Documents

A Geografia Urbana no ensino médio

Description
A geogrAfiA urbAnA no ensino médio Ricardo José Gontijo Azevedo Doutorando do Programa de Pós Graduação em Geografia da UNESP/Rio Claro ricardogeop@yahoo.com.br Fadel David Antonio Filho Professor Adjunto (Livre-Docente) do Departamento de Geografia/IGCE/UNESP/Rio Claro fadeldaf@rc.unesp.br Resumo: O presente artigo busca analisar como a Geografia Urbana é trabalhada no Ensino Médio. Através de uma perspectiva dialética foram aplicadas entrevistas com professores e analisados livros didáticos
Categories
Published
of 6
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
  1   2   A geogrAfiA   urbAnA   no   ensino   médio Ricardo José Gontijo Azevedo Doutorando do Programa de Pós Graduação em Geografa da UNESP/Rio Claroricardogeop@yahoo.com.br Fadel David Antonio Filho Proessor Adjunto (Livre-Docente) do Departamento de Geografa/IGCE/UNESP/Rio Claroadelda@rc.unesp.br Resumo: O presente artigo busca analisar como a Geografa Urbana é trabalhada no EnsinoMédio. Através de uma perspectiva dialética oram aplicadas entrevistas com proessores eanalisados livros didáticos com o objetivo de compreender como determinados temas so-cioespaciais são abordados no estudo do espaço urbano. Observa-se que a temática urbananão é trabalhada em sua plenitude, uma vez que determinados temas, como a segregaçãoespacial e a especulação imobiliária, não são contemplados na maior parte dos livros didáticos.A prática docente também é comprometida no trabalho com a temática urbana, já que amaioria dos proessores usa somente aulas expositivas e o livro didático como instrumentode ensino. Ao fnal do trabalho são apresentadas algumas alternativas metodológicas quepodem subsidiar o trabalho dos proessores com a Geografa Urbana. Palavras-chave: Geografa Urbana. Ensino Médio. Ensino de Geografa. Introdução A Geograa Urbana é um eixo da ciência geográca de fundamental importânciapara compreensão da realidade socioespacial das cidades. Através de uma sólida formaçãona temática urbana os alunos podem conceber o espaço urbano de forma crítica, elucidandocontradições decorrentes de interesses particulares de determinadas classes sociais e agentespúblicos. Somente através de ampla consciência da atuação dos agentes modeladores doespaço urbano é que poderemos conceber uma gestão democrática das cidades.Entretanto, percebe-se que a importância dessa temática é negligenciada pelamaior parte dos livros didáticos, resultando numa abordagem do assunto de modo bastantesupercial pelos professores do Ensino Médio. Temas como a segregação socioespacial, aespeculação imobiliária promovida por diversos atores sociais, o surgimento dos “enclavesforticados” também conhecidos por condomínios fechados, entre outros, são abordadosde modo supercial pelos livros didáticos.Nesse contexto, o presente trabalho tem como objetivo principal analisar comoa Geograa Urbana é tratada no Ensino Médio. O trabalho tem também como objetivosespecícos: compreender como os professores de Geograa do Ensino Médio trabalham atemática urbana; identicar as lacunas deixadas pelos livros didáticos de Geograa desti-nados ao Ensino Médio no que tange à temática urbana; propor alternativas metodológicaspara melhor compreensão do espaço urbano pelos alunos do Ensino Médio.Tento em vista a importância de uma boa formação dos alunos do Ensino Médiona temática urbana para uma gestão democrática das cidades, o presente trabalho justica-se por se propor a analisar como a Geograa Urbana é tratada no Ensino Médio. Alémdisso, buscaremos o desenvolvimento de alternativas metodológicas para que o professorcontemple a temática urbana em sua plenitude, através da abordagem de temas poucoobservados nos livros didáticos, como a segregação socioespacial, a questão dos condomí-nios fechados, a especulação imobiliária e o papel do Estado como agente transformadordo espaço urbano. Nesse contexto, o desenvolvimento do presente trabalho é importantepor fomentar práticas pedagógicas que irão contribuir na formação do aluno em questõesimportantes e pouco abordadas na atualidade. Metodologia O presente trabalho é uma pesquisa qualitativa que busca analisar como o ensinoda Geograa Urbana é realizado no Ensino Médio. A abordagem dialética mostra-se maisapropriada para compreensão da dinâmica político-pedagógica que envolve o ensino daGeograa, uma vez que se pretende elucidar as contradições entre o referencial teórico datemática urbana e sua prática em sala de aula.Para a realização do presente artigo foi realizada inicialmente a pesquisa e revisãobibliográca acerca de temas pertinentes ao assunto abordado, como o contexto socioes-pacial das cidades e como o ensino de Geograa é tratado na contemporaneidade.Visando compreender como os professores trabalham em sala de aula com atemática urbana foram realizadas entrevistas semi-estruturadas com dez professores deGeograa do Ensino Médio, que lecionam na rede pública e/ou privada em Limeira-SP.Nas entrevistas, os professores foram questionados sobre como trabalham a GeograaUrbana em sala de aula, quais metodologias de ensino e recursos didáticos utilizam e quaisconteúdos são trabalhados nessa temática.Posteriormente, foram analisados dez livros didáticos de Geograa dirigidos aoEnsino Médio com o objetivo de vericar como a questão urbana é abordada. Sendo umdos autores do presente trabalho professor de Geograa na rede pública de ensino, oslivros didáticos foram utilizados levando em consideração a disponibilidade dos mesmospelo autor, sem a intenção de selecioná-los de acordo com editoras ou autores. Os livrosdidáticos selecionados para análise foram:  34   NºAutoresNome do livroEditoraAno1 ALMEIDA, Lúcia Marina Alves;RIGOLIN, Tércio BarbosaGeograa geral e do BrasilÁtica2005 2 FILIZOLA, RobertoGeograaIBEP2005 3 GARCIA, Helio Carlos;GARAVELLO, Tito Marcio.Geograa: de olho no mundo dotrabalhoScipione2005 4 KRAJEWSKI, Ângela Corrêa;GUIMARÃES, Raul Borges;RIBEIRO, Wagner CostaGeograa: pesquisa e açãoModerna2005 5 LUCCI, Elian Alabi;BRANCO, Anselmo Lazaro;MENDONÇA, CláudioGeograa Geral e do BrasilSaraiva2005 6 MAGNOLI, Demétrio;ARAÚJO, Regina.Geograa: a construção domundoModerna2005 7 MOREIRA, João Carlos;SENE, Eustáquio de.GeograaScipione2005 8 SILVA, Vagner Augusto da.Geograa do Brasil e geral: povose territóriosEscalaEducacional2005 9 TAMDJIAN, James Onnig;MENDES, Ivan Lazzari.Geograa geral e do Brasil:estudos para compreensão doespaçoFTD2005 10 TERRA, Lygia;COELHO, Marcos de Amorim.Geograa Geral e Geograado Brasil: o espaço natural esocioeconômicoModerna2005 Após a análise dos livros didáticos foram propostas algumas alternativas metodo-lógicas para o trabalho da temática urbana com os alunos do Ensino Médio. O ensino de geografa como instrumento de libertação Vesentini (2006) considera que tanto a educação como o ensino, são ou podemser, ao mesmo tempo, instrumentos de dominação e de libertação. Para o autor, o sistemaescolar moderno foi construído por cima, através do Estado instrumentalizado pela bur-guesia como classe hegemônica. Assim, o sistema escolar foi e ainda é estratégico para areprodução da sociedade capitalista.Nesse contexto, é fundamental que o professor trabalhe com os alunos temas pouco vistos nos livros didáticos de Geograa, como a questão social que estrutura a organizaçãodas cidades, com vistas a uma educação que objetiva a formação integral dos alunos, compensamento autônomo e crítico diante das contradições vericadas na sociedade. Vesentini(2006, p. 25) salienta a esse respeito que: Educar para a liberdade não é somente educar os outros, mas também a si mesmo, de formapermanente, aprendendo ao mesmo tempo que se ensina (ou melhor, que se leva os alunosa aprender). Só assim pode-se propiciar aos educandos que se tornem cidadãos plenos,agentes da história, sujeitos autônomos, críticos e criativos. Cavalcanti (2002) ressalta em sua obra a importância de se estudar a temáticaurbana nos conteúdos de Geograa, por dois motivos distintos, um por se tratar de umaespacialidade especíca com múltiplos aspectos e características próprias, outro comodesenvolvimento de habilidades, valores e condutas para a vida cotidiana, contribuindoneste sentido para a formação da cidadania. Para a autora, o grande desao na hora deelaborar as propostas de ensino consiste em traduzir pedagogicamente as novas formasde compreensão do espaço, para aproximar os alunos de um discurso que incorpore osavanços da Geograa nas últimas décadas.Sabemos que o estudo do espaço urbano passou ganhou novos signicados nasúltimas décadas com o surgimento da Geograa Crítica. Entretanto, observa-se que asaulas dessa temática continuam, em sua maioria, a ter um viés tradicional que acaba porlegitimar aos interesses das classes dominantes. Muitos alunos não conseguem conceber oespaço urbano como produto de uma sociedade de classes, e que, portanto, carrega consigoas contradições inerentes à sociedade capitalista.Se considerarmos que a crítica de Lacoste (1977) sobre a Geograa que se ensinanas escolas de ensino fundamental e médio, temos de reconhecer que se trata de “umaespécie de cortina de fumaça que permite dissimular” uma outra Geograa, dita “dosestados-maiores”. Enquanto a primeira, a “Geograa dos professores” torna-se um sabersem aplicação prática, a “dos estados-maiores” entende o espaço como um poderoso ins-trumento de poder. Explica Lacoste (1977, p.31-32) que: A geograa escolar que foi imposta a todos no m do século XIX e cujo modelo continuaa ser reproduzido ainda hoje, quaisquer que possam ter sido os progressos na produção deidéias cientícas, encontra-se totalmente alheado de toda a prática. De todas as disciplinasensinadas na escola ou no liceu, a geograa é, ainda hoje, a única que surge como um sabersem a mínima aplicação prática fora do sistema. Considerando isso, há uma premente necessidade do professor de Geograa eminverter esse quadro, buscando meios para transformar o ensino de Geograa numa aplica-ção estratégica e ideológica que sirva para conscientizar o aluno em seu papel de cidadão.Se a preocupação fundamental de todo e qualquer ramo do saber humano é ou deveser a sociedade, cada ciência em particular se ocupa de um dos seus aspectos. (SANTOS,1978). No caso da Geograa, o espaço é seu objeto de estudo principal, seja ele o espaçourbano, o espaço rural ou o natural. No caso do espaço urbano, especicamente, Santos(1981, p. 173) explica que “a paisagem urbana pode ser denida como um conjunto deaspectos materiais, através dos quais a cidade se apresenta aos nossos olhos, ao mesmotempo como entidade concreta e como organismo vivo.”  56   Com base nisso podemos entender que dentro de uma mesma cidade há duas oumais cidades. Isso é resultado da oposição entre níveis de vida e entre setores da atividadeeconômica, ou seja, das contradições entre as classes sociais. São exatamente essas contra-dições que ocorrem no espaço urbano que devem ser exploradas no ensino da Geograasobre o tema.Acreditamos que o estudo da Geograa Urbana em sua plenitude deve focar osproblemas surgidos com a fragmentação do espaço urbano, com o surgimento de bairrosdestinados às camadas sociais especícas, com a segregação socioespacial. Assim, os alunospodem ter uma visão crítica do ambiente que o cerca, contribuindo para a formação decidadãos autônomos no pensar e agir, vislumbrando uma sociedade mais justa e democrá-tica. Nesse sentido diversas propostas curriculares para o ensino de Geograa, destacam aimportância do ensino da Geograa urbana para formação da cidadania. Nesse contextodestaca-se o que nos revela Cavalcanti (2002, p.47): O ensino de Geograa contribui para a formação da cidadania através da prática de con-strução e reconstrução de conhecimentos, habilidades, valores que ampliam a capacidade decrianças e jovens compreenderem o mundo em que vivem e atuam, numa escola organizadacomo um espaço aberto e vivo de culturas. O exercício da cidadania na sociedade atual, porsua vez, requer uma concepção, uma experiência, uma prática – comportamentos, hábitos,ações concretas – de cidade. Na visão de Cavalcanti (2002), a escola, ao escolher trabalhar a temática urbana,tem que fomentar atividades em que os alunos percebam a existência de diferentes imagensda cidade, tanto cotidianas como cientícas, que podem se confrontar.Nas áreas urbanas, a produção do espaço certamente envolve uma innidade deforças que contribuem para sua transformação ao longo do desenvolvimento de um modoprodutivo. Nesse contexto, percebe-se que o sistema capitalista esteja associado às maisprofundas modicações do espaço geográco em toda sua existência.Sobre essas modicações, Corrêa (2005) considera que existem agentes sociaisconcretos que produzem e consomem o espaço. O autor identica cinco agentes distintos,que são: os proprietários dos meios de produção; os proprietários fundiários; os promotoresimobiliários; o Estado; e os grupos sociais excluídos. Ainda de acordo com a concepção doautor, a ação desses agentes não é neutra, reetindo assim os interesses do agente dominante.Para Correa (2003) a segregação espacial tem srcem anterior ao surgimento docapitalismo, remontando ao período do aparecimento das cidades e classes sociais que ahabitavam. Entretanto, com a ascensão do capitalismo a segregação torna-se mais acentuadaà medida que o fracionamento das classes sociais se consolida.O caráter desigual do sistema econômico capitalista sugere que a segregação seja,para Santos (1979. p. 31), por um lado, uma forma disfarçada e, por outro, explícita de discriminação social impostapela condição econômica a qualquer indivíduo no espaço urbano. Isto depende do contextosócio-político, pois esta forma de distribuição de população urbana, baseada em aspectoseconômicos, torna-se um fator importante para a separação existente entre os diferentesagrupamentos sociais que assumem, no espaço urbano, uma disposição bem denida. Analisar, no presente momento histórico, a maneira como a Geograa Urbana éabordada nas aulas e nos livros didáticos pode contribuir para a formação de alunos críticose conscientes na sociedade. Nesse sentido Vesentini (2006, p. 26) considera que:Procurar a todo custo evitar o comodismo intelectual e a burocratização das rela-ções sociais e educacionais é uma das mais importantes tarefas para que o ensino não apenasreproduza as demandas de ampliação da modernidade, mas, principalmente, contribua paraformar cidadãos críticos e, com isso, uma sociedade cada vez mais democrática e pluralista.É importante ressaltar que o professor deve colocar em prática os conhecimentosque aprendeu durante sua formação acadêmica juntamente com os conhecimentos pré- vios que cercam a vida dos alunos. Assim, a prática docente necessita estar intimamenterelacionada ao cotidiano dos alunos e professores, aproximando a teoria com a realidadepara que o processo de ensino-aprendizagem alcance o sucesso. Nesse contexto, Zanatta(2008, p.140) salienta que “estudar a Geograa de uma cidade é compreendê-la em suasparticularidades, inserindo-a no mundo como um todo e estudar a geograa do mundo éprocurar compreender as maneiras pelas quais os diferentes lugares se articulam.”Para o estudo das cidades, é fundamental que o professor aproxime a temática aoque é conhecido pelos alunos, relacionando a dinâmica socioespacial aos bairros, ruas, pra-ças, o centro e a periferia, a cidade e o campo, as feiras e os shoppings centers. Valoriza-seassim o conceito de lugar, fundamental para a compreensão da realidade espacial.A temática urbana pode ser bem desenvolvida em sala de aula se a abordagemdialética é considerada. Assim, valoriza-se o conceito de (re) produção do espaço urbano,uma vez que o espaço é fruto das complexas relações sociais que nele se estabelece. A me-todologia dialética permite a discussão e análise das contradições da sociedade capitalistaexpressas no espaço urbano, por exemplo, através da segregação socioespacial. Resultados e discussão A revisão bibliográca possibilitou uma melhor compreensão do papel fundamentalque a Geograa assume na formação dos alunos. Nesse sentido, a questão urbana emergecomo possibilidade de participarmos de modo ativo na sociedade, através do desenvolvi-mento da cidadania e da compreensão dos problemas socioespaciais das cidades.Os temas urbanos nos livros didáticos analisados, com maior ou menor profundida-de, referem-se principalmente à dinâmica geral do processo de urbanização decorrente daindustrialização e do êxodo rural, bem como conceitos sobre redes e hierarquias urbanas,metropolização e sobre as cidades na economia global. Muitos são os livros que tratam dos  78   problemas ambientais urbanos, como a questão da poluição atmosférica, formação de ilhasde calor, ocorrência de inversão térmica, chuva ácida e outros. O problema da ocupaçãodesordenada em encostas, que favorecem deslizamentos de terras também está presenteem boa parte dos livros, mas a questão social de ocupação dessas áreas irregulares não éabordada de modo satisfatório.Não é intenção do presente artigo classicar os livros didáticos. Assim, os livrosforam analisados levando em consideração os conteúdos relacionados à temática urbana.Para tanto, os livros foram enumerados em ordem alfabética de autor, e foi realizada umacriteriosa vericação dos conteúdos relacionados à temática urbana, procurando encontrarconteúdos relacionados à dinâmica socioespacial presente nas cidades, considerados peloautor como: segregação espacial, especulação imobiliária, moradias precárias / favelas,loteamentos periféricos, movimentos de ocupação e condomínios fechados.É válido considerar que para o livro receber a indicação de que trabalhou comdeterminado conteúdo foi necessário que nele estivesse explícita uma argumentação só-lida e coerente sobre esses conteúdos, e não somente terem citado-os ou abordado-os demodo supercial.A análise permitiu vericar que os livros didáticos de Geograa do Ensino Médionão contemplam a temática urbana em sua plenitude. Assim, nenhum livro analisadocontemplou totalmente os temas relacionados à problemática socioespacial das cidades.Observa-se que o conteúdo relacionado à temática das moradias precárias e/ou forma-ção de favelas esteve presente em 90% dos livros analisados. O segundo conteúdo maisabordado nesse sentido refere-se à especulação imobiliária, presente em 40% dos livrosanalisados. O terceiro conteúdo observado foi a segregação espacial, presente em apenas30% dos livros. Isso evidencia que existem muitas lacunas nos livros didáticos no que serefere à temática urbana. A tabela apresentada a seguir ilustra de modo mais claro a análisedos livros didáticos realizada. Número do livroConteúdo12345678910Segregação espacialEspeculação imobiliáriaMoradias precárias / favelasLoteamentos periféricosMovimentos de ocupaçãoCondomínios fechados Os conteúdos abordados em cada livro estão destacados na cor cinza. NºAutoresNome do livroEditora 1ALMEIDA, Lúcia Marina Alves;RIGOLIN, Tércio BarbosaGeograa geral e do BrasilÁtica2FILIZOLA, RobertoGeograaIBEP3GARCIA, Helio Carlos;GARAVELLO, Tito Marcio.Geograa: de olho no mundo do trabalhoScipione4KRAJEWSKI, Ângela Corrêa;GUIMARÃES, Raul Borges;RIBEIRO, Wagner CostaGeograa: pesquisa e açãoModerna5LUCCI, Elian Alabi;BRANCO, Anselmo Lazaro;MENDONÇA, CláudioGeograa Geral e do BrasilSaraiva6MAGNOLI, Demétrio;ARAÚJO, Regina.Geograa: a construção do mundoModerna7MOREIRA, João Carlos;SENE, Eustáquio de.GeograaScipione8SILVA, Vagner Augusto da.Geograa do Brasil e geral: povos eterritóriosEscalaEducacional9TAMDJIAN, James Onnig;MENDES, Ivan Lazzari.Geograa geral e do Brasil: estudos paracompreensão do espaçoFTD10TERRA, Lygia;COELHO, Marcos de Amorim.Geograa Geral e Geograa do Brasil: oespaço natural e socioeconômicoModerna Através da realização das entrevistas com dez professores de Geograa do EnsinoMédio foi possível observar que a temática urbana é trabalhada parcialmente pela maiorparte deles. Conceitos relacionados às desigualdades sociais impressas no espaço urbanonão são trabalhados por todos. Observa-se que as metodologias de ensino da Geograaestão em grande parte dissociadas da realidade dos alunos, ainda com uma abordagemtradicional voltada principalmente para aulas expositivas sobre a temática urbana.Outro fato observado nas entrevistas foi que a maior parte dos professores utilizasomente o livro didático como instrumento de trabalho para abordar a temática urbana.Aulas que poderiam explorar o lugar de vivência dos alunos, com realização de visitas etrabalhos de campo pela cidade foram citadas somente por dois professores. Três pro-fessores armaram recorrer aos lmes e documentários para ilustrar a dinâmica urbana.Através da entrevista foi possível identicar que as metodologias de ensino praticadasnas escolas públicas e privadas são muito semelhantes no que se refere ao trabalho com atemática urbana.Os principais conteúdos considerados pelos professores como importantes paraexplicar a dinâmica urbana foram: o processo de urbanização (mundial e brasileiro), oêxodo rural, a rede urbana, a hierarquia urbana, o processo de formação das metrópoles,as cidades globais e megacidades, os problemas ambientais urbanos (principalmente rela-cionados ao clima) e a questão das favelas (para alguns professores).
Search
Tags
Related Search
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks