Documents

A Importância Do Quebra-gelo - Dinâmicas

Description
A Importância do Quebra-Gelo
Categories
Published
of 11
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
  A IMPORTÂNCIA DO QUEBRA-GELO Pastor Ricardo Guimarães A primeira parte da reunião de uma célula é o “quebra-gelo”. O “quebra-gelo” é de suma importância, principalmente quando o grupo é noo e as pessoas ainda não se con!ecem bem.O seu ob etio é produ#ir um ambiente in$ormal e não amea%ador. As perguntas de apresenta%ão t&m sido usadas como “quebra-gelo” por centenas de pessoas. 'se-as quando o grupo $or noo, ou sempre que !ouer isitantes. As perguntas de apresenta%ão são do tipo( “Onde oc& mora)”* “+uantos irmãos oc& tem)”* “O que oc& $a#)”* “+uem é a pessoa mais prima de oc&)”* “+uando $oi que eus se tornoumais do que uma palara para oc&)”. /en!uma das perguntas ep0e a intimidade da pessoa. 1 importante que todos do grupo respondam a uma mesma pergunta, antes de ir 2 prima.O “quebra-gelo” dee ser apropriado para o grupo 3 oens, adolescentes, adultos, crian%as...4. /ão muito in$antil 5 para que as pessoas não se sintam descon$ort6eis -, nem amea%ador 5 para que elas não se a$astem do grupo. 7istem alguns métodos que são mais apropriados para o in8cio de um grupo, do que outros. Alguns podem ser usados muitas e#es. Por eemplo( “qual $oi a coisa mais importante que aconteceu como oc& nesta semana)”9embre-se de que o “quebra-gelo” não é um ogo. 1 uma atiidade que a uda as pessoas a tirar a aten%ão de si mesma, para se sentir 2 ontade com os outros. 7le a uda a concentrar a aten%ão de toda a célula numa :nica dire%ão. ;uitos irmãos complicam o “quebra-gelo”, ao tentar $a#er sempre uma coneão com a palara a ser ministrada e ao buscar sempre uma aplica%ão espiritual./ão espere muito do “quebra-gelo”* a comun!ão que ele produ# é sempre super$icial. ;as nunca o despre#e* ele não é um tempo ogado $ora. 'se-o em cada reunião< OS DEZ MANDAMENTOS DO QUEBRA-GELO  7scol!a o quebra-gelo de acordo com o grupo 3 oens, adolescentes, adultos, crian%as...4  =a%a um rod8#io, deiando um irmão respons6el pelo >quebra-gelo> em cada reunião*  /ão espere muito do >quebra-gelo>* a comun!ão que ele produ# é sempre super$icial.  /ão $ique tentando $a#er sempre uma coneão entre o quebra-gelo e a palara que ser6 compartil!ada.  /ão complique o quebra-gelo tentando encontrar sempre uma aplica%ão espiritual paraele.  /ão ten!a medo de repetir um quebra-gelo s porque oc& 6 o utili#ou antes.  /ão despre#e o quebra-gelo, ele não é um tempo ogado $ora.  /ão use quebra-gelo que possam gerar constrangimento como desa$ios, com pessoasque oc& não con!ece.   /ão prolongue o quebra-gelo por mais de de# minutos na célula.  /ão importa que tipo de reunião oc& $ar6. 7la ser6 mais dinâmica se oc& $i#er um quebra-gelo no in8cio. ? 7@A=?O@( Texto enigmatica 7BO 7/?G;C?DA( ranscrea o teto abaio e d& uma cpia a cada pessoa do grupo. /o in8cio alguns poderão $icar con$usos e se ac!ar que não conseguirão ler. ;as assim que o primeiro descobrir pe%a para a udar os demais. /o $inal pe%a a um membro do grupo para ler o teto todo para o grupo. Dica: Se você conseguir ler as primeiras palavras, o cérebro decifrará automaticamente as outras... E; '; F E HERI, EJKH / PRF, ILJERH/I 'J DRF/DJ LRF/D/I / REF.E9J KRL9MH; ;'FKI DI/JKR'F/I '; DJKE9I E REF DI; KIRREJ, PJJRE9J E PJJGE/@ F/KER/J. +'/I EJKJH; +'JE DL/I, HEFI '; I/ E EJKR'F' K'I, RE'NF/I I DJKE9I  '; ;I/KE E REF E EJP';.DMEF +'E, EPIFJ E K/KI EJ=IRDI E D'FI, J DRF/DJ DFRF; /I DMIRI. ;FJ E9J DIRRER; PE9 PRF, ='GF/I  G', RF/I E ;IJ J E DI;EDR;  DI/JKR'FR I'KRI DJKE9I.DI;PREE/F +'E MHF PRE/FI '; GR/E 9FDI( GJK;IJ ;'FKI KE;PI  /IJJ HF DI/JKR'F/I 9G'; DIFJ E ;FJ DEI I';FJ KRE, '; I/ PIER HFR E EJKR'FR K'I I +'E 9EH;IJ K/KI KE;PI PR DI/JKR'FR.;J +'/I FJJI DI/KEDER JI;E/KE +'E9E +'E KE; J ;IJ E 9G'E; PR JEG'RR, JER DPN E JIRRFR< @I I +'E PER;/EDE E  ;FNE, I ;IR E I DRF/MI. I REJKI E =EFKI REF. Moral ( Devemos investir a nossa vida em relacionamentos. Pois em momentos de dificuldades, uma mão ou uma palavra amiga podem fazer uma grande diferença em nossa vida O Enigma do Caio 1. ENIGMA DO CAIO ( 'm grupo de turista andando pela estrada, iu um !omemtentando escalar uma montan!a. 7nquanto $otogra$aam a cena, a corda arrebentou e o!omem caiu. Domo se c!amaa aquele !omem) 3Resposta( Daio da Roc!a4. Moral:  O importante não é acertar todas, mas participar e untamente com o grupo buscar a resposta. Teste de Lgica  1. Alguns mss ! m #1 $%as. Quan!os ! m &'( Resposta( !: odos os meses têm pelo menos !# dias &. Um )omm *u +%+ no M,%o /o$ sr n!rra$o nos Es!a$os Un%$os( Resposta( $ão, pois se ele ainda vive não pode ser enterrado #. 0 /rm%!%$o *u um )omm s as om a %rm $ sua +%2+a( Resposta( $ão: %omens mortos não se casam 3. Um m,$%o ! $4 !r s om/r%m%$os  $%5 *u !om um a a$a m%a )ora. Quan!o !m/o$uraro os om/r%m%$os( Resposta(  &ora: oma o primeiro. oma o segundo em meia &ora, e o 'ltimo em meia &ora... assim (ue a resposta é uma &ora. 6. Um 7a5n$%ro !m 18 arn%ros  morrm !o$os mnos 9. Com *uan!os arn%ros 7%a( Resposta( ): Se morreram todos menos ), ele fica precisamente com esses ). . S )4 # ma;s  +o /ga &< om *uan!as 7%a( Resposta(  !: *ica com as ! (ue pegou. 8. Quan!os slos $ $o%s n!a+os )4 m uma $25%a( Resposta( !: +ma d'zia de (ual(uer coisa é sempre !. Res!osta Re #m!ago Rs/os!a Rl=m/ago:  l-der aponta para a pessoa e ela tem (ue responder assim(ue o l-der terminar de perguntar. Se a pessoa não responder ela aponta imediatamente para outra. F. Hoc& est6 num quarto escuro e $rio, ac!a uma caia de $s$oro com F palito. 9ogo oc& descobre que no quarto !6 um lampião, querosene e len!a seca. +ual oc& acenderia primeiro)N. +uantos animais de cada ;oisés leou na arca)E. 'm trem elétrico ia a a FIIm!, a resist&ncia do ento é de LJm!. Para onde ai a $uma%a). 'm clinica de tratamento capilar cobra RQ I,IF por cada $io recuperado. @e meia careca tem cerca de EI mil $ios, quanto ter6 a careca inteira) A on$a% o tig&e% o '&so e o o(o T>!ulo: A on;a? o !%gr? o urso  o lo@o Hoc& est6 camin!ando numa estrada quando de repente ol!a para $rente e & uma on;a /%n!a$a . Ol!a para tr6s e & um !%gr $ @ngala . Ol!a para a direita e & um urso . Ol!a para a esquerda e & um lo@o . Para que lado oc& corre) Com!acta$)o Minei&a T>!ulo: COMACTAO MINEIRA 7screa num papel o di6logo seguinte entre dois mineiros e pe%a para os membros do grupo deci$rarem(  - D7 1 A=1) - 1. - PS PT PS) - PS PT< - PS PT PUO) - PS PT PO?/ @S. - +=O; OT. - OPDH< - ;7' D1< otal( KK caracteres. @e ninguém conseguir deci$rar o di6logo, então mostre o signi$icado para o grupo, e e a como é mais econVmico $alar mineiro( ?C9OGO 7@DO;PADAO( - HODW +'7R DA=1) - +'7RO. - PO7 POR O PS) - PO7 POR. - PO7 POR PUO) - PO7 POR '; PO'+'?/MO @S. - +'7 =O;7 +'7 7' 7@O'< - O9MA PARA HODW H7R< - ;7' 7'@ O D1'<otal( F caracteres. Dompressão de LX<<<< 1 bão mess, uai< Ditados Disto&cidos TTULO: DITADOS DISTORCIDOS  7screa os ditados abaio em tiras de papel, para que todos possam ler. Pe%a aosmembros que criem senten%as para terminar os ditados. O noo ditado “distorcido” pode ser tanto engra%ado quanto sério. Por eemplo( para o con!ecido ditado /uem tem boca vai a0oma1   alguém pode acrescentar( e (uem não tem não vai além...1.  A8 ão alguns ditados para estimular a imagina%ão do grupo( “ +uem sai na c!ua épara se mol!ar...”* “Cgua mole em pedra dura, tanto bate até que $ura...”* “Dão que ladra nãomorde...”* “e grão em grão a galin!a enc!e o papo...”* “'ma andorin!a s não $a# erão...”*“Pedra que muito rola não cria limo...”, etc. 7 muitos outros que oc& pode acrescentar paradinami#ar sua reunião. II * TROPE+ANDO A L,NGUA   O P. do Ped&o O peito do pé de Pedro é preto. 1 preto o peito do pé de Pedro”.Pe%a para a pessoa $alar tr&s e#es aumentado a elocidade da o#. Ta'to ogia  A tautologia é um dos 8cios de linguagem. Donsiste em repetir uma idéia, com palaras di$erentes. He a alguns eemplo e acrescente outros(   F.7lo de liga%ão*N. Acabamento $inal*E. Derte#a absoluta*
Search
Tags
Related Search
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks