Industry

A Perda Auditiva Induzida Pelo Ruído (PAIR) na formação odontológica: conhecimentos e níveis de exposição

Description
Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Ciências da Saúde Programa de Pós-Graduação em Odontologia Área de Concentração Odontologia Preventiva e Social A Perda Auditiva Induzida Pelo Ruído
Categories
Published
of 96
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Ciências da Saúde Programa de Pós-Graduação em Odontologia Área de Concentração Odontologia Preventiva e Social A Perda Auditiva Induzida Pelo Ruído (PAIR) na formação odontológica: conhecimentos e níveis de exposição Bianca Oliveira Tôrres Natal 2007 Livros Grátis Milhares de livros grátis para download. Bianca Oliveira Tôrres A Perda Auditiva Induzida Pelo Ruído (PAIR) na formação odontológica: conhecimentos e níveis de exposição Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Odontologia da UFRN como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre em Odontologia, área de concentração Odontologia Preventiva e Social. Orientadora: Profª. Drª. Iris do Céu Clara Costa Natal 2007 Divisão de Serviços Técnicos Catalogação da Publicação na Fonte UFRN/Biblioteca Setorial de Odontologia Tôrres, Bianca Oliveira. A Perda Auditiva Induzida pelo Ruído (PAIR) na formação odontológica: conhecimentos e níveis de exposição/ Bianca Oliveira Tôrres. Natal, RN, f. Orientador: Iris do Céu Clara Costa. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro de Ciências da Saúde. Departamento de Odontologia. Área de Concentração Odontologia Preventiva e Social. 1. Perda auditiva provocada por ruído Dissertação. 2. Ruído ocupacional Dissertação. 3. Estudantes de odontologia Dissertação. I. Costa, Iris do Céu Clara. II. Título. RN/UF/BSO Black D585 DEDICATÓRIA A Deus, pois tudo em minha vida foi permitido e conduzido por Ele. Aos meus pais Kenard e Júlia, exemplos de honradez e persistência, e aos meus irmãos Julianna e Iggor pelo carinho, dedicação, compreensão e apoio, imprescindíveis para vencer cada passo de meus estudos e por não medirem esforços e proporcionarem todas as condições para que eu me tornasse a pessoa e profissional que sou. Amo vocês até o limite do meu entendimento. AGRADECIMENTOS À professora Drª. Iris do Céu Clara Costa, mais que orientadora, amiga. Com competência, respeito e carinho me conduziu nesta jornada, não medindo esforços para que ela fosse, além de consistente, agradável. Foi muito bom ter sido orientada por você. Ao Programa de Pós-Graduação em Odontologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, na pessoa do seu coordenador, professor Dr. Angelo Giuseppe Roncalli. À minha eterna patroa Drª. Solange Soares da Silva Félix, responsável pelo direcionamento de minha formação profissional e minha carreira acadêmica. Obrigada pelo incentivo, apoio e inspiração, além de sua grande amizade. Ao amigo Dr. Franklin Delano Soares Forte, pela colaboração e amizade antes e durante o curso e por compartilhar comigo seus conhecimentos. Ao professor Dr. Kenio Costa de Lima pelo apoio, acolhimento, pelo valioso auxílio na análise e interpretação estatística e pelas contribuições no exame de qualificação. Seu olhar possibilitou o enriquecimento do meu estudo. Ao professor Dr. Antônio Medeiros Júnior pelas ricas sugestões apresentadas no exame de qualificação. À secretária do Programa de Pós-Graduação em Odontologia, Sandra Abrantes, sempre prestativa, receptiva e paciente. Aos amigos do curso de pós-graduação em Odontologia, Aline Louise, Altaíva Jales, Ana Daniela, Dyego Leandro, Ezilda Medeiros, Gilmara Celli, Irlane Alves, Juliêta Fernandes, Jussara Dantas, Lailson Lima, Samara Carollyne e Wilton Medeiros, juntos compartilhamos muitas experiências durante esta jornada, nas aulas, refeições, e horas de reflexões. Quando relembrar de bons momentos, vocês certamente estarão neles. A Allan Patrício, Iara Medeiros e Ricardo Castro, mais que amigos de mestrado, minha família em Natal. Obrigada pela companhia nos momentos difíceis longe dos que amamos, pelo companheirismo, aprendizagem, apoio e incentivos recebidos, além das grandes amizades solidificadas. Vocês são muito preciosos para mim. À Neusa Sales, pelo carinho dispensado, sempre de forma tão alegre. À bibliotecária Cecília Santos, pelo eficiente trabalho de correção das referências. À professora e amiga Drª. Patrícia Moreira Rabello pelo constante incentivo ao crescimento profissional. À Francileine de Melo Oliveira, por sua amizade verdadeira e por me convencer que era possível. À grande amiga Maria Consuêlo Di Pace Borba, a irmã que Deus me permitiu escolher e incentivadora de uma vida inteira. Ao meu mega primo Rodolfo Torres Soares Boulitreau, companheiro incansável no início do curso. Sua presença em Natal me encorajou a aceitar o desafio. Vai por mim! Às acadêmicas Geórgia Souza e Valéria Nogueira pela valiosa ajuda na etapa de coleta dos dados. Aos acadêmicos Heriberto Aguiar e Juliana Bandeira pela disponibilidade em ajudar e eficiência, além da indiscutível simpatia. Aos acadêmicos de Odontologia da UFRN e UFPB participantes deste estudo, pelo consentimento e colaboração imprescindíveis ao desenvolvimento desta pesquisa. E a todos os familiares e amigos que confiaram e acreditaram em mim. Mas é claro que o sol vai voltar amanhã Mais uma vez, eu sei Escuridão já vi pior, de endoidecer gente sã Espera que o sol já vem Tem gente que está do mesmo lado que você Mas deveria estar do lado de lá Tem gente que machuca os outros Tem gente que não sabe amar Tem gente enganando a gente Veja nossa vida como está Mas eu sei que um dia a gente aprende Se você quiser alguém em quem confiar Confie em si mesmo Quem acredita sempre alcança Nunca deixe que lhe digam que não vale a pena Acreditar no sonho que se tem Ou que seus sonhos nunca vão dar certo Ou que você nunca vai ser alguém Tem gente que machuca os outros Tem gente que não sabe amar Mas eu sei que um dia a gente aprende Se você quiser alguém em quem confiar Confie em si mesmo Quem acredita sempre alcança Renato Russo/Flavio Venturini RESUMO A racionalização do trabalho na Odontologia tem levado o profissional a trabalhar por meios e sistemas fundamentados na ergonomia, tornando seu trabalho eficiente e menos cansativo. Desde sua formação acadêmica, os cirurgiões dentistas são preocupados com a alta produtividade em clínica e com o resultado final do trabalho, negligenciando a maneira como este é executado, o que leva a redução de sua capacidade de trabalho e exposição a doenças ocupacionais que poderiam ser minimizadas e/ou prevenidas. Este trabalho teve como objetivo principal investigar o conhecimento de acadêmicos de Odontologia de uma Universidade Pública do Rio Grande do Norte acerca da Perda Auditiva Induzida pelo Ruído (PAIR), relacionando-o aos níveis de ruído a que estão expostos e à tomada de medidas preventivas durante as atividades clínicas. Foi observado que 95% dos indivíduos sabem que o cirurgião dentista é um profissional de risco para a PAIR. Dentre as causas da PAIR, a caneta de alta rotação foi lembrada por 92,4% dos acadêmicos. Dos que enumeraram medidas de proteção para a PAIR, 92% citaram o uso do protetor auricular, embora 97% dos pesquisados tenham relatado não usar nenhum tipo de medida preventiva em relação ao ruído. Observou-se também que 96% dos acadêmicos percebem o ruído durante o atendimento clínico, o que chega a incomodar 28,1% deles. Quanto aos níveis de ruído, as canetas de alta rotação dos acadêmicos apresentaram um valor médio de 80,5 db variando de 72,3 a 88,3 db. Já a média do ruído ambiente observada na Clínica Integrada foi de 74,8 db. Apesar dos níveis de ruído observados neste estudo encontrarem-se abaixo dos limites de tolerância estabelecidos pela legislação, podem provocar prejuízos à saúde dos profissionais da Odontologia, o que sugere intervenção e uso de medidas preventivas imediatas capazes de gerar um ambiente ocupacional saudável e com menos riscos. PALAVRAS-CHAVE Perda auditiva provocada por ruído; Ruído ocupacional; Estudantes de odontologia ABSTRACT The rationalization of work in the Dentistry has been taking the professional to work for ways and systems based in the ergonomics, turning their work efficient and less tiring. Since their academic formation, the dentists surgeons are concerned with the high productivity in clinic and with the final result of the work, neglecting the way as it is executed, which reduce their work capacity and exhibits them to occupational diseases that could be minimized and/or forewarned. This research had as the main objective to investigate the knowledge of the Dentistry academics of Rio Grande do Norte Federal University concerning the Noiseinduced Hearing Loss (NIHL), relating them at the noise levels that they are exposed, as well as to the preventive measures taken during the clinical activities. Was observed that 95% of the individuals know that the dentist surgeon is a professional in risk for NIHL. Among the causes of NIHL, the one that obtained the largest frequency citation was the high-speed handpieces, reminded by 92,4% of the academics. Among the students which enumerated protective measures for NIHL, 92% mentioned the use of the ear plugs, although 97% of the researched have told do not use any kind of preventive measure related to the noise. Was also observed that 96% of the academics notice the noise during the clinical attendance, what inconvenience 28,1% of them. Related the noise levels, the high-speed handpieces of the academics presented a medium value of 80,5 db varying from 72,3 to 88,3 db. The average of the ambient noise observed at the Integrated Clinic was about 74,8 db. In spite of the noise levels in this research were observed below the established limits of tolerance by the legislation, they can provoke damages to the Dentistry professionals' health, or that suggests the need of an intervention and use of immediate preventive measures able to generate a healthy atmosphere of work and less risky. KEY-WORDS Hearing Loss, Noise-Induced; Noise, Occupational; Students, Dental. LISTA DE FIGURAS Figura 1 Espectro de freqüência audível Figura 2 Diagrama esquemático das estruturas auriculares Figura 3 Estrutura anatômica da cóclea Figura 4 Mapa mental da audição humana Figura 5 Decibelímetro utilizado no estudo Figura 6 Esquema ilustrativo da Clínica Integrada do DOD-UFRN Figura 7 Figura 8 Figura 9 Figura 10 Figura 11 Figura 12 Figura 13 Figura 14 Figura 15 Figura 16 Participação dos acadêmicos de Odontologia nas etapas do estudo, em percentuais. Natal, RN Distribuição percentual da amostra estudada conforme sexo. Natal, RN Distribuição percentual da amostra estudada de acordo com o período em curso. Natal, RN Distribuição percentual da população estudada de acordo com o conceito de PAIR. Natal, RN Freqüência de respostas dadas por acadêmicos de odontologia da UFRN sobre as causas da PAIR no consultório odontológico. Natal, RN Freqüência das medidas de proteção geral e/ou individual julgadas importantes pelos acadêmicos de odontologia da UFRN pesquisados. Natal, RN Distribuição percentual da população estudada de acordo com o recebimento de orientações sobre a PAIR e onde este se deu. Natal, RN Esquema ilustrativo com os níveis de ruído em decibéis da Clínica Integrada do DOD-UFRN Freqüência de lubrificação das canetas de alta rotação em percentuais. Natal, RN Tempo de uso das canetas de alta rotação em percentuais. Natal, RN LISTA DE TABELAS Tabela 1 Limites de tolerância para ruído contínuo ou intermitente Tabela 2 Comparação entre os limites máximos de exposição diária ao ruído permitida Tabela 3 Distribuição absoluta e percentual de indivíduos e valor de p, segundo as variáveis sexo, idade e período cursado em relação ao que eles consideram PAIR. Natal, RN Tabela 4 Distribuição absoluta e percentual de indivíduos e valor de p, segundo as variáveis sexo, idade e período cursado em relação ao cirurgião dentista ser ou não profissional de risco para a PAIR. Natal, RN Tabela 5 Distribuição absoluta e percentual de indivíduos e valor de p, segundo as variáveis sexo, idade e período cursado em relação a caneta de alta rotação como causa da PAIR no exercício da Odontologia. Natal, RN Tabela 6 Distribuição absoluta e percentual de indivíduos e valor de p, segundo as variáveis sexo, idade e período cursado em relação aos outros aparelhos do consultório como causa da PAIR no exercício da Odontologia. Natal, RN Tabela 7 Distribuição absoluta e percentual de indivíduos e valor de p, segundo as variáveis sexo, idade e período cursado em relação ao ruído do ambiente do consultório como causa da PAIR no exercício da Odontologia. Natal, RN Tabela 8 Distribuição absoluta e percentual de indivíduos e valor de p, segundo as variáveis sexo, idade e período cursado em relação à baixa rotação como causa da PAIR no exercício da Odontologia. Natal, RN Tabela 9 Distribuição absoluta e percentual de indivíduos e valor de p, segundo as variáveis sexo, idade e período cursado em relação ao compressor como causa da PAIR no exercício da Odontologia. Natal, RN Tabela 10 Distribuição absoluta e percentual de indivíduos e valor de p, segundo as variáveis sexo, idade e período cursado em relação ao sugador como causa da PAIR no exercício da Odontologia. Natal, RN Tabela 11 Distribuição absoluta e percentual de indivíduos e valor de p, segundo as variáveis sexo, idade e período cursado em relação às outras causas da PAIR no exercício da Odontologia. Natal, RN Tabela 12 Distribuição absoluta e percentual de indivíduos e valor de p, segundo as variáveis sexo, idade e período cursado em relação às repostas ao questionamento se medidas de proteção contribuem para evitar a PAIR. Natal, RN Tabela 13 Distribuição absoluta e percentual de indivíduos e valor de p, segundo as variáveis sexo, idade e período cursado em relação ao uso do protetor auricular como medida de proteção contra a PAIR no exercício da Odontologia. Natal, RN Tabela 14 Distribuição absoluta e percentual de indivíduos e valor de p, segundo as variáveis sexo, idade e período cursado em relação à manutenção do equipamento odontológico como medida de proteção contra a PAIR no exercício da Odontologia. Natal, RN Tabela 15 Distribuição absoluta e percentual de indivíduos e valor de p, segundo as variáveis sexo, idade e período cursado em relação a outras medidas preventivas como medida de proteção contra a PAIR no exercício da Odontologia. Natal, RN Tabela 16 Distribuição absoluta e percentual de indivíduos e valor de p, segundo as variáveis sexo, idade e período cursado em relação à lubrificação dos instrumentos rotatórios como medida de proteção contra a PAIR no exercício da Odontologia. Natal, RN Tabela 17 Distribuição absoluta e percentual de indivíduos e valor de p, segundo as variáveis sexo, idade e período cursado em relação à localização adequada do compressor como medida de proteção contra a PAIR no exercício da Odontologia. Natal, RN Tabela 18 Distribuição absoluta e percentual de indivíduos e valor de p, segundo as variáveis sexo, idade e período cursado em relação ao uso racional do sugador como medida de proteção contra a PAIR no exercício da Odontologia. Natal, RN Tabela 19 Distribuição absoluta e percentual de indivíduos e valor de p, segundo as variáveis sexo, idade e período cursado em relação ao planejamento do ambiente como medida de proteção contra a PAIR no exercício da Odontologia. Natal, RN Tabela 20 Distribuição absoluta e percentual de indivíduos e valor de p, segundo as variáveis sexo, idade e período cursado em relação à questão Você usa algum tipo de proteção individual?. Natal, RN Tabela 21 Distribuição absoluta e percentual de indivíduos e valor de p, segundo as variáveis sexo, idade e período cursado em relação ao recebimento de orientações sobre a PAIR. Natal, RN Tabela 22 Distribuição absoluta e percentual de indivíduos e valor de p, segundo as variáveis sexo, idade e período cursado em relação à situação em que recebeu orientações sobre a PAIR. Natal, RN Tabela 23 Distribuição absoluta e percentual de indivíduos e valor de p, segundo as variáveis sexo, idade e período cursado em relação ao conhecimento da legislação pertinente aos limites de ruído permitidos no ambiente de trabalho. Natal, RN Tabela 24 Distribuição absoluta e percentual de indivíduos e valor de p, segundo as variáveis sexo, período cursado e nível de ruído das canetas de alta rotação em relação à percepção do ruído durante o atendimento clínico. Natal, RN Tabela 25 Distribuição absoluta e percentual de indivíduos e valor de p, segundo as variáveis sexo, período cursado e nível de ruído das canetas de alta rotação em relação ao incômodo provocado pelo ruído durante o atendimento clínico. Natal, RN Tabela 26 Distribuição absoluta e percentual de indivíduos e valor de p, segundo as variáveis sexo, idade e período cursado em relação ao nível equivalente de ruído das canetas de alta rotação dos acadêmicos de Odontologia da UFRN. Natal, RN Tabela 27 Distribuição absoluta e percentual de indivíduos e valor de p, segundo as variáveis sexo, idade e período cursado em relação à freqüência de lubrificação das canetas de alta rotação executada pelos acadêmicos de Odontologia da UFRN. Natal, RN Tabela 28 Distribuição absoluta e percentual de indivíduos e valor de p, segundo as variáveis sexo, idade e período cursado em relação à esterilização em autoclave da caneta de alta rotação dos acadêmicos de Odontologia. Natal, RN Tabela 29 Tabela 30 Tabela 31 Tabela 32 Distribuição absoluta, média, desvio-padrão, intervalo de confiança e valor de p, segundo as variáveis nível de ruído e tempo de uso das canetas de alta rotação dos acadêmicos da UFRN. Natal, RN Distribuição absoluta, média, desvio-padrão, intervalo de confiança e valor de p, segundo as variáveis nível de ruído e freqüência de lubrificação das canetas de alta rotação dos acadêmicos da UFRN. Natal, RN Distribuição absoluta, média, desvio-padrão, intervalo de confiança e valor de p, segundo as variáveis nível de ruído e esterilização em autoclave das canetas de alta rotação dos acadêmicos da UFRN. Natal, RN Distribuição absoluta, média, desvio-padrão, intervalo de confiança e valor de p, segundo as variáveis nível de ruído e marca das canetas de alta rotação dos acadêmicos da UFRN. Natal, RN LISTA DE ABREVIATURAS a.c. - Antes de Cristo Anvisa - Agência Nacional de Vigilância Sanitária ADA - American Dental Association (Associação Dentária Americana) CEP - Comitê de Ética em Pesquisa CNS - Conselho Nacional de Saúde d.c. - Depois de Cristo DCNs - Diretrizes Curriculares Nacionais db - Decibéis EPI - Equipamento de Proteção Individual Hz - Hertz ISO - International Standard Organization (Organização Internacional de Normalização) khz - Quilohertz Leq - Nível equivalente de ruído MS - Ministério da Saúde MTE - Ministério do Trabalho e do Emprego NR - Norma Regulamentadora OMS - Organização Mundial de Saúde PAIR - Perda Auditiva Induzida pelo Ruído rpm - Rotações por minuto SUDEMA-PB - Superintendência de Administração do Meio Ambiente do Estado da Paraíba UFPB - Universidade Federal da Paraíba UFRN - Universidade Federal do Rio Grande do Norte UNESP - Universidade Estadual Paulista SUMÁRIO RESUMO ABSTRACT LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS LISTA DE ABREVIATURAS 1. INTRODUÇÃO REVISÃO DA LITERATURA O RUÍDO Ruído Ocupacional O OUVIDO E A FISIOLOGIA DA AUDIÇÃO DEFINIÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DAS PERDAS AUDITIVAS EFEITOS AUDITIVOS CAUSADOS PELO RUÍDO Perda Auditiva Induzida pelo Ruído PAIR Zumbido EFEITOS EXTRA-AUDITIVOS CAUSADOS PELO RUÍDO NÍVEIS DE RUÍDO E PAIR NA ODONTOLOGIA PREVENÇÃO DA PAIR FORMAÇÃO PROFISSIONAL E DOENÇAS OCUPACIONAIS OBJETIVOS OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS METODOLOGIA CRITÉRIOS ÉTICOS LOCAL DE REALIZAÇÃO DO ESTUDO UNIVERSO DO ESTUDO COLETA DE DADOS ANÁLISE DOS DADOS RESULTADOS E DISCUSSÃO CARACTERIZAÇÃO DOS PARTICIPANTES RESULTADOS OBTIDOS NAS RESPOSTAS DOS QUESTIONÁRIOS O que é PAIR e suas conseqüências para o cirurgião dentista Causas da PAIR na Odontologia Medidas de proteção para a PAIR Orientações sobre a PAIR Percepção do ruído durante o atendimento clínico e o incômodo por ele causado RESULTADOS OBTIDOS NA SEGUNDA ETAPA DA COLETA DE DADOS Níveis de ruído Características das canetas de alta rotação CONCLUSÕES REFERÊNCIAS ANEXOS 1
Search
Similar documents
Related Search
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks