Documents

A Nova Espiritualidade e a Espiritualidade Adventista

Description
Espiritualidade
Categories
Published
of 3
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
  A Nova Espiritualidade e a Espiritualidade Adventista   Dois cristãos conversando: - “Você já ouviu falar da nova espiritualidade?”  - “Não, nem havia ouvido que existe uma velha…!”  É exatamente nesse patamar que nos encontramos hoje em meio à cristandade no Brasil. Sempre falamos muito de igreja, de doutrina de Bíblia e da Verdade que ela contém. Falamos muito de que somos um ser integral: corpo, mente, espírito. No entanto falamos pouco de espiritualidade e consequentemente pouco sabemos e alguns reputam apenas a expressão espiritualidade ou o debate sobre o tema como sendo coisa do espiritismo ou da nova era. Sobre o corpo nós Adventistas sabemos muito através da mensagem da saúde e dos muitos médicos que estão em nosso meio. Sobre a mente também sabemos muito, e até a ciência se empenhou em descobrir o cérebro e que relação ele tem com a mente. Para quem não leu ainda existem dois volumes do livro Mente Caráter e Personalidade de Ellen White. Ali você descobre o que você precisa saber sobre a mente. E sobre o Espírito? Quanto sabemos? E sobre espiritualidade, que é o exercício da vida espiritual? Como funciona? O que é espiritualidade de acordo com a compreensão bíblica, levando em consideração a integralidade do ser humano?  A maioria das outras religiões seguem a doutrina da antiga Grécia com a sua dicotomia ou tricotomia. A maioria das religiões acreditam que existe um ser dentro de nós que continua vivendo quando finalmente consegue se livrar da casca chamada corpo. Esse ser, segundo essa doutrina vai para o céu, para o inferno, em doutrinas mais orientais, ele pode migrar para outro corpo humano e até para um animal  –  reencarnação e transmigração da alma respectivamente. Muitos julgam que o corpo é contrário ao espírito numa má leitura de Gálatas 5:17 e desprezam a importância do corpo no ser humano como todo. Nesse modelo ainda fica difícil encaixar a alma, que também é algo parecido… Biblicamente surgem problemas quando se entra no assunto da ressurreição, pois o que ressuscitaria, se a alma ou o espírito (não se sabe) já foi para o céu por ocasião da morte. Com essa compreensão pagã, não bíblica do espírito humano, espiritualidade seria então a atenção e estímulo a esse ser dentro de nós. Como a Bíblia compreendida em seu todo não fornece essa compreensão do espírito humano, precisamos definir o que é espiritualidade a partir da Bíblia… Biblicamente é descrito que o espírito é a energia viva em nós, vinda da parte de Deus, e que ele apenas tem função quando unido ao corpo. A união do espírito com o corpo faz de nós a alma vivente que somos. (cf. Gn. 2:7) Então não temos uma alma, somos uma alma, mas temos um espírito que é a vida (no srcinal hebraico RUAH  ) que está em nós, que não nos pertence. Essa vida que devemos administrar responsavelmente para honra e glória de Deus, essa energia vital volta para Ele que a deu (cf. Ec. 12:7). Como é dito no livro de Hebreus: “E, como aos homens está ordenado morrerem uma só vez…” Hb. 9:27, não temos vida contínua/eterna em nós mesmos, ela é emprestada por uma existência.  O Novo Testamento, no entanto, fala sobre a vida na carne em oposição à vida espiritual. (cf. Mt. 26:41; Jo. 3:6; Jo. 6:63; Rm. 8:4-6, 9, 13; Gl. 3:3, 5:16, 5:17, 6:8). Vamos entender as coisas como estão na Bíblia: Quando uma pessoa vem à existência ela recebe o fôlego de Deus, que segundo o Antigo Testamento é o fôlego de vida ( RUAH  ), é a vida em si, é o espírito que é colocado em nós, que unida à carne resulta na alma vivente. Como nos separamos de Deus (cf. Rm. 3:13, 5:12), precisamos fazer uma escolha de viver essa vida para Deus, pois como disse Jesus: “o que é nascido da carne é carne, o que é nascido do Espírito é Espírito.” (cf. Jo. 3:6). Chamamos esse novo nascimento de conversão e ocorre quando um ser humano entende que a existência dele não ocorreu à toa, mas que Deus tem um propósito para ela. Em um momento esse ser humano decide que quer viver a vida para cumprir em obediência o propósito de Deus para sua vida.  A Bíblia diz que nesse momento recebemos o dom do Espírito (cf. At. 2:38). Há aqueles que gostam do frenesi mágico de uma compreensão supersticiosa do que isso significa. Interpretam que poderes mágicos serão emprestados para aqueles que recebem o Espírito, como se Deus despersonalizasse pelo Espírito aquilo que Ele quis pessoal e fizesse uniformemente na vida de todos que o recebem autômatos dependentes. Que distorção!!! Veja como Elias experimentou a Deus em 1 Reis 11-12. De maneira suave Deus se apresenta. Davi disse que precisamos aquietar, para saber quem é Deus. (cf. Sl. 46:10). E veja a recomendação de Isaías 30:15  –  é sossegando e descansando e confiando que seremos salvos  –  ele ainda teve uma repreensão para Israel: “mas não o quisestes!”  O trabalho do Espírito de Deus é silencioso, eficaz e respeita o nosso tempo. Geralmente Ele trabalha de maneira educativa com a participação e o envolvimento do ser humano. E poucas vezes é fácil se submeter à ação do Espírito. Muitas vezes com Ele vêm uma luta entre as duas naturezas que habitam em nós a partir da conversão: a natureza natural, nascida conosco e a nova natureza implantada pelo Espírito Santo  –  a natureza espiritual. Veja a descrição dramática que Paulo faz em sua carta aos Gálatas 5:13-24. Ali fala que existe uma batalha dentro de nós pelo trono de nosso coração. Quem vai ter o comando em sua vida é disputado a cada momento e a cada decisão que você faz na vida. Em curto espaço, como num artigo desses permite  –  Espiritualidade Adventista é o processo educacional ao qual o Espírito de Deus quer nos submeter por meio de sua silenciosa guia no dia a dia. Aquele que não tem paciência, precisa aprender paciência, pois para os relacionamentos com Deus, consigo mesmo e com o próximo, paciência é um produto altamente requerido. Aquele que não sabe amar, precisa treinar os músculos flácidos do amor e descobrir a lógica do amor. Aquele que é orgulhoso e prepotente, precisa aprender humildade e mansidão… Veja a lista de itens que precisamos trabalhar  quando Jesus apresentou o que Ele sempre quis como sendo espiritualidade já no primeiro sermão de Seu ministério aqui na Terra. Veja também Gálatas 5:22-23 e 1 Coríntios 13. Jesus nos convida para adquirirmos a Sua mente, que é uma mente espiritual e dominarmos a lógica das coisas que não se veem. (cf. 1 Co. 2:16; 2 Co. 4:18). Enquanto a nova espiritualidade quer explorar exatamente o frenesi mágico de uma religião supersticiosa e egoísta, que quer usar a Deus para satisfação do crente, a espiritualidade buscada por um adventista na Bíblia é a do crescimento altruísta em Cristo: “antes cresce i na graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.” (cf. 2 Pe. 3:18). É a do desenvolvimento da Salvação: “desenvolvei a vossa salvação com temor e tremor!” (cf. Fp. 2:12). E sabemos que esse crescimento/desenvolvimento tem a guia e a incursão do Espírito momento a momento: “Aquele que começou a boa obra em vós há de concluí - la até o dia de Cristo!” (cf. Fp. 1:6).   A espiritualidade Bíblica não se detém na especulação com os mistérios e vibrações supersticiosas de coisas desconhecidas, mas procura aprender em um processo educacional, numa vida prática a vontade de Deus. A espiritualidade Bíblica não procura a satisfação egoísta de suas necessidades, mas está disposta a seguir a Cristo como Ele o pediu em Mateus 10:34-39. A espiritualidade Bíblica não pressupõe o uso de Deus pelo ser humano, nem o ser humano tentando persuadir a Deus a fazer a vontade humana (cf. Mt. 26:39)  –  essa é especificamente a nova espiritualidade que não é nada mais nada menos do que a religião pagã requentada em moldes pós-modernos. Nessa busca da espiritualidade como Deus a queria, no início nos parece estranho crescer, parece ser mais fácil seguir como fazíamos: cedendo aos apelos de nosso próprio coração, mas Deus vai incorporando em nosso viver prático os princípios de Seu Reino e pouco a pouco a natureza espiritual cultivada pelo Espírito Santo em nós, torna-se a nossa primeira natureza. Lutas sempre teremos, perfeito ninguém será, pois o processo de santificação continuará até o final da vida. Deus o abençoe em seu crescimento.
Search
Tags
Related Search
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks