Documents

A influência do gosto no ensino coletivo.pdf

Description
Universidade Federal do Ceará - Campus Cariri IV Encontro Universitário da UFC no Cariri Juazeiro do Norte-CE, 17 a 19 de Dezembro de 2012 EU 2012 A influência do repertório do ensino coletivo para instrumentos de cordas no gosto musical dos graduandos da UFC - Cariri. Gessyane de Santana Monte1
Categories
Published
of 5
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
  Universidade Federal do Ceará - Campus Cariri IV Encontro Universitário da UFC no Cariri Juazeiro do Norte-CE, 17 a 19 de Dezembro de 2012    EU 2012 A influência do repertório do ensino coletivo para instrumentos de cordas no gosto musical dos graduandos da UFC - Cariri. Gessyane de Santana Monte 1 Valquíria Freitas de Vasconcelos Araújo 2 Victor Hugo Almeida Gomes 3  Marco Antonio Silva 4 1 Introdução/ esenvolvimento Durante muito tempo, a música europeia tem sido referencia para a música dos países do ocidente. Destacam-se, portanto alguns instrumentos como o piano, o violino, entre outros. A formação de uma orquestra sinfônica é constituída por várias famílias cordas, madeiras, metais e percussão. ! violino, a viola, o violoncelo e o contra ai#o, que integram a família das cordas, são instrumentos não temperados e de tim re ril$ante, sendo o violino o  possuidor do tim re mais agudo.%ssa particularidade referente a esse instrumento torna-se essencial nos quartetos de cordas e grupos de c&mara, como tam ém em orquestras sinfônicas para a e#ecução de grandes o ras. ! aprendi'ado desse instrumento teve como o (etivo, durante muito tempo, a formação de solistas. %ntretanto, na década de )*+ e )*, emerge no apão o ensino coletivo para instrumentos de cordas, através do violinista e pedagogo /$inic$i /u'u0i. /egundo 1orges 23+4 o método /u'u0i, desenvolvido no apão, alcançou grande sucesso e vem sendo aplicado em diversos países da 5sia, %uropa e Américas.%sse método permite a formação de vários instrumentistas de forma simult&nea. Diferentemente do ensino tutorial, o resultado do estudo coletivo é democrático e a rangente. 6onte, Arau(o e /ilva 23)34 declaram em seu tra al$o que a prática do ensino coletivo está constantemente voltada para a troca de sa eres entre professor e aluno,  possi ilitando a formação de uma visão pedag7gica nos aprendi'es. %ntendendo a perspectiva desse método, a 8niversidade 9ederal do :eará adotou o curso de ;icenciatura em 6úsica sem e#igir o e#ame de aptidão, em virtude da necessidade em formar professores que atendam a demanda regional. <ngressam, portanto, pessoas de níveis diferenciados de con$ecimento de música. =a disciplina de >rática <nstrumental - ?iolino@?iola perce e-se o uso dos métodos de democrati'ação do violino através do ensino coletivo. =essa disciplina, os aprendi'es de violino adquirem uma vivncia com o repert7rio  proporcionado pelo método, que facilita a a sorção do conteúdo. %sse conte#to musical 1  Braduanda, 8niversidade 9ederal do :eará, ua'eiro do =orte, :eará, gessCanemontegmail.com. 2  Braduanda, 8niversidade 9ederal do :eará, ua'eiro do =orte, :eará, quirin$aE*F$otmail.com. 3  Braduando, 8niversidade 9ederal do :eará, ua'eiro do =orte, :eará, violino-$ugo$otmail.com. 4  6estre, 8niversidade 9ederal do :eará, ua'eiro do =orte, :eará, marcoviolino)$otmail.com. 1  Universidade Federal do Ceará - Campus Cariri IV Encontro Universitário da UFC no Cariri Juazeiro do Norte-CE, 17 a 19 de Dezembro de 2012    EU 2012 consiste em músicas folcl7ricas, tradicionais e eruditas da cultura mundial. >odemos citar a música GHIin0le, HIin0le, little starG 21ril$a, 1ril$a %strelin$a4, que, segundo /ilva 23J4, é uma canção francesa que se populari'ou através do método e tam ém no filme GKoneC < 1leI 8p t$e LidG 2Muerida, estiquei o e 4, estreado em )**3. !utro e#emplo é a música G;ong ;ong AgoG do compositor rit&nico H$omas KaCnes 1aClC 2)N*N-)JF*4. %ssa canção ficou  popular nos %stados 8nidos no período da /egunda Buerra 6undial 2)*F*-)*O+4. Através do estudo dessas músicas são oportuni'adas ao aprendi' novas perspectivas de gosto musical. 6elodias como essas tiveram oa repercussão tam ém na América do /ul.A escol$a desse tema se deve P mudança do gosto musical dos alunos da >rática <nstrumental - ?iolino@?iola, perce idos na convivncia entre os estudantes dentro e fora da sala de aula. Analisando cada indivíduo da turma, nota-se uma diferença considerável de gostos musicais. %nquanto uns aderem ao roc0, metal e $ardcore, outros escol$em a música  popular rasileira e pop internacional. Alguns se identificam com a música religiosa e outros tm um gosto mais eclético. %ntretanto, $á um fator que promove a unanimidade entre todos ao adquirir vivncia com o repert7rio proposto pelo professor, o indivíduo compreende aquela nova música ao seu gosto e apreciação. Através de entrevistas semi-estruturadas + , os alunos relatam suas e#perincias antes e depois do contato com o instrumentoQ di'em o seu parecer a respeito da pr7pria aprendi'agem e, paralelamente, relatam possíveis mudanças em seu gosto musical. ! o (etivo desse tra al$o é identificar a mudança do gosto musical dos iniciantes instrumentistas, a partir do contato com o repert7rio da disciplina de >rática <nstrumental - ?iolino@?iola. ! etodologia/ #esultados Hrata-se de uma pesquisa de cun$o qualitativo do tipo estudo de caso, ela orada através de uma entrevista semi-estruturada, com perguntas que a ordem a temática. 6inaCo 23O4 e#pRe que cada pesquisa possui um ritmo denominado Gciclo de pesquisaG, ou se(a, um  processo de tra al$o em espiral, que começa com um pro lema ou pergunta e termina com um resultado provis7rio, capa' de dar srcem a novas interrogaçRes. 6inaCo afirma tam ém que essa a ordagem GS...T tra al$a com o universo de significados, motivos, aspiraçRes, crenças, valores e atitudes, corresponde a um espaço mais profundo das relaçResG. =essas circunst&ncias, a estratégia de coleta de dados utili'ada é a entrevista semi-estruturada, reali'ada com alunos iniciantes da disciplina de >rática <nstrumental - ?iolino@?iola. ! questionário foi aplicado com cinco estudantes dessa disciplina e é relevante ressaltar que os su(eitos da pesquisa ingressaram no curso de música sem nen$um con$ecimento prévio com o instrumento escol$ido.U importante destacar os o (etivos dessa disciplina ã incentivar o tra al$o de grupo 2ensino coletivo4, ã aperfeiçoar sua técnica, ã formar educadores, conscientes, e mostrar-l$e meios que facilitem para seus futuros alunos o aprendi'ado de diversos repert7rios eruditos e populares. 5  Segundo Queiroz (1988), a entrevista semi-estruturada é uma técnica de coleta de dados, onde o es!uisador esta elece uma conversa#$o com o in%ormante e a dirige de modo a alcan#ar seus o &etivos' 2  Universidade Federal do Ceará - Campus Cariri IV Encontro Universitário da UFC no Cariri Juazeiro do Norte-CE, 17 a 19 de Dezembro de 2012    EU 2012  ! con(unto de músicas utili'ado durante a prática instrumental é em eclético eruditas, folcl7ricas, 6>1, entre outros. ! repert7rio inicial foi escol$ido de acordo com as limitaçRes técnicas dos iniciantes. U interessante perce er a aquisição das músicas desse repert7rio ao gosto pessoal do indivíduo como uma consequncia da e#posição do mesmo a algo relativamente novo como a música erudita ocidental, não em termos de e#istncia e@ou apreciação, mas em relação ao que o indivíduo estava acostumado a pesquisar, ouvir, praticar e gostar. U grande a diversidade de gneros musicais que definem o gosto pessoal dos entrevistadosQ vão do roc0 e $ardcore norte americano P música religiosa e suas variantes. Vessalta-se, tam ém, que todos os entrevistados notaram uma mudança sutil ou significativa em sua apreciação musical, que é a aquisição de novas músicas ao seu Gouvir cotidianoG, em virtude da vivncia do novo repert7rio.Ao coletar os relatos dos entrevistados, foi possível perce er a influncia do repert7rio da disciplina de >rática <nstrumental no gosto musical dos su(eitos. 8m om e#emplo é o que a entrevistada A relata GKo(e ac$o que não ten$o um estilo preferido, gosto de quase todos os tipos possíveis de fa'er música. 6as depois de aprender o instrumento, meu con$ecimento de música instrumental e música erudita diversificou, e consequentemente escuto mais músicas desses estilos agora, (á que con$eço mais músicas.G. =ota-se tam ém que o aprendi', ao incluir o repert7rio estudado P sua rotina, usca sa er mais so re esse estilo musical. ! entrevistado 1 nos di' o seguinte G/e voc tiver mais referncias so re seu instrumento, fica muito mais fácil, sa iaW %u estava, ou mel$or, estou  procurando mais andas que utili'em a viola de arco, para entender mel$or o papel desse instrumento e assim poder criar, digamos, mais apreço. A(uda muito quando voc encontra um grupo que use a viola de arco, como ;as Vositas  X =o meu caso, s7 ouço música popular e quase não ve(o a participação desse instrumento, sa eW 6as ac$o que esse tipo de anda vai me a(udar a entender a função da viola na músicaG. :onforme relata o entrevistado 1, sua  primeira atitude é procurar músicas, e#ecutadas em outras versRes, para comparar ao que ele  (á con$ece, procurando principalmente a participação do instrumento que ele toca.A atitude de procurar outros tipos de grupos e andas que utili'em o seu instrumento, tomada pelo entrevistado 1, pode ou não indu'ir ao ecletismo, ou se(a, a apreciação de variados estilos de música. Y medida que o aprendi' amplia sua apreciação musical, ele desenvolve automaticamente um ol$ar mais crítico so re o que escuta, analisando mel$or o conteúdo dos estilos musicais que aprendeu a apreciar e ter como agradáveis. /o re isso, a entrevistada : declara, ao ser questionada so re os novos estilos que passou a con$ecer ap7s iniciar seus estudos no violino G>assei a ouvir música clássica e sacra, tin$a vontade de ouvir, mas não tin$a acesso. % min$a visão em relação aos outros estilos de música - música popular - mudou muito. =ão escuto sempre, mas quando escuto ten$o outra visão.G.Ainda se tratando de ecletismo, a entrevistada D o teve um leve destaque em relação aos demais. Ao ser questionada so re os tipos de musica que escutava antes de ingressar no curso, ela responde G/empre escutei vários tipos de música. >rincipalmente música instrumental e música popular, pop roc0, 6>1 e música religiosa.G %la afirma, ainda, que ap7s ter um contato mediano com o violino, escuta mais as composiçRes eruditas. >orém, quando questionada a respeito de ter adquirido um estilo musical preferido, ela declara GAinda curto os mesmo estilos, ouço muito de tudo, então não posso definir um estilo específico.G U perceptível que ela ampliou sua apreciação, mas não desconsiderou o que estimava antes.    as *ositas é um trio %eminino argentino, comosto or uma violinista, uma violista e uma ianista' +odas ossuem %orma#$o instrumental clssica e tm no tango argentino o seu rincial reert.rio' 3  Universidade Federal do Ceará - Campus Cariri IV Encontro Universitário da UFC no Cariri Juazeiro do Norte-CE, 17 a 19 de Dezembro de 2012    EU 2012 Diferentemente dos outros, a entrevistada % relata GDesde criança, eu escutava música clássica e gregoriana, devido ao meu pai gostar desses gneros, e músicas de andas inglesas, americanas e canadenses. =ão gosto da maioria das músicas nacionais, devido P letra e a melodia, e raramente escuto.G :om isso, supRe-se que ela possui mentalidade astante crítica desde a mais tenra idade, não se identificando facilmente com a grande maioria dos estilos musicais, principalmente os rasileiros. U possível notar até mesmo certo comodismo, em ra'ão de ela ser tão seletiva. %m resposta a uma pergunta so re o que o violino trou#e de novo, ela di' G6e fe' aprender a apreciar outros gneros de música, porque antes não tin$a interesse em pesquisar ou escutar gneros e estilos musicais diferentes.G %la tam ém é um  pouco cuidadosa em relação ao ecletismo. Muando questionada a respeito de como se classificaria em relação ao seu gosto musical, ela afirma com certa veemncia G%clética,  porém quando a música realmente é música. >or e#emplo, detesto essas músicas que estão na moda e não possuem letra nem coerncia.G. $ Consideraç%es Finais >erce e-se que o gosto musical dos su(eitos foi ampliado, mas não sofreu alteraçRes nas apreciaçRes anteriores. %nfati'a-se que esse novo estilo requer do aprendi' uma maior concentração. :ompreende-se que os su(eitos, tendo escol$a definida ou não, ampliaram as  possi ilidades de gosto musical. ! serva-se que os entrevistados procuram identificar seu instrumento de estudo em outros grupos musicais, gerando novas aquisiçRes ao repert7rio.  =ovos estilos musicais são acrescentados aos anteriormente apreciados enriquecendo a sensi ilidade auditiva. 4

cofetarie

Dec 15, 2017
Search
Tags
Related Search
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks