto de partida indiscutí!el da ciência>.  o(radefine tam(ém a diferen&a de  #ro#osiç%es e&#íricas  e te'ricas , concluindo /ue a primeira difereda se$unda de acordo com a con!en&'o prática li$ada ao tra(al+o científico de determinadomomento. *ara Fourez, uma definição científica (   =é a releitura de um certo n@mero de elementos domundo por meio de uma teoria>, e sintetiza dizendo /ue defini&'o científica =é umainterpreta&'o>, usada para padronizar o(0etos científicos. O autor eplica tam(ém /ue o conceitode al$o “ob)etio”  passa pelo cri!o da/uilo /ue é con!encional e aceito socialmente, ao passo/ue, fora destas con!en&2es or$anizadas, toma a forma “sub)etia” , podendo estar no limite daloucura, e dá o eemplo do indi!íduo /ue dese0a /ue um elefante rosa dance so(re a mesa.:ertamente este indi!íduo será taado como maluco, pois n'o admite8se socialmente um elefanterosa dan&ar em uma mesa.Aá so(re  su)eito , temos /ue a defini&'o parte do pressuposto /ue o termo =su0eito é ocon0unto das ati!idades estruturantes necessárias á o(ser!a&'o 7 >, e este con0unto forma o *u)eito+ranscendental  , como denomina!a Bant, ou se0a, para ele, é o su0eito /ue produz o con+ecimento,e n'o o contrário, pois no momento em /ue se con+ece al$o, o su0eito está usando suas faculdades para tanto. O  senti&ento de realidade  para Fourez é o(0eti!o e afeti!o. O autor comunica /ue pessoas próimas, principalmente os familiares, /uando possuem coisas em comum com o su0eito,  _________________________________________________________________________________  (A construção das Ciências – !RARD OUR#$%          P        á      g        i      n      a        1 ___________________________________________________________________________________________________ $eralmente passam á ele o sentimento de realidade, ao passo /ue, /uando determinada pessoarece(e em sua eistência conceitos am(í$uos por pessoas próimas, tendem a sofrer pro(lemasemocionais. O real ent'o é al$o indi!idual, depende do mundo em /ue cada um está inserido. *or eemplo, um (e(ê ener$a como realidade a realidade de seus pais, pois é a/uele mundo /ue ele!i!e. )este modo, torna8se impro!á!el fazer com /ue este (e(ê ener$ue as coisas de maneiradi!ersa, e tal!ez se a fizesse, poderia ser declarada louca, pois estaria na contram'o da sociedade.Fourez finaliza suas eplana&2es com o conceito de  eolução Co#ernicana  ou se0a, =umaconstru&'o do su0eito, e n'o a desco(erta de /ue al$uma coisa estará lá, independente do su0eitoo(ser!ante C >. :opérnico, n'o se contentando com o /ue esta!a esta(elecido na época, ousou ecompro!ou /ue o sol está parado, e /ue é o restante dos planetas /ue $iram ao seu redor. #ste fatoamplia e fomenta a necessidade de se in!esti$ar e contestar o pré8esta(elecido.o(re +eorias, -eis e Modelos,  itens eplicitados no capítulo 3, o autor salienta /ue as leis=n'o s'o deduzidas das o(ser!a&2es>, mas sim, =elas se !erificam> /uando capazes de trazer satisfa&'o 9 . s teorias s'o infindá!eis, 0á os modelos, li$am8se ao ima$inário cultural e a pro0etos.o(re erificação e falsea&ento , Fourez ensina /ue ?n'o é a !erdade, mas sim, se um modelo semostra eficaz ou n'o é o /ue se mostra mais importante 1D . O falseamento, por conse$uinte, sempreocorrerá /uando um modelo mostra8se mais eficaz /ue outro.  o capítulo E, Fourez (asicamente discorre so(re as características da comunidadecientífica. O autor entoa /ue referida comunidade é um $rupo (em definido, pertencente  classemédia e em(ora n'o possuam $rande poder social, est'o inseridos no centro da sociedade. comunidade científica  )iz Fourez, aca(a se estruturando de acordo com determinados interessesdas próprias or$aniza&2es sociais a /ue pertencem. as pala!ras do autor, a comunidade científica=é uma confraria onde os indi!íduos se recon+ecem como mem(ros de um mesmo corpo 11 >.#ncontramos no capítulo H uma preocupa&'o do autor com os métodos científicos. Fourezinicia suas asserti!as eplicando /ue a ciência determina8se por paradi$mas. *ara este de(ate, fazreferência a I+omas Bu+n 16 . Os paradi$mas s'o +istórica e culturalmente construídos. #le pro!ocam rupturas no cotidiano, mudando o rumo das coisas e eliminando /uest2es /ue até ent'oeram consideradas pertinentes. Fourez adota como eemplo de paradi$ma a medicina 13 .  ciência moderna é tratada por Fourez no capítulo J. )iz o autor /ue eiste um cenáriomundial praticamente inalterado até o século KLL, /uando, neste momento, a escrita $an+amudan&as si$nificati!as. Iam(ém, os comerciantes (ur$ueses /ue !ia0a!am, a partir deste marco,ter'o forte influência na semente da ciência moderna 1E . :om estas mudan&as, /ue(ram8secostumes e cren&as medie!ais, uniformiza8se a percep&'o de mundo, e com a e!olu&'o da ciência,com o camin+ar dos anos, o físico /ue reside na cidade de ;oscou passará a falar a mesma lín$uacientifica /ue o físico residente em 'o Francisco  entoa Fourez.  o capítulo C, Fourez discorre essencialmente so(re Ciências .unda&entais e Ciênciasa#licadas . alienta /ue a diferen&a fundamental entre estas ciências é /ue a primeira fundamentalou pura5 n'o preocupa8se muito com aplica&2es no conteto da sociedade, pois concentra8se emad/uirir no!os con+ecimentos, ao passo /ue, as ciências aplicadas, possuem essa preocupa&'o,/ual se0a, de uma prática científica mais !oltada para o am(iente social 1H .   o nono capítulo, Fourez preocupa8se com a /uest'o da Ciência , do  /oder   e da  0tica .alienta /ue como a ciência =é sempre um ?poder fazer-, um certo domínio da natureza, ela seli$a, por ta(ela, ao poder /ue o ser +umano possui um so(re o outro 1J >. O autor, citandoMa(ermas, cita a intera&'o entre ciência e sociedade por meio de três intera&2es< tecnocrática,decisionista e pra$mático8política, onde a primeira caracteriza8se pelos con+ecimentos dosespecialistas, /ue determinam o norte a ser se$uidoN o se$undo caracteriza8se pela decis'o, ouse0a, /uais fins ou meios de!em ser empre$ados para se alcan&ar determinado o(0eti!o, sendo osfins sempre de maneira li!re, separados da ciência, e os meios, dependentes dos especialistas. #< paciente decide morrer 8 o fim é decis'o dele, o meio, decis'o do médico5. # por fim, o modelo pra$mático8político permite uma ne$ocia&'o entre as partes para /ue reste decidido após o de(ateo rumo a ser se$uido 17 .  _________________________________________________________________________________  (A construção das Ciências – !RARD OUR#$%          P        á      g        i      n      a        1 ___________________________________________________________________________________________________   o início do capítulo 1D, Fourez diferencia os enfo/ues idealista e 1ist'rico 3 . #plica /ueo enfo/ue idealista possui a característica de li$ar8se a aceita&'o de normas uni!ersais e eternas,ao passo /ue o enfo/ue +istórico é o resultado de uma e!olu&'o, portanto, sem a contempla&'o doeterno. #m se$uida, apresenta a distin&'o entre noção, idéia e conceito 4 . =  5oção”  seria tudoa/uilo /ue se possui um determinado con+ecimento, porém um con+ecimento sem profundidade,ou se0a, se o su0eito possui uma no&'o do /ue é uma família, /uer dizer /ue ele possui umarepresenta&'o !a$a do /ue se0a família, e n'o dese0a se aprofundar no assunto. Aá a = idéia” tem acaracterística de ser utilizada como norma, de colocar uma no&'o como sendo uma coisa eterna. “Conceito” , porém, é como se define ou se constrói uma no&'o dentro de determinado padr'o. uando discute o tema crítica do idealis&o,  o autor diz ser impossí!el demonstrar /ue=n'o eistem idéias eternas 6D >, porém, /ue estas idéias eternas parecem impro!á!eis pela própriae!olu&'o +istórica do mundo. este sentido, diz /ue a no&'o de família, por eemplo, se aproimamais de um condicionamento representati!o de determinada época do /ue propriamente de umaidéia eterna. crescenta ainda dizendo /ue se este conceito foi +istoricamente construído, é umconceito relati!o e n'o a(soluto, pois poderá sofrer !aria&2es futuras como sofrera no passado.   o /ue pertine o tópico = conceitos e relatos 2 ”, Fourez diz /ue a concep&'o e defini&'o deconceito dependerá dos relatos a ele correspondentes. )á eemplo do 0o!em /ue, antes de !i!er um $rande amor, !i!ia zom(ando de seus irm'os, pois o conceito de amor para ele era !azio, por/ue n'o eistiam eperiências so(re o tema atrelados á sua eistência. Iudo muda /uando esteadolescente se apaiona, e é neste eato momento /ue ele passará a usar o /ue ou!iu falar com o/ue está sentindo para enfim ter o relato de amor em sua própria !ida. o tratar da  #rodução social dos conceitos na 1ist'ria 22 , o autor contempla eistirem duasteorias conflitantes< uma de cun+o idealista, e outra, 1ist'rico social  .  primeira considera /ue asideias conduzem o mundo, e estas no&2es podem sur$ir ao acaso ou por intermédio de pensadores. se$unda, por oposto, somente aparecerá /uando pro(lemas sociais pedem o seu sur$imento, eeemplifica< em uma tri(o com am(iente puro, n'o eiste aos moradores a no&'o de polui&'o por n'o ser poluída, mas passará a sur$ir /uando o am(iente desta tri(o perder a característica de pureza. O teto tam(ém especifica /ue eistem três $rades de leitura, a sa(er<  6rade econ7&ica, 6rade fe&inista  e  6rade ecol'6ica 2! .   6rade econ7&ica  é a mais difundida pois a nossa sociedadeé capitalista e possui em sua estrutura três conceitos< o econPmico ati!idades sociais li$adas á produ&'o do necessário a sociedade5, o político li$ado á distri(ui&'o de poder5 e o ideoló$icodiscursos le$itimadores do econPmico e político5.   6rade fe&inista  tem como característica oseismo, predominando ainda o conteto de uma sociedade etremamente patriarcal, comraciocínio masculino deduti!o e o feminino condicionado ao /ue 0á foi !i!ido e ao sofrimento. #finalmente, a  6rade ecol'6ica  preocupa8se com o controle dos meios operacionais criados pelo próprio +omem, pois em dois séculos, tem8se a impress'o de /ue a tecnolo$ia criada aca(ou por fu$ir do controle do criador. *or fim, Fourez nos mostra /ue as três $rades acima delineadasaca(am por se complementarem, pois se pode analisar pelos ol+ares da $rade econPmica a rela&'o+omem8mul+erN analisar atra!és da $rade feminista as rela&2es de eplora&'o econPmica comouma !iolência li$ada ao poder patriarcal, e a $rade ecoló$ica, pensar a rela&'o +omem8mul+er como o encontro de duas maneiras de se situar perante o meio am(iente e a natureza. #nfim,eistem possi(ilidades di!ersas de análises onde as $rades se complementam e se contemplam.  QQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQQ  Referência: FOR#S, Gérard. A construção as ciências < introdu&'o  filosofia e a ética das ciências. Iradu&'ode uiz *aulo Rouanet. 'o *aulo< #ditora da ni!ersidade #stadual *aulista, 199H.  _________________________________________________________________________________  (A construção das Ciências – !RARD OUR#$%          P        á      g        i      n      a        1 ___________________________________________________________________________________________________ L;, #. T.N GM#)L , #. !on eci#ento e $tica na e%iste#o&o'ia e Foure( e suas i#%&icaç)es%ara o ensino e ciências . Ln< ULL #npec 8 #ncontro acional de *es/uisadores em #duca&'o em:iências. Florianópolis, DC no!. 6DDC.  _________________________________________________________________________________  (A construção das Ciências – !RARD OUR#$%
Search
Tags
Related Search
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks
SAVE OUR EARTH

We need your sign to support Project to invent "SMART AND CONTROLLABLE REFLECTIVE BALLOONS" to cover the Sun and Save Our Earth.

More details...

Sign Now!

We are very appreciated for your Prompt Action!

x