Documents

A UTILIZAÇÃO DA FREQÜÊNCIA DOS SONS NOS PONTOS SHU ANTIGOS

Description
A UTILIZAÇÃO DA FREQÜÊNCIA DOS SONS NOS PONTOS SHU ANTIGOS HENRIQUE CIRILO Técnico em Química, Nível Superior em Educação Física Pós-Graduação em Fisiologia, Especialista em Fitoterapia Diretor do Instituto Brasileiro de Chi Kung e Terapias Afins Quase três mil anos antes do nascimento de Cristo, numa época em que a música do homem europeu talvez não fosse mais do que o bater de ossos sobre troncos ocos, o povo da China já estava de posse da mais complexa e fascinante filosofia da música que h
Categories
Published
of 17
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
    A UTILIZAÇÃO DA FREQÜÊNCIA DOS SONS NOS PONTOS SHU ANTIGOSHENRIQUE CIRILO Técnico em Química, Nível Superior em Educação FísicaPós-Graduação em Fisiologia, Especialista em FitoterapiaDiretor do Instituto Brasileiro de Chi Kung e Terapias Afins  Quase três mil anos antes do nascimento de Cristo, numa época em quea música do homem europeu talvez não fosse mais do que o bater de ossossobre troncos ocos, o povo da China já estava de posse da mais complexa efascinante filosofia da música que hoje se conhece.De onde veio esse sistema fechado de misticismo musical, ou de que maneirase desenvolveu, não se sabe. Podemos dizer apenas que a tradição da músicaclássica chinesa é tão antiga que suas srcens pertencem agora ao domínio dalenda, permitidas além das névoas que limitam a extensão do olhar dohistoriador moderno. A astrologia e os doze tons cósmicos Os doze Tons estavam na raiz da mais antiga concepção da astrologiaregistrada pelo homem. Isto é, concebia-se, srcinalmente, a astrologiabaseada nesses doze Tons e nas influências que as suas freqüênciasvibratórias exerciam sobre a terra. Em todas as terras, nos tempos antigos, aastrologia começou como o estudo do Tom Cósmico.Em quase toda parte do mundo civilizado prevaleceu esse conceito.Supunha-se a ordem perfeita dos céus governada pelo doze Tons. Os antigos,por conseguinte, começaram a considerar a mesma ordem celestial no mundoterreno. Fizeram-no de muitas maneiras, algumas das quais chegaram até onosso tempo, embora a sua significação srcinal esteja agora esquecida. Doisexemplos subsistentes do misticismo ligado ao número doze são, por exemplo,    a divisão do ano em doze meses, e a do dia em vinte e quatro horas. Nostempos antigos, contudo, tais divisões não eram arbitrárias. Tampoucorepresentavam mera homenagem supersticiosa aos céus. Eram antes, para osantigos, casos do sábio, reconhecimento, por parte do homem, de fatosobjetivos, científicos. Acreditava-se que os doze Tons se expressavam, de fato,individualmente, em maior ou menor grau de acordo com o mês do ano, a horado dia, e assim por diante. Determinado Tom “soava” com maior destaque emcerto mês e no transcorrer de certa hora do dia.A filosofia chinesa está impregnada da idéia dos opostos – das duasforças opostas (posto que não necessariamente contrárias), espalhadas portoda a natureza, que se chamam yang (a força masculina positiva) e yin (aforça feminina, negativa). A ciência do século XX não pode deixar de concordarcom esse conceito: em tudo se encontram duas forças opostas, desde a cargamagnética e a estrutura das partículas subatômicas até os ciclos das fases daLua, da noite e do dia, dos sexos, da vida e da morte. Em vista dessa baseyang-yin da filosofia chinesa, não constitui surpresa para ninguém terem julgado os chineses que, entre os doze Tons Cósmicos, havia seis de naturezayang e seis de natureza yin. Os seis Tons yang e os seis Tons yin eramresponsáveis, entre si, pela criação e sustentação de tudo no universo. A música e o Tai Chi Toda música se baseia em números e proporções. Por exemplo, existem dozenotas na escala cromática moderna, sete das quais são maiores e cincomenores. Princípios matemáticos determinam as relação harmônicas entreelas. Por mais estranho que possa parecer, quando nisso concentramos aatenção, não podemos deixar de comentar que, para o músico ocidentalcomum, os números e relações da música continuam sendo exatamente isso, enada mais. Ele não lhes percebe nenhum significado especial. E o que é aindamais surpreendente: nem sequer o procura, pois estando a sua consciênciainteiramente presa ao mundo das aparências, realmente não vê o mato porcausa das árvores. Aprende na escola os rudimentos dos números e dasrelações inerentes á música e, a partir desse momento, nem por um instantepensa em perguntar: Por quê?    O espírito chinês antigo, no entanto, sempre se interessava mais pelascausas do mundo de efeitos exteriores do que pelo próprio mundo. Supunha-sena China que a matemática da música englobava as proporções e princípiossagrados, cósmicos, que governavam toda a Criação. E de todos os números,o um e o dois eram os mais fundamentais. O número um era o número daunidade e o número de Deus, o Grande Um. Notas individuais e execuçõesindividuais constituíam sempre representações de Deus. O número doisrepresentava a primeira diferenciação do Um nas polaridades opostas do yange do yin, ou do T’ai chi. O conceito de duas forças equilibradas, interativas, é acoluna vertebral de todo o sistema da antiga filosofia chinesa. Tudo nouniverso, incluindo a música, consistia em distintas combinações das duasforças fundamentais. Supunha-se que uma orquestra, por exemplo, matinhaum equilíbrio igual entre o yang e o yin quando a metade dos executantes eramasculina e a outra metade feminina. Além disso, certos meses do ano eramyang e outros yin; e entre os meses yang, por exemplo, alguns eram mais yangdo que os outros. Por isso mesmo, a música deveria ser executada cada mêsnum tom que partilhasse dói equilíbrio entre o yang e o yin daquele mês.Classificavam-se, às vezes, a peças de música segundo fossem mais oumenos yang ou yin. Os compassos iniciais da Quinta Sinfonia de Beethoventeriam sido classificados como muito yang (masculinos, ativos e positivos), aopasso que a “Ave-Maria” de Bach/Goubod como muito yin.A Quinta de Beethoven há de ser, seguramente, SUN Ou até CHIEN.Pois assim se escreviam os diferentes equilíbrios entre yang e yin. O princípiodo yang era simbolizado por uma linha inteira, não-quebrada _______ e yinpor uma linha quebrada - -. De acordo coma a concepção cósmica doschineses, essas duas forças opostas, combinando-se, davam srcem àtrindade. E o conceito da Trindade estava longe de ser vago e abstrato: aoinvés disso, todos os fenômenos e manifestações triplas do universos eramconsideradas um aspecto do Três-em-Um. Na música, a Trindade semanifestava onde quer que ocorressem e sempre que ocorressem tercilhos,um ritmo em três, ou qualquer número de executantes que fosse um múltiplode três.Escrevendo as linhas quebradas e inteiras para o yin e o yang em sériesde três, os chineses conseguiam representar na escrita o equilíbrio interior    entre yin e yang que predominava na natureza tripla de todos os fenômenos.Ao todo, há um total de oito sinais possíveis, como KAN e SUN . Supunha-seque esses oito sinais ( conhecidos como kua) simbolizavam as oitopermutações e combinações básicas da existência. Daí que o número oitotambém assumisse um significado místico na música.Isso conduzia a outro modo com que os chineses buscavam espelhar aordem celeste no seu sistema musical. Em harmonia com o fato de haver oitomanifestações básicas das forças yang-yin no universo, agrupavam-se osinstrumentos musicais em oito classes. No Ocidente classificamos nossosinstrumentos de acordo com o método da produção do som (como, porexemplo, instrumentos de percussão, instrumentos de corda). Isso, porém, nãoacontecia na China antiga, onde os instrumentos se agrupavam de acordocom o material de que eram feitos. O que significava que cada categoria deinstrumentos se tornava automaticamente associada a ampla variedade defenômenos extramusicais, visto que tudo o mais no universo, à semelhançados instrumentos, se associava também a um dos oito kua básicos. Vemosque, através do seu kua com,um, toda vez que soava, o instrumento musicalinvocava automaticamente, por ocasião, o espírito de determinada estação, deum elemento, de uma direção da bússola, e assim por diante.Tabela 1: As Oito Classes Tradicionais dos Instrumentos Musicais ChinesesN.KuaNomeSubstânciadoInstrumentoExemplodoInstrumentoPontoDaBússolaEstaçãoElementoouFenômenoda Natureza1 Chien Pedra Pedra sonora(carrilhão)NO Outono / InvernoCéu2 Tui Metal Sino(carrilhão) O Outono umidade3 Li Seda Cítara S Verão Fogo4 Chên Bambu Flautas de Pã L Primavera Trovão5 Sun Madeira Caixa do tigre SE Primavera / VerãoVento6 Kan Pele Tambor N Inverno água
Search
Similar documents
View more...
Tags
Related Search
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks