Recipes/Menus

A INFLUÊNCIA DAS REDES INTERORGANIZACIONAIS E DA COMPLEMENTARIDADE DE RECURSOS NO DESEMPENHO DA INOVAÇÃO:

Description
UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA (UnB) FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE (FACE) PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO (PPGA) DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO Cleidson Nogueira Dias A INFLUÊNCIA
Categories
Published
of 380
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA (UnB) FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE (FACE) PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO (PPGA) DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO Cleidson Nogueira Dias A INFLUÊNCIA DAS REDES INTERORGANIZACIONAIS E DA COMPLEMENTARIDADE DE RECURSOS NO DESEMPENHO DA INOVAÇÃO: Um estudo comparativo Brasil-Espanha no setor de pesquisa agropecuária Orientador: Dr. Valmir Emil Hoffmann Co-orientadora: Drª. María Teresa Martínez-Fernández 2015 Brasília DF UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DOUTORADO EM ADMINISTRAÇÃO A INFLUÊNCIA DAS REDES INTERORGANIZACIONAIS E DA COMPLEMENTARIDADE DE RECURSOS NO DESEMPENHO DA INOVAÇÃO: Um estudo comparativo Brasil-Espanha no setor de pesquisa agropecuária CLEIDSON NOGUEIRA DIAS Tese apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Administração, como requisito parcial à obtenção do grau de Doutor em Administração. Orientador: Prof. Dr. Valmir Emil Hoffmann Co-orientadora: Drª. María Teresa Martínez-Fernández Brasília, DF 2015 ii A INFLUÊNCIA DAS REDES INTERORGANIZACIONAIS E DA COMPLEMENTARIDADE DE RECURSOS NO DESEMPENHO DA INOVAÇÃO Tese defendida no dia 22/06/2015 diante da banca examinadora constituída por: Prof. Dr. Valmir Emil Hoffmann Presidente Programa de Pós-Graduação em Administração PPGA Universidade de Brasília UnB Prof. Dr. Alsones Balestrin Membro Externo ao PPGA da UnB (PPGAdm/UNISINOS) Prof. Dr. Antônio Isidro da Silva Filho Membro Interno do PPGA da UnB Prof. Dr. Carlos Alberto Gonçalves Membro Externo à UnB (CEPEAD/UFMG e FUMEC) Prof. Dr. Tomás de Aquino Guimarães Membro Interno do PPGA da UnB Prof. Dr. Edgar Reyes Filho Membro Interno do PPGA da UnB (Suplente) Brasília 2015 iii DEDICATÓRIA À minha esposa e aos meus pais, pela paciência, compreensão e amor proporcionados na caminhada. À minha filhinha de 05 anos de vida, Beatriz, presente de Deus em minha vida. iv AGRADECIMENTOS Primeiramente a Deus, pela constante proteção e eterno auxílio; Aos meus pais e esposa, por todo incentivo e apoio durante todo o período de doutorado; A toda minha família, pela paciência e amparo; À Universidade de Brasília (UnB/ Brasil) e Universitat Jaume I (UJI/ Espanha); Aos meus orientadores, Prof. Valmir Emil Hoffmann e Profª María Teresa Martínez Fenández, pelo privilégio que me concederam ao orientarem neste trabalho e pelo acompanhamento norteador e competente de ambos, que me proporcionam muito aprendizado e conhecimento, bens impagáveis; Aos professores do curso de pós-graduação, que proporcionaram a todos os doutorandos informações valiosíssimas; Aos colegas de pós-graduação, pela jornada compartilhada, pela colaboração, troca de experiências e pela amizade; Aos profissionais das organizações estudadas, pelo empenho em responder os questionários e entrevistas e, também, pela facilitação à consulta de diversos materiais exclusivos de suas instituições, as quais foram a base desta pesquisa; Finalmente, aos amigos e todos aqueles que colaboraram e me incentivaram para que eu pudesse tornar tangível este sonho. v SUMÁRIO RESUMO... 9 RESUMEN ABSTRACT INTRODUÇÃO Estado da arte e Contextualização Relevância e Problematização da Pesquisa Objetivos e delimitação da pesquisa Estrutura da Tese MARCO TEÓRICO Razões determinantes à cooperação interorganizacional Atributos essenciais das redes interorganizacionais Mecanismos de coordenação Tamanho das redes Força dos laços Densidade Configuração Desempenho da inovação no contexto de redes e complementaridade de recursos Operacionalização teórico-conceitual da pesquisa ASPECTOS METODOLÓGICOS DA PESQUISA Métodos de Pesquisa Unidade de Análise Embrapa INIA Fases da Pesquisa Fase 1: desenvolvimento teórico e metodológico Fase 2: contato inicial com o campo de pesquisa (casos-piloto) Fase 3: estudo de múltiplos casos (casos finais) Fase 4: apresentação e análise dos resultados Fase 5: conclusões da pesquisa Seleção de Casos Coleta dos dados Procedimentos para validade e confiabilidade da pesquisa vi 3.7 Tratamento dos dados Explicações sobre os programas SPSS, LimeSurvey, TOSMANA e Iramuteq ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS DOS ESTUDOS-PILOTO Resultados dos estudos de caso-piloto Principais resultados do estudo-piloto na Embrapa Principais resultados do estudo-piloto no INIA Implicações dos estudos-piloto para a pesquisa ANÁLISE E DISCUSSÃO DE RESULTADOS DOS MÚLTIPLOS CASOS Razões Determinantes Determinantes para Formação da Rede - Brasil Determinantes para Formação da Rede - Espanha Análise e Discussão Complementar sobre Razões Determinantes Mecanismos de Coordenação Mecanismos de Coordenação da Rede - Brasil Mecanismos de Coordenação da Rede Espanha Análise e Discussão Complementar sobre Mecanismos de Coordenação TAMANHO DA REDES Tamanho da Rede Brasil Tamanho da Rede Espanha Análise e Discussão Complementar sobre Tamanho das Redes Força dos Laços Foça dos Vínculos (Laços) - Brasil Foça dos Vínculos (Laços) - Espanha Análise e Discussão Complementar sobre Força dos Laços Densidade da Rede Densidade da Rede - Brasil Densidade da Rede - Espanha Análise e Discussão Complementar sobre Densidade das Redes Configuração (Tipos de Redes) Configuração das Redes - Brasil Configuração das Redes Espanha Análise e discussão complementar sobre configuração (tipos de redes) Recursos (Tangíveis e Intangíveis) Recursos das Redes - Brasil vii 5.7.2 Recursos das Redes Espanha Análise e discussão complementar sobre Recursos (tangíveis e intangíveis) Análise conjunta das variáveis/dimensões CONCLUSÃO REFERÊNCIAS APÊNDICE 1: APÊNDICE 2: APÊNDICE APÊNDICE APÊNDICE APÊNDICE APÊNDICE APÊNDICE APÊNDICE ANEXO 1: Tabela geral com objeto de estudo na Espanha ANEXO 2: Termo para consulta de documentos internos no Brasil ANEXO 3: Principais produtos agrícolas no Brasil ANEXO 4: Termo para entrevista piloto em instituição brasileira (Embrapa) ANEXO 5: Carta para entrevista piloto em instituição espanhola (INIA) ANEXO 6: Mensagens de texto no de aplicação do questionário no Brasil ANEXO 7: Mensagens de texto no de aplicação do questionário no Espanha. 383 ANEXO 8: Mensagens de texto no de agendamento da entrevista (Brasil e Espanha) ANEXO 9: Gravações e Transcrições de entrevistas ANEXO 10: Controle de Coleta de Dados ANEXO 11: Mensagens aos juízes para Validade e Confiabilidade do instrumento ANEXO 12: Quadro das Variáveis explicativas do modelo ANEXO 13: Cuadro de las Variables explicativas del modelo viii RESUMO Uma rede de inovação pode ser entendida como um modelo interorganizacional heterogêneo, cujos atores interagem por meio de ações coletivas voltadas à inovação. Desta maneira, o presente trabalho realizou uma revisão sobre estudos nacionais e internacionais sobre redes interorganizacionais e a Visão Baseada em Recurso (Resource-Based View) na perspectiva da inovação. Em seguida, foram estabelecidas relações teóricas que permitiram testar proposições ao se identificar variáveis derivadas da literatura. Logo, esta pesquisa tem como objetivo geral propor um modelo teórico-conceitual que contribua com o entendimento do desempenho da inovação por meio da complementaridade de recursos em redes interorganizacionais. Salienta-se que o estudo foca a lógica do desempenho da inovação em instituições de pesquisa no setor agropecuário. Quanto aos aspectos metodológicos, esta pesquisa teve caráter qualitativo e combinou métodos distintos para uma melhor compreensão do fenômeno a ser investigado. As principais conclusões que se obteve foram: a) há um conjunto de razões determinantes para formação de redes de inovação, no qual a reciprocidade é o mais presente e os determinantes que explicam o sucesso são a redes que contêm entre seus motivadores a legitimidade ou flexibilidade ou eficiência combinada com a ausência de economia de escola ou, ainda, as redes em que há ausência concomitante dos determinantes economia de escala e necessidade ; b) as razões determinantes, mecanismos de coordenação, tamanho, forças dos laços, densidade e configuração das redes são variáveis que influenciam a complementaridade de recursos no âmbito das redes; e c) líderes dos projetos interorganizacionais foram unânimes em destacar que a redes influenciam o desempenho inovativo beneficiados pela complementaridade dos recursos entre as organizações participantes. As contribuições teóricas de destaque desse trabalho se centram em: i) as variáveis densidade, tamanho e configuração das redes não são suficientes isoladamente para explicar o desempenho inovativo. Elas dependem de combinações; ii) apesar da vasta literatura que aponta a aglomeração territorial como fonte de recurso para as redes, as redes dispersas, combinadas com outras configurações de sua estrutura podem gerar inovações nas redes; iii) embora o artigo seminal sobre VBR de Barney (1991) não liste quais são os recursos contidos na sua categorização (recursos físicos, humanos, financeiros e organizacionais), este pesquisa classifica e indica os recursos mais presentes em redes pró-inovação; e iv) somente os recursos físicos ou somente os financeiros por si só não influenciam o desempenho inovativo, pois precisa-se aliar os recursos físicos com financeiros ou humanos ou organizacionais. Considera-se em que pese às limitações e restrições, tanto a proposta teórica como os resultados obtidos supõem uma contribuição relevante a diversas linhas de pesquisa. Assim, o presente trabalho melhora a compreensão do desempenho inovativo por meio da complementaridade de recursos em redes interorganizacionais. Finalmente, cremos que os resultados podem ter implicações no desenho de políticas e de linhas estratégicas tanto em nível institucional como empresarial para organizações públicas e privadas. Palavras-chave: Redes Interorganizacionais; Visão Baseada em Recursos (VBR); Inovação; Pesquisa agropecuária; Análise Qualitativa Comparativa (QCA). 9 RESUMEN Una red de innovación puede ser entendida como un modelo interorganizativo heterogéneo, cuyos actores interactúan en forma de red a través de una serie de actuaciones de naturaleza colectiva alrededor de la innovación. De esta manera, el presente trabajo se ha basado en una revisión sobre un conjunto de estudios nacionales e internacionales de redes interorganizativas y la Visión Basada en Recursos (Resource-Based View) enfocadas en la innovación. En un primer momento, se han establecido las relaciones conceptuales que han permitido validar algunas proposiciones, así como identificar variables derivadas de la literatura. Bajo esta perspectiva, nuestra investigación tiene como objetivo general proponer un modelo teórico-analítico que contribuya a la comprensión del desempeño de la innovación por medio de la complementariedad de los recursos en las redes interorganizativas. Para la confirmación de nuestros argumentos teóricos, el trabajo empírico ha tenido como objeto de estudio las instituciones de investigación en el sector agropecuario. Respecto a los aspectos metodológicos la investigación presenta un carácter cualitativo y propone combinar distintos métodos para una mejor comprensión del fenómeno investigado. Las principales conclusiones que hemos obtenido han sido las siguientes: a) hay un conjunto de razones de peso o determinantes para la formación de redes de innovación, en la que la reciprocidad es la más presente y los determinantes que explican el éxito son las redes que contienen entre sus motivadores la legitimidad o flexibilidad o eficiencia combinada con la ausencia de economías de escala o incluso las redes donde hay ausencia concomitante de determinantes economías de escala y necesidad ; b) las razones decisivas, mecanismos de coordinación, tamaño, fuerza de los lazos, la densidad y la configuración de las redes son variables que influyen en la complementariedad de los recursos dentro de las redes; c) los líderes que conducen los proyectos interorganizativos fueron unánimes en destacar las redes influyen en el desempeño innovador beneficiados por la complementariedad de los recursos entre las organizaciones participantes. Las contribuciones teóricas destacadas de este trabajo son: i) las variables densidad variable tamaño y configuración de las redes no son suficientes por sí solo para explicar el desempeño innovador. Ellos dependen de combinaciones; ii) a pesar de la vasta literatura que apunta a la aglomeración territorial como fuente de recurso para las redes, las redes dispersas, combinadas con otras configuraciones de su estructura pueden generar innovaciones en redes; iii) aunque el artículo seminal sobre VBR de Barney (1991) no enumera los recursos que figuran en su categorización (físicos, humanos, financieros y de organización), esta investigación clasifica e indica los recursos presentes en las redes que buscan la innovación; y iv) sólo los recursos físicos o solamente los financieros por sí solos no influyen en el desempeño innovador, es necesario combinar los recursos físicos con financieros o humanos o de organizacionales. Consideramos que, pese a las limitaciones y restricciones, tanto la propuesta teórica como los resultados obtenidos suponen una contribución relevante a diversas líneas de investigación. Así, el presente trabajo mejora la comprensión del desempeño innovador por medio de la complementariedad de recursos en redes interorganizativas. Finalmente pensamos que los resultados pueden tener implicaciones en el diseño de políticas y de líneas estratégicas tanto a nivel institucional como empresarial para organizaciones públicas y privadas. Palabras clave: Redes interorganizacionales; Visión Basada en Recursos (VBR); Innovación; Investigación agropecuaria; Análisis Comparativo Cualitativo (QCA). 10 ABSTRACT An innovation network can be understood as a heterogeneous inter-organizational model whose actors interact through collective actions aimed at innovation. Thus, this study conducted a review of national and international studies on inter-organizational networks and the Resource Based View (RBV) from the perspective of innovation. Then, theoretical relationships were established that allowed testing propositions by identifying variables derived from literature. This research has as main objective to propose a theoretical and conceptual model that contributes the understanding of innovation performance through complementarity of resources in organization network. It should be noted that the study focuses on the logic of innovation performance in research institutions in the agricultural field. For the methodological aspects, this research was qualitative and combined different methods for better understanding of the phenomenon being investigated. The main conclusions that were obtained are: a) there are a number of decisive reasons for formation of innovation networks, in which reciprocity is the most present and the determinants that explain the success are the networks that contain among its drivers the 'legitimacy' or 'flexibility' or 'efficiency' combined with the absence of 'economies of scale' or even the networks where there is concomitant absence of decisive 'economies of scale' and 'necessity'; b) the decisive reasons, coordination mechanisms, size, strength of ties, density and configuration networks are variables that influence the complementary resources within the networks; c) leader the interorganizational projects were unanimous in highlighting the networks influence the innovative performance benefited from the complementarity of resources between the participating organizations. The theoretical contributions highlight of this work focus on itself: i) the variable 'density', 'size' and 'configuration' of the networks are not sufficient to explain the innovative performance. They depend on combinations; ii) despite the vast literature pointing to territorial agglomeration as a source of resource for the networks, dispersed networks, combined with other settings of its structure can generate innovations in networks; iii) although the seminal article on VBR by Barney (1991) does not list what resources contained in its categorization (physical, human, financial and organizational), this research classifies and indicates resources present in the most pro-innovation networks; and iv) only the physical resources or only financial itself does not influence the innovative performance, it needs to combine the physical with financial or human or organizational resources. It is considered that in spite of the limitations and restrictions, both theoretical proposal as the results imply a significant contribution to several lines of research. Thus, this study improves understanding of innovative performance through complementary organization network resources. Finally, we believe that the results may have implications for policy design and strategic lines in institutional and business levels to public and private organizations. Keywords: Interorganizational Networks; Resource Based View (RBV); Innovation; Agricultural research; Qualitative Comparative Analysis (QCA). 11 1. INTRODUÇÃO Entre os formatos organizacionais, as parcerias têm se constituído em grandes oportunidades de negócios que se viabilizam com base nos arranjos interempresariais ou nas chamadas redes interorganizacionais de cooperação. É cada vez mais presente a existência de redes que abarcam diversos atores, organizações ou módulos, os quais são vinculados entre si por meio do estabelecimento e manutenção de objetivos comuns e de uma dinâmica gerencial compatível e adequada (DIAS, 2012). A partir dos anos 1980, intensificou-se a discussão a respeito das alternativas ao mercado e à hierarquia para empresas se organizarem (THORELLI, 1986; JARILLO, 1988; RING; VAN DE VEN, 1992). Nesse contexto, entre as diversas formas organizacionais encontradas, distintas obras científicas apresentam o conceito de rede, cuja dinâmica também se cristaliza na interpretação de rede como desenho organizacional. A concepção de rede como formato organizacional se pauta no paradoxo comprar/fazer. Isto é, as redes são vistas como uma opção entre o mercado (comprar) e a hierarquia (fazer) (RING; VAN DE VEN, 1992). As redes constituem uma forma organizacional passível de ser identificada em diversos setores produtivos e inovativos; seu enfoque no desempenho organizacional revela, fundamentalmente, a forma de interação entre os diversos agentes, contribuindo sobremaneira para diversos campos das ciências sociais aplicadas. Trabalhos em âmbito nacional (Cândido, 2000; Balestrin; Vargas, 2004; Andrighi, Hoffmann; Andrade, 2011) e internacional (Kristensen, 1993; Rabellotti; Schmitz, 1999; Asheim; Isaksen, 2002) têm comparado e mostrado que as redes são uma alternativa para uma organização que atua de forma isolada, sobretudo para as pequenas empresas, tendo em vista que elas não têm o poder de mercado para comprar e/ou vender de maneira vantajosa, nem possuem escala suficiente que proporcione economias. Desse modo, pode-se afirmar que as redes funcionam por meio de uma economia de escopo, onde cada empresa se especializa e assume o risco da complementaridade com suas congêneres. O fundamento para essa afirmação está no fato de que a complementaridade de ativos leva a um processo de trocas, no decorrer do tempo, que diminui a assimetria de informações e, com isso, gera confiança ao mesmo tempo, a complementaridade de ativos inibe comportamentos oportunistas, redundando em outro tipo de economia: a dos custos de transação (WILLIAMSON, 1991). Ressalta-se, contudo, que a rede interorganizacional 12 não é uma estratégia exclusiva das pequenas empresas, como mostraram Thorelli (1986) e Jarillo (1988) em seus estudos sobre redes de empresas para o alcance da lucratividade (Thorelli, 1986) e redes para diminuição do custo de transação e especialização em uma parte da cadeia de produtiva (JARILLO, 1988). Por outro lado, a inovação está considerada como um dos melhores indicadores da criação de valor por parte das empresas. A extensa lite
Search
Related Search
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks