Articles & News Stories

A Missa Se Divide Nas Seguintes Partes

Description
DESCRIÇÃO DAS PARTES DA MISSA
Published
of 4
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
   A missa se divide nas seguintes partes: ritos iniciais, liturgia da Palavra, liturgia da Eucaristia, ritode comunhão e rito de conclusão. I. Ritos iniciais Chegamos à igreja e nos preparamos para celebrar o maior mistério da nossa fé urante esterito, os fiéis ficam em pé. A. Canto e procissão de entrada: entoamos um canto apropriado, com muita alegria. ! canto deentrada foi introdu ido na liturgia romana no século #. A procissão simboli a o caminhopercorrido pela $greja peregrina rumo à %erusalém celeste.! sacerdote chega ao altar, o beija e, conforme o caso, o incensa. $ncensar é um s&mbolo dehonra, purifica'ão e santifica'ão. epois, ele fa o sinal da cru .(. )auda'ão do sacerdote *ue preside: recorda as sauda'+es *ue )ão Paulo fa ia às primeirascomunidades cristãs em suas cartas.C. Ato penitencial: ns nos reconhecemos pecadores e fracos diante de eus. - um ato dehumildade. E lhe pedimos perdão por todas as nossas faltas. Este momento não substitui aconfissão em caso de pecado mortal. ! ato penitencial tem  partes:/. Convite aos fiéis para *ue se e0aminem e se reconhe'am pecadores, em um momento desil1ncio. Este momento de sil1ncio é importante e fa parte essencial deste ato.2. Pedido de perdão, *ue se e0pressa na ora'ão 3Confesso a eus todo4poderoso, e a vs,irmãos56 e no gesto de bater no peito, ao di er: 3Por minha culpa, minha tão grande culpa6.7. Absolvi'ão, *ue não é sacramental, mas e0pressa um desejo de perdão de eus. ! sacerdoteimplora: 3eus todo4poderoso tenha compai0ão de ns, perdoe os nossos pecados e noscondu a à vida eterna6. ! povo responde, di endo: 3Amém6.. Peti'ão: 3)enhor, tende piedade de ns6.. 8lria 9nas festas  sejam ou não de preceito  e solenidades;. ! 8lria é um hinoanti*u&ssimo e vener<vel com o *ual a $greja glorifica eus Pai e fa sua s=plica ao Cordeiro. !te0to deste hino não pode ser trocado por outro. >ouvamos eus e reconhecemos diante dele o*uanto necessitamos dele.E. !ra'ão coleta 9e0clusiva do sacerdote;: é uma ora'ão *ue e0pressa o car<ter da celebra'ão.- a ora'ão *ue o padre, em nome de todos, fa ao Pai. ?ela, são agrupadas ou recolhidas asnecessidades de toda a assembleia. II. Liturgia da Palavra !s fiéis estão sentados. ?as leituras 9*ue também são um alimento espiritual;, eus fala ao seupovo, mostra4lhe os mistérios da reden'ão e da salva'ão.)egundo a tradi'ão, o servi'o de proclamar as leituras não é presidencial, mas ministerial. As leituras da missa variam ao longo do ano, conforme os tempos lit=rgicos 9advento, natal,*uaresma, p<scoa, tempo comum; e se dividem em tr1s ciclos, um por ano: A, ( e C. Portanto, ofiel *ue for à missa diariamente, aps 7 anos, ter< escutado a (&blia *uase completa.?esse momento, eus nos fala e *uer *ue guardemos essa mensagem em nosso cora'ão, *uea meditemos e apli*uemos ao longo do dia.Como são feitas as leituras@ ! leitor vai até o ambão e os fiéis se sentam. ?o final de cadaleitura, o leitor di : 3Palavra do )enhor6, *ue não é um esclarecimento, mas uma confissão de fé. A. Primeira leitura: sempre é tirada do Antigo estamento. ?ele, eus nos fala por meio dahistria do povo de $srael e dos seus profetas.(. )almo responsorial: é uma resposta à Palavra de eus, relacionada com a primeira leitura. !)enhor também fala ao seu povo por meio dos salmos.C. )egunda leitura: é sempre tirada do ?ovo estamento, e est< presente nas solenidades e emalgumas festas;.. Aleluia: !s fiéis ficam em pé e cantam o Aleluia, e0ceto na Buaresma.E. Proclama'ão do Evangelho: segundo o caso, incensa4se o evangeli<rio.. Domilia: nesse momento da missa, o sacerdote e0plica o significado das leituras, bem comosua aplica'ão às nossas vidas.8. Credo: os fiéis proclamam sua fé em pé. ! Credo 9ou )&mbolo ou Profissão de é; é umaconfissão p=blica da fé, feita também como resposta à Palavra de eus. - recitado em algumasfestas e nas solenidades.D. !ra'ão dos fiéis: em geral, as inten'+es são pelas necessidades da $greja pelos *uegovernam e pela salva'ão do mundo pelos *ue sofrem e por *ual*uer dificuldade e pela  comunidade local. ?as celebra'+es especiais, como crisma, casamento, e0é*uias, a ordem asinten'+es pode levar mais em considera'ão a ocasião particular. III. Liturgia eucarística  A. Canto do ofertrio(. Procissão das oferendasC. Apresenta'ão do pão e do vinho, da <gua e da oferenda dos fiéis: nesta parte da Fissa, osacerdote apresenta o pão e o vinho a eus, oferecendo4lhe estes dons para *ue se convertamno Corpo e )angue de Cristo.?s, fiéis, aproveitamos este momento para oferecer a eus nossa vida, nossos propsitos einten'+es, nosso amor, nossas *ualidades, para *ue Ele as santifi*ue e sirvam para o bem da$greja. - o momento de oferecer4lhe interiormente um novo esfor'o por alcan'ar a*uilo *ue nospropusemos espiritual e humanamente.! sacerdote toma em suas mãos a patena com a hstia e, elevando4a um pouco, recita umaora'ão de b1n'ão. a o mesmo com o c<lice. Antes de apresentar o vinho, o padre coloca algumas gotas de <gua no c<lice. ! *ue estamistura de <gua e vinho representa@ Ela pode ter tr1s ignificados: a união dos fiéis 9a <gua; comCristo 9o vinho;, a união da nature a humana com a nature a divina de Cristo e, sobretudo,simboli a a <gua e o sangue *ue brotaram do lado de %esus, ao ser atravessado com a lan'a.)egundo o caso, incensa4se o altar, o sacerdote e a assembleia.. >avatrio das mãos: o sacerdote lava as mãos ao lado do altar, rito com o *ual e0pressa seudesejo de purifica'ão interior.E. Convite a orar: 3!rai, irmãos, para *ue este sacrif&cio seja aceito por eus Pai56.. !ra'ão sobre as oferendas8. !ra'ão eucar&stica/. Pref<cio: a'ão de gra'as na *ual o sacerdote, em nome de todo o povo santo, glorifica eusPai e lhe d< gra'as por toda a obra de salva'ão.2. Aclama'ão: com ela, toda a assembleia, unindo4se aos coros celestiais, canta o )anto. Estaaclama'ão é proclamada por todo o povo, juntamente com o sacerdote.7. Epiclese: invoca'ão do Esp&rito )anto para a consagra'ão das espécies eucar&sticas.. ?arra'ão da institui'ão da Eucaristia e consagra'ão: os fiéis se ajoelham, pois este é omomento central da Fissa, no *ual o pão e o vinho se transformam em Corpo e )angue deCristo. Buem não puder se ajoelhar, pode fa er uma inclina'ão profunda nos momentos em *ueo sacerdote fa a genufle0ão.G. Aclama'ão da assembleia: o sacerdote proclama o mistério da fé e os fiéis respondem:3Anunciamos, )enhor, a vossa morte, proclamamos a vossa ressurrei'ão56.H. Anamnese: com ela, a $greja reali a o memorial do prprio %esus, renovando principalmentesua bem4aventurada pai0ão, sua gloriosa ressurrei'ão e sua ascensão ao céu. ! sacerdote di :3Celebrando agora, )enhor, o memorial da pai0ão redentora do vosso ilho, e da sua admir<velressurrei'ão e ascensão aos Céus, e esperando a sua vinda gloriosa, ns vos oferecemos, ema'ão de gra'as, este sacrif&cio vivo e santo6.I. !bla'ão: ofertrio do pão de vida e do c<lice da salva'ão, com o *ual a $greja oferece ao Pai,no Esp&rito )anto, a v&tima imaculada.J. Preces de intercessão: com elas, e0pressa4se *ue a Eucaristia se celebra em comunhão comtoda a $greja, tanto com a do céu como com a da terra. ! sacerdote di : 3>embrai4vos, )enhor,da vossa $greja56.K. o0ologia: é uma e0clama'ão feita pelo sacerdote: 3Por Cristo, com Cristo e em Cristo56.Com ela, e0pressa4se a glorifica'ão de eus, *ue é afirmada e conclu&da com o 3Amém6 dopovo. IV. Rito da comunhão  A. Pai4?osso: ora'ão conjunta entre sacerdotes e fiéis. Como pr<tica de piedade, se voc1costuma elevar suas mãos ou segurar nas mãos de outras pessoas para re ar o Pai4?osso,sugere4se *ue não se force outras pessoas a seguirem sua pr<tica pessoal, pois algumaspodem se distrair com isso e não prestar aten'ão à ora'ão em si.(. Embolismo: é uma ora'ão e0clusiva do sacerdote, *ue desenvolve a =ltima peti'ão do Pai4?osso para toda a comunidade dos fiéis: a liberta'ão do poder do mal. ! povo conclui com ado0ologia: 3#osso é o Leino, o poder e a glria56.  C. )auda'ão da pa : este é um momento de muitos abusos e motivo de desordem é precisomanter o clima de recolhimento e sil1ncio. ! fiel sa=da somente *uem est< ao seu lado, pois és uma sauda'ão de pa . ?este momento, é necess<rio evitar algumas a'+es, tais como:/. A introdu'ão de um 3canto da pa 6, ine0istente no rito romano.2. eslocamento dos fiéis para dar a sauda'ão da pa .7. Bue o padre saia do altar para dar a pa aos fiéis.. Bue a sauda'ão da pa seja ocasião para felicitar ou e0pressar condol1ncias entre ospresentes 9cf. carta circular da Congrega'ão para o Culto ivino e a isciplina dos )acramentossobre o rito da pa , n. H;.)e voc1 precisa se reconciliar com alguém 9ainda *ue esteja ausente;, fa'a isso durante amissa, cumprindo o *ue o )enhor di : 3)e est<s, portanto, para fa er a tua oferta diante do altar e te lembrares de *ue teu irmão tem alguma coisa contra ti, dei0a l< a tua oferta diante do altar evai primeiro reconciliar4te com teu irmão s então vem fa er a tua oferta6 9Ft G, 2742;. Portanto, o rito da sauda'ão de pa não é um momento de esticar e0ageradamente o bra'o, saudar à distMncia, dar voltas inteiras ou fa er deslocamentos.. Cordeiro de eus e fra'ão do pão: o sacerdote toma o pão consagrado, parte4o sobre apatena e dei0ar cair uma parte dele no c<lice, di endo uma ora'ão em particular para significar aunidade do Corpo e )angue do )enhor, ou seja, do Corpo de Cristo %esus vivente e glorioso naobra da reden'ão.E. Lito de procissão de comunhão e canto de comunhão: o canto de comunhão, ao *ual todosos fiéis se unem em pé, comungando ou não, dura até *ue o =ltimo fiel comungue.! ideal é comungar na boca, se poss&vel de joelhos. A comunhão na mão é uma op'ão, mas a forma geral e ideal da $greja é a recep'ão dacomunhão na boca e de joelhos como ato de absoluto respeito ao )ant&ssimo )acramento. Ainda *ue a $greja o permita, não é aconselh<vel fa er uso desnecess<rio e sem ra ão destapr<tica. #oc1 estar< recebendo o prprio eus, e cada particular *ue fica em suas mãos ou cai éuma profana'ão ao )ant&ssimo.- desej<vel *ue os fiéis recebam o Corpo do )enhor das hstias consagradas nessa mesmamissa e, nos casos previstos, participem do c<lice. Cheios de alegria, ns nos apro0imamospara receber %esus, pão da vida. Antes de comungar, fa emos um ato de humildade e de fé. ! sacerdote fa uma genufle0ão,toma o pão consagrado e, elevando4o sobre a patena, mostra4o ao povo, di endo: 3Este é oCordeiro de eus *ue tira o pecado do mundo. eli es os convidados para a ceia do )enhor6.!s fiéis respondem: 3)enhor, eu não sou digno56, usando as palavras do centurião deCafarnaum *uando se reconheceu indigno de receber %esus em sua casa.Chamamos %esus de 3Cordeiro6 à semelhan'a dos cordeiros *ue eram sacrificados no templo,mas com uma grande diferen'a: os cordeiros do templo não tiravam o pecado do mundo,en*uanto o 3Cordeiro de eus6 o fa . A comunhão é um dom *ue o )enhor oferece aos fiéis por meio de um ministro autori ado.$mita4se um gesto do )enhor: 3Ele o deu, di endo: tomai56. Por este motivo, a $greja não admite*ue os fiéis tomem por si mesmos o pão consagrado e o c<lice sagrado, nem *ue o passem umao outro.. empo amplo de sil1ncio: depois *ue o =ltimo fiel comunga e o sacerdote guarda a reserva dehstias no sacr<rio, os fiéis se sentam ou se ajoelham e oram em particular.8. !ra'ão aps a comunhão: todos os fiéis ficam em pé e suplicam os frutos do mistériocelebrado, para terminar a s=plica do povo de eus e também para concluir todo o rito decomunhão.D. Fomento para eventuais avisos paro*uiais V. Rito de conclusão  A. (1n'ão: o povo recebe a b1n'ão fa endo o sinal da cru em sil1ncio.(. CMntico final: depois do cMntico, os fiéis podem sair da igreja. ! momento da sa&da ée0tensão do momento sagrado da missa. Ainda haver< pessoas orando, desejando estender seumomento pessoal de intimidade com eus seja compreensivo diante de suas necessidadesparticulares e suas devo'+es, colaborando com o sil1ncio. VI. Apêndice    !ra'+es privadas do sacerdote: são feitas em sil1ncio em diferentes momentos da missa: noato penitencial, antes de proclamar o Evangelho, depois do Evangelho, no momento do lavatriodas mãos, na fra'ão do Pão, depois do Cordeiro de eus, no momento de comungar etc.  )il1ncios durante a missa: precisam ser guardados também os momentos de sil1ncio nomomento correspondente. )ua fun'ão depende do momento: no ato penitencial e depois doconvite a orar, cada um se recolhe em si mesmo mas, terminada a leitura ou a homilia, todosmeditam brevemente sobre o *ue escutaram e depois da comunhão, louvam eus em seucora'ão e oram.
Search
Similar documents
View more...
Related Search
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks