Bills

A INTEGRAÇÃO DE RECURSOS SEMIÓTICOS EM BLOGS JORNALÍSTICOS E A PRODUÇÃO DE SENTIDOS

Description
A INTEGRAÇÃO DE RECURSOS SEMIÓTICOS EM BLOGS JORNALÍSTICOS E A PRODUÇÃO DE SENTIDOS DAGLÉCIA DOS SANTOS PINTO 1 (UFBA) Resumo: Este trabalho pretende abordar a integração de recursos semióticos em posts
Categories
Published
of 15
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
A INTEGRAÇÃO DE RECURSOS SEMIÓTICOS EM BLOGS JORNALÍSTICOS E A PRODUÇÃO DE SENTIDOS DAGLÉCIA DOS SANTOS PINTO 1 (UFBA) Resumo: Este trabalho pretende abordar a integração de recursos semióticos em posts de blogs jornalísticos para a produção de sentidos. Objetiva-se analisar como se dá o processo de leitura e compreensão desses textos, demonstrando a contribuição dos vários recursos semióticos à produção de sentido. Para tanto, serão analisados três posts de blogs jornalísticos. Será considerada a perspectiva dialógica bakhtiniana e a noção de gêneros discursivos. Uma das características do blog é a intergenericidade, pois nota-se uma mistura de gêneros que, por conseguinte, dialogam entre si. Vale salientar que o exercício com este gênero textual em sala de aula possibilita o trabalho com a linguagem em uso, contextualizada. Palavras-chave: recursos semióticos, dialogismo, construção de sentido. Abstract, Resumen ou Resumé: This paper intends to approach the integration of semiotic resources in journalistic blog posts for the production of meanings. This study aims to analyze how is the process of reading and understanding these texts, demonstrating the contribution of the various semiotic resources to the production of meaning. To do that, three posts of journalistic blogs will be analyzed. It will be considered Bakhtin's dialogic perspective, and the notion of speech genres. One feature of the blog is the intergenericity, because it is observed a mixture of genres that interact with each other. It s worth mentioning that work with this genre in the classroom allows working with language in use, contextualized. Keyword: semiotic resources, dialogism, meaning construction. Introdução A língua é um fenomeno social da interação verbal, se concretiza na comunicação, na interação entre interlocutores, na qual participam sujeitos históricos e concretos. Portanto, para o estudo da língua, é necessário considerar o 1 Daglécia PINTO, Mestranda Universidade Federal Da Bahia (UFBA) - 1 - seu uso real, haja vista que a produção de sentido jamais será eficaz se não estiver inserida em um contexto comunicativo. O sujeito, nesta concepção de língua, é um sujeito discursivo, que se posiciona ideologicamente, conforme as crenças e/ou posições de um determinado grupo social. Por isso, sua fala é iminentemente construída pela dos outros (CAMPOS, 2012). Já que no momento da produção e/ou compreensão, os sujeitos interagem com outros discursos, outras vozes sociais. Neste sentido, os enunciados podem ser vistos como uma resposta ativa às vozes interiorizadas, vozes sociais que se encontram em circulação na sociedade. O texto, como materialidade discursiva, é o [...] produto da criação ideológica ou de uma enunciação, [...] não existe fora da sociedade, só existe nela e para com ela [...] (BARROS, 2005, p. 27). Seu sentido é construído de forma dialógica em uma situação comunicativa, na qual o sujeito tem uma atitude responsiva ativa diante do que lhe foi exposto no momento da interação. Tal atitude responsiva não está livre de conflitos, pois o sujeito pode não concordar, fazer adaptações, acrescentar ou retirar informações, por exemplo. De acordo com Bakhtin (2003, p. 261) [...] todos os diversos campos da atividade humana estão ligados ao uso da linguagem, a qual se realiza por meio de gêneros, todo falante já tem guardado os tipos de enunciados necessários a cada situação interativa. Os sons, as palavras e as orações são as unidades da língua, fora de contexto, não possuem sentido, não se tornam um ato comunicativo. Masao carregarem sentido, quando representam a intenção do locutor e provocam no interlocutor uma atitude responsiva, pautadas em uma situação comunicativa, se tornam enunciados, imbricados de elos histórico-ideológico. Os avanços na área da tecnologia digital possibilitaram, e possibilitam, o surgimento de novos gêneros em ambientes virtuais, o que caracteriza as novas formas de comportamento comunicativo em uma sociedade pós-moderna Atualmente, a informação circula em tempo real devido ao desenvolvimento da comunicação virtual, e como consequência deste proesso, estes novos gêneros permitem a inserção de variados recursos semióticos. Conforme Marcuschi (2004, p. 13), [...] a Internet é uma espécie de protótipo de novas formas de comportamento comunicativo. Considerando que os gêneros são formas sociais e pré-estabelecidos de comunicação, inseridos em uma cultura, pode-se afirmar, conforme Marcuschi (2004, p. 20), que [...] o meio eletrônico oferece peculiaridades específicas para usos sociais, culturais e comunicativos que não se oferecem nas relações interpessoais face a face. Marcuschi (2004, p. 16) aponta que o sucesso dessa nova tecnologia [...] deve-se ao fato de reunir num só meio várias formas de expressão, tais como, texto, som e imagem, o que lhe dá maleabilidade para a incorporação simultânea de múltiplas semioses, interferindo nos recursos linguísticos utilizados.. A leitura e a compreensão de textos é uma atividade complexa, pois envolvem tanto fatores linguísticos quanto extralinguísticos, a qual requer o estabelecimento de diversas relações e conhecimentos. A fim de se observar a contribuição dos recursos semióticos à produção de sentidos, toma-se como objeto de análise três posts de blogs jornalísticos da Bahia, com vista à análise da interação entre os recursos linguísticos e o não linguístico. Parte-se do princípio de que para compreender tal gênero é necessário analisar conjuntamente estes recursos. Pretende-se com este trabalho evidenciar uma nova abordagem nas atividades de leitura e compreensão de textos nas aulas de língua portuguesa Os blogs jornalísticos O blog surgiu em agosto de 1979 com a utilização do Blogger, software lançado pela empresa do norte-americano Evan Williams (KOMESU, 2004), inicialmente tratado como um diário pessoal online, no qual se escrevia sobre as diversas experiências do escritor. O software para criação de um blog permite que o criador/administrador produza textos tanto no Word quanto em HTML, os textos produzidos em HTML permitem a inserção não apenas de textos escritos, como também a inserção de imagens, vídeos, links etc., o que o caracteriza como multimodal. Nota-se que o gênero diário é um dos principais ancestrais do blog, do qual também herdou do diário a organização cronológica e cumulativa, suas publicações (posts) são organizadas cronologicamente a partir da mais atual e, à medida que a página for rolando para baixo, pode-se chegar às publicações anteriores. Segundo Ormundo (2004, p. 68), os blogs atualmente [...] podem ser considerados como um sistema padronizado de publicação na internet. As publicações podem tratar de diferentes temas, podendo abarcar desde a vida pessoal a questões sociais e políticas, por exemplo. Sua estrutura é leve, geralmente apresenta textos breves, descritivos e opinativos; e ainda permite que o seu leitor faça comentários sobre as publicações, o que o torna interativo e participativo. Um ponto importante em relação aos blogs é a constante interação com os seus leitores percebe-se que em alguns há seguidores assíduos. Esta interação pode ocorrer através de links, curtidas (ferramenta do Facebook), twitadas (ferramenta do Twiter), o post também pode ser compartilhado por para outros leitores, além de permitir que o leitor teça comentário sobre o post com o auxílio da ferramenta comentários, o que o torna interativo e participativo Dentre as possibilidades de interação, destacam-se os comentários, visto que se pode notar o quanto a compreensão é uma atividade responsiva, pois com esta ferramenta o leitor pode acrescentar informações, refutá-las, concordar etc., e, a depender da polêmica do texto publicado, é possível perceber um verdadeiro debate sobre seu tema. De acordo Marcuschi (2004, p. 60), [...] os blogs têm uma história própria, uma função específica e uma estrutura que os caracteriza como um gênero, embora extremamente variados nas peças textuais que albergam., já que esta ferramenta permite a inserção de variados recursos semióticos. Podem assumir várias formas, a depender das escolhas feitas no momento em que é construído. Dentre os diversos blogs, destaca-se neste trabalho os blogs jornalísticos, que visam divulgar informações de cunho noticioso e opinativo, podendo-se afirmar que se trata de novos modos de produzir e divulgar notícias, visto que sua atualização é constante, o que o caracteriza como uma ferramenta para atualização ou publicação de novas informações em tempo atual, sem a necessidade de aguardar a impressão da próxima edição do jornal impresso. Sua atualização periódica lhe confere o caráter de imediatidade, garantindo-lhe o valor de verdadeiro e real. Considerando que os blogs jornalísticos exercem uma função específica e social, assim como os gêneros jornalísticos, podemos afirmar que se trata de um gênero discursivo caracterizado pela multimodalidade e por carregar uma série de gêneros. Todo o conjunto de elementos que compõe o blog como as publicações, os links, os hiperlinks, as curtidas etc. não podem ser considerados isoladamente Os recursos semióticos e a produção de sentidos O post a seguir, intitulado O fim dos s, foi publicado no blog Visão de Mercado de Paulo Mello, no dia 8 de outubro de Nota-se que este post dialoga com uma reportagem sobre o fim do uso dos s como ferramenta para enviar mensagens, percebido no enunciado Li em uma reportagem esses dias que a ferramenta das mensagens via vão acabar., percebe-se que o autor deste post tem uma atitude responsiva perante a reportagem lida, visto que o enunciado verbal é desenvolvido com base na suposição de que as mensagens não serão mais enviadas por . Há também a inserção de outras vozes no discurso em de acordo com um levantamento feito pela ComScore, em 2011, mais de 80% da população mundial conectada à internet mantêm uma conta ativa em um site de rede social, trata-se de [...] maneiras externas e visíveis de demonstrar outras vozes no discurso (FIORIN, 2008, p. 32), nas quais se inserem os discursos direto, indireto e o indireto livre. Observa-se no enunciado imagético (A1) a concorrência entre o e a Social Media, ou redes sociais, no que concerne ao envio de mensagens, articulando-se com enunciado verbal do post, visto que simboliza o embate sobre qual ferramenta ficará responsável pelo envio das mensagens. O envelope encontra-se fechado, sugerindo que esta é uma mensagem nova, ainda não lida, que precisa ser entregue ao seu destinatário, e que se encontra no meio do duelo das ferramentas que podem ser utilizadas para seu envio. Dentre as linguagens utilizadas no ambiente virtual, o envelope amarelo e fechado indica que esta mensagem é nova e que não foi lida pelo usuário, como forma de chamar a atenção para este quesito, o envelope se encontra em amarelo, cor usada para chamar atenção. Ao abrir a mensagem, o envelope assume outra forma e cor, fica aberto e branco, indicando que a mensagem já foi lida No enunciado imagético (A2), percebe-se o diálogo entre a imagem de uma correspondência, caracterizada pelo envelope, com selo e dados do destinatário, e o símbolo de atualização da Web Page, que nos remete a atualização de novas formas de comunicação atuais. Uma das formas de comunicação, há alguns anos atrás, era feita por intermédio de cartas, que dispendiam de tempo para serem entregues aos destinatários, atualmente, com as exigências do mundo atual somado ao advento da internet, a comunicação passou a ser mais rápida, independente da distância existente entre os interlocutores Figura 1: Post O fim dos s A1) A2) Fonte: Acesso em: 29 out A seta em forma redonda indica a atualização de uma Web Page e, também é utilizado para atualização da Caixa de Entrada dos s, para verificar se novas mensagens chegaram, e em alguns aplicativos, que quando se encontram na cor vermelha, indica que tal aplicativo está desatualizado. Seu formato redondo significa que este processo é continuo e infinito, a cor azul soa de forma agradável, pois transborda tranquilidade e, somado ao branco do envelope, sugere que este processo de atualização das formas comunicativas em ambiente virtual em conjunto com as novas necessidades comunicativas ocorre de maneira harmônica. Portanto, este enunciado dialoga com o enunciado verbal à medida que se refere ao aperfeiçoamento das possibilidades comunicativas permitidas pelas novas formas de comunicação social em rede. O enunciado imagético (B) a seguir, retirado do post Desengaveta Prefeito!, foi publicado no dia 22 de agosto de 2012 no blog de Cristina Aragon, que trata especificamente sobre trânsito, corresponde ao gênero charge. A charge é considerada um texto híbrido, pois pode abarcar tanto o enunciado imagético quanto o verbal, sendo o exagero nas características do problema abordado seu principal meio de manifestação, seu conteúdo é posto de forma satírica, com o intuito de criticar algum aspecto politico e/ou social e despertar uma reflexão por parte de quem a ler. A charge em questão é de autoria do cartunista e chargista Angeli, e retrata o problema do sistema de trânsito da cidade de São Paulo, os longos engarrafamentos em virtude do excesso de veículos particulares na rua e a deficiência do transporte público. Este problema, nos últimos anos, também está sendo vivenciado em Salvador, o que justifica a sua retomada no post, percebe-se então um diálogo entre o contexto paulistano e o contexto soteropolitano. Observa-se também o diálogo entre o enunciado que constitui o título do post Desengaveta Prefeito! e o enunciado imagético, já que no canto direito - 9 - encontra-se uma pilha de veículos, deixando implícito que o prefeito precisa resolver este problema e desengavetar o trânsito. Figura 2: Post Desengaveta Prefeito! B) Fonte: Acesso em: 29 out Já o último enunciado do post, Desengaveta Candidato!, dialoga com o contexto atual da cidade, que se encontrava em período de eleição municipal do 2º turno para prefeito, deixando explicito a solicitação para que o candidato eleito tire da gaveta e execute os projetos para melhora no trânsito soteropolitano, e que por sua vez retoma outra voz presente no discurso, por meio de discurso direto a voz de José Antônio Gomes de Pinho e indireto a voz de Valter Gordilho presentes no enunciado verbal do post. Acrescenta-se ainda à análise do conteúdo imagético a inserção de outros problemas enfrentados pelas grandes capitais do nosso país, como a poluição, observável no canto direito da charge, onde saem fumaças de chaminés das fábricas, e no esgoto que é despejado no rio/mar; obras inacabadas e/ou abandonadas, a exemplo do viaduto que se encontra pela metade, refletindo também no trânsito; o crescimento urbano desordenado, com os inúmeros edifícios e a pequena favela que se encontra embaixo do viaduto, o que remete aos problemas sociais não resolvidos. Observa-se então que há inserção de outas vozes na charge, visto que esta representa as diversas vozes sociais que relatam os problemas das grandes cidades e o descaso das autoridades responsáveis. O enunciado imagético (C) a seguir foi retirado do post de Samuel Celestino intitulado A mente obscura de um vereador, publicado no dia 18 de outubro de Trata-se de uma imagem contendo o raio-x do crânio de um dos personagens da família Simpsons, o Homer Simpson, caracterizado por alguns de ignorante, incompetente e pouco inteligente. Esta imagem encontra-se em relação dialógica com todo o enunciado verbal, contribuindo para a argumentação do texto. Como se pode observar na sua relação com o enunciado A mente obscura de um vereador, título do post, em que se relaciona a mente do personagem Homer Simpson à do vereador em questão. Relação esta motivada por uma declaração do tal vereador quando afirma que os ministros condenaram os políticos envolvidos nos escândalos de corrupção porque precisavam servir os interesses da mídia. Figura 3: Post A mente obscura de um vereador C) Fonte: Acesso em: 29 out Observa-se também que o tamanho do cérebro da imagem é pequeno em relação ao seu tamanho normal, esta associação, conforme senso comum, diz respeito ao baixo QI, percebe-se então o diálogo com outra voz, a do senso comum. Provavelmente relacionada com o fato de que o vereador não percebe as mudanças sócio-históricas pela qual o judiciário brasileiro está passando. Pode-se afirmar também que há um diálogo entre as vozes do vereador e do autor do post, e que estas estão em conflito, visto que a opinião do vereador é refutada pelo autor do blog quando afirma que este desconhece o recente período iluminista do Supremo Tribunal Federal. Nota-se que a voz do vereador em questão é retomada por meio do discurso direto em os ministros condenaram porque precisam servir os interesses da mídia, e também pelo acesso ao enunciado completo permitido através do link (ler nota). Considerações finais Por meio deste trabalho, evidencia-se a complexidade que envolve a construção de sentidos de um texto. Vimos que a atribuição de sentidos necessita de processos que vão além da leitura e interpretação dos mecanismos linguísticos, os quais compõem a superfície textual. É necessário ir além, fazendo inferências e estabelecendo relações entre os elementos linguísticos, imagéticos e contextuais, relações que são orientadas por complexos processos cognitivos e mentais, que não são ensinados, mas sim desenvolvidos por cada locutor no processo de compreensão textual. Com o advento da Internet e o surgimento de novos gêneros, ressalta-se a importância em se trabalhar com estes novos gêneros, pois, conforme aponta Marcuschi (2004, p. 62), a escola não pode passar à margem dessas inovações sob pena de não estar situada na nova realidade dos usos linguísticos O exercício com o gênero blog jornalístico, por exemplo, em sala de aula, possibilita o trabalho com a linguagem em uso, contextualizada, bem como o desenvolvimento da leitura crítica, visto que o leitor, ao dialogar com todos os aspectos constituintes do texto, efetuará estratégias para a produção de sentido do mesmo. Comunicamo-nos por meio de gêneros, portanto, o não domínio do gênero significa a falta de vivência com as diferentes esferas comunicativas da língua. A escola deve estar atenta a este fato e possibilitar ao aluno a convivência com os diferentes campos da atividade humana, visto que essa vivência o orientará quanto à construção e compreensão de textos produzidos em diferentes situações. Possibilitando, desta forma, a inserção do indivíduo às práticas sociais de forma crítica e consciente. Referências BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, p BARROS, Diana Luz Pessoa de. Contribuições de Bakhtin às Teorias do Discurso. In: BRAIT, Beth. Bakhtin, dialogismo e a construção do sentido. 2. ed. São Paulo: Editora da Unicamp, p BARROS, Diana Luz Pessoa de. Cor e sentido. In: BRAIT, Beth; SOUZA-E-SILVA, Maria Cecília (Org.). Texto ou discurso? São Paulo: Contexto, p BRAIT, Beth. Bakhtin e a natureza constitutivamente dialógica da linguagem. In: BRAIT, Beth. Bakhtin, dialogismo e a construção do sentido. 2. ed. São Paulo: Editora da Unicamp, p BRASIL. MEC. Parâmetros Curriculares Nacionais Ensino Médio: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília: MEC/SEF, CAMPOS, Maria Inês Batista. Questões de literatura e de estética: rotas bakhtiniana. In: BRAIT, Beth (Org.). Bakhtin, dialogismo e polifonia. São Paulo: Contexto, p FIORIN, José Luiz. Introdução ao pensamento de Bakhtin. São Paulo: Àtica, FLÔRES, Onici. A leitura da charge. Canoas: Ed. ULBRA, KOMESU, Fabiana. Blogs e as práticas de escrita sobre si na internet. In: MARCUSCHI, Luiz Antônio; XAVIER, Antônio Carlos (Org.). Hipertexto e Gêneros digitais. Rio de Janeiro: Lucerna, p MARCUSCHI, Luis Antônio. Cognição, linguagem e praticas interacionais. Rio de Janeiro: Lucerna, (Série Dispersos) MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros textuais emergentes no contexto da tecnologia digital.
Search
Similar documents
View more...
Related Search
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks