Documents

A Lenda de Tubal-Cain.pdf

Description
A Lenda de Tubal-Cain Seus Fundamentos Biblicos, Místicos e Lendários Ir∴ A. R. Schmidt Patier Um dos fundamentos do relato alegórico de Tubal-Caím é a lenda que Gérard de Nerval (1808-1855) colheu no bairro dos fundidores e ourives da velha istambul da boca de um cantor profissional de estórias populares. A versão do escritor francês, em sua obra VOYAGE EN ORIENT (1851), segue de perto o ritual dramatizado que, a partir de 1723, acompanha a investidura no Grau de Mestre Maçom. Este preceden
Categories
Published
of 2
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
     A Lenda de Tubal-Cain Seus Fundamentos Biblicos, Místicos e Lendários   Ir ∴  A. R. Schmidt Patier   Um dos fundamentos do relato alegórico de Tubal-Caím é a lenda que Gérard de Nerval (1808-1855) colheu no bairro dos fundidores e ourives da velha istambul da boca de um cantor profissional de estórias populares. A versão do escritor francês, em sua obra VOYAGE EN ORIENT (1851), segue de perto o ritual dramatizado que, a partir de 1723, acompanha a investidura no Grau de Mestre Maçom.   Este precedente concretamente documentado prova que o ritual da morte de Hiram Abif (descendente de Tubal-Caím) não simplesmente inventado pelos fundadores da então Grande Loja da Inglaterra, como muitos escritores Maçônicos e profanos acreditam. Como acabamos de ver, a lenda de Tubal-Caím existe de fato e de forma espontânea, como conto popular na tradição das mais diversas culturas.Além dessas referências meramente lendárias e míticas, existem fontes mais consistentes sobre o assunto, como o Velho Testamento e o ZOHAR, compêndio de filosofia cabalística, que compartilha com o SEPHER YETZIRAH a reputação de ser o mais antigo tratado sobre as doutrinas esotéricas do povo Hebreu.   A única referência a Tubal-Caím pode ser encontrada no Gênesis - IV, 22 E Zila teve também a Tubal-Caím, mestre de toda obra de cobre e de ferro; e a irmã de Tubal-Caím foi Naema .   É oportuno lembrar aqui o relato do Gênesis é mítico e necessita de um comentário. Recapitulemos, portanto, os dados do Antigo Testamento da Bíblia: o pai de Tubal-Caím é Lamech (que foi, também pai de noé), filho de Metuchael, filho de Menchael, filho de Irade, filho de Enoque, Filho de Caím. São, portanto sete gerações. Mas quem é o pai de Caím, ancestral de nosso Hiram?   Eis aqui uma informação que fará tremer muitos francos-maçons cândidos, para os quais Hiram é uma espécie de Cristo: Por filhos de Elohim designa a escritura os filhos de Caím. Pois quando Samael coabitou com Eva, comunicou-lhe sua corrupção, da qual tornou-se grávida. Foi então que ela pariu Caím, cujo o rosto era completamente diferente dos outros homens, e todos que descenderam de sua estirpe foram chamados filhos Heloim (ZOHAR, I-37 a).   Assim, Tubal-Caím constitui a sétima geração nascida de Samael e Eva. Trata-se, portanto, de um filho adúltero. O leitor familiarizado com a Cabala (Zohar e Sepher Yetzirah) e sua árvore sefirótica, poderá projetar aí essa filiação e, naturalmente, irá compreender muita coisa.   Assim, Hiram, por seu pai Ur, descendente de Tubal-Caím e, por ele, em linha reta, de Caím e de Samael. Este na tradição Judaica, é o Anjo Rebelde, o Tentador, o Grande Adversário, a respeito de quem o profeta afirma: Fui eu quem criou o obreiro que sopra os carvões de fogo dos quais necessitam para sua obra . (Isaias, LIV,16). A lenda de Tubal-Caím é, pois, um mito metalúrgico e, a partir desta constatação, podemos medir a responsabilidade assumida pelos ferreiros e artífices em metais ao intervirem no obscuro processo de crescimento mineral. Cumpria-lhes, a qualquer preço, justificar a sua intervenção e, para isso, deviam pretender substituir e apressar, com os processos metalúrgicos, a obra da Natureza. Ao acelerar o processo de crescimento dos metais, o ferreiro e o ourives precipitam o  ritmo temporal. O tempo geológico é transformado em tempo vital. Essa audaciosa concepção metalúrgica se prestaria muito mais à simbologia Maçônica do aperfeiçoamento moral da Humanidade do que o mito arquitetônico, afinal, preferido pelos primeiros maçons aceitos.   Hiram, como sabemos, não era arquiteto, mas ferreiro, isto é, metalúrgico (Reis 7,7-1/Crônicas II, 4-16). Mas os fundadores da Grande Loja da Inglaterra quiseram-no arquiteto. Pelo rito da recepção no grau de mestre Maçom, ele renasce no novo Mestre Arquiteto, quando este se levanta do túmulo simbólico. E, então - acredita-se, este recebe verdadeiramente o espírito Maçônico, espírito de tolerância, espírito adogmático.   O leitor racionalista terá, necessariamente, alguma dificuldade em admitir essa lenda edificada com fragmentos bíblicos, cabalísticos e outros de srcem vária. Mesmo para um espírito tolerante torna-se bastante claro que não se pode basear uma conclusão racional num relato mítico, sem raízes históricas demonstradas, por mais antigo, tradicional e venerável que ele seja. Só os adeptos das religiões reveladas - o Judaísmo, o Cristianismo e o Islã, em cuja tradição a Maçonaria se inclui necessariamente - não discutirão essa fundamentação.   Ir ∴  A. R. Schmidt Patier Loja Miguel Archanjo Tolosa, Or.·. de Brasília/DF Redator-Chefe do Jornal EGRÉGORA e Membro das Academias Maçônicas de Letras do Distrito Federal e do Brasil. Fonte: Grande Oriente do Brasil  

BTech_IT_7_8

Sep 27, 2017
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks