Documents

A Veneração a Mártires e Relíquias Já Era Praticada No Segundo Século

Description
Otimo livro.
Categories
Published
of 3
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
   A veneração a mártires e relíquias já era praticada no segundo século.  A morte dos mártires era comemorada com ofícios públicos. No IV século, Constantino construiu uma Igreja em honra a Pedro em Roma. Helena, sua mãe empreendeu uma peregrinação a Jerusalém em busca da verdadeira cruz. Esta se tornaria a grande relíquia e prova da existência de Cristo. Antes do fim do século IV já se afirmava que se devia orar aos mártires na qualidade de intercessores diante de Deus, e de tê-los por capazes de proteger, curar e auxiliar aos que os honrassem. Aos mártires eram acrescentados os ascetas, líderes eclesiásticos e opositores das heresias. Não havia um método para se avaliar a pretensa santidade. Era uma questão de consenso. Eram as guardiãs das cidades, patronos de várias profissões, curadores de doenças. Para o povo em geral, os mártires ocupavam o lugar dos antigos deuses e heróis. Assim se expressou Jerônimo: “eles seguem o Cordeiro aonde quer que ele vá. Se o Cordeiro está presente em toda parte, o mesmo se deve crer com respeito aos que estão com o Cordeiro”.   Eram venerados mediante o uso de círios acesos. O principal entre esses personagens sagrados era a Virgem Maria. Tertuliano e Clemente de Alexandria, no início do século III, proclamavam-na eternamente virgem. Na luta contra o Nestorianismo (5º século) consagrou- se a expressão “Mãe de Deus” ( Theotokos ). Embora a discussão do Concílio de Éfeso (431 d.C.) não se concentrasse em Maria, para o povo em geral, a manutenção da expressão “Mãe de Deus” foi uma vitó ria para a devoção das massas. A ela transferiu-se muito do sentimento que se expressara nos cultos das deusas-mães do Egito, da Síria e da Ásia Menor.    As srcens do culto dos anjos encontram-se nos tempos apostólicos (Cl 2:18). Contudo, somente em fins do IV século tornaram-se objeto de reverência cristã. A obra mística cristã neoplatônica escrita em fins do V século e início do VI, sob o nome de Dionísio, o Areopagita (Pseudo-Dionísio), deu grande incremento à reverência aos anjos. Na Obra “Da Hierarquia Celeste” encontramos a tradicional hierarquia dos anjos: anjos, arcanjos, poderes, principados, potestades, virtudes, tronos, querubins e serafins. Dentre todos os seres angélicos, o arcanjo Miguel era o mais reverenciado. Constantino erigiu uma igreja em comemoração a ele perto de Constantinopla e existia outra em Roma, com começo do século V. A celebração de sua festa a 29 de setembro, era uma das festas medievais mais populares.    A veneração de imagens começara no século III, seguindo-se imediatamente protestos contra ela. Com a era Constantiniana, esta prática estendeu-se cada vez mais mediante a assimilação de alguns traços característicos do culto imperial por parte do culto cristão. Cria-  se que o ícone participava na natureza daquilo que retratava. Basílio Magno disse com respeito ao próprio retrato do Imperador: “a honra prestada à imagem transfere- se ao protótipo”. Inicialmente dizia -se que só deviam ser permitidas, ao menos no interior das igrejas, representações em superfície plana  –  pinturas e mosaicos, mas não estátuas. Esse é o costume que ainda prevalece na Igreja Grega até os nossos dias.   Esse Cristianismo popular afetou profundamente a vida do povo. Até certo ponto facilitou a conversão de milhares de pagãos ao cristianismo, mas corria o risco de paganizar a própria Igreja. Foi esta percepção que provocou a Controvérsia Iconoclasta no século VIII. Várias foram as influências orientais: desprezo pelo mundo material e ênfase numa religião espiritualista; a crítica de judeus e islâmicos para quem a veneração dos ícones equivalia à idolatria; a visão dos monofisistas do Egito e da Siria, os quais consideravam que o divino não pode ser circunscrito, e que o humano em Cristo é um mero instrumento passivo do Logos, a verdadeira realidade de Jesus Cristo não pode ser retratada pelo ícone.   O Império Romano Oriental experimentou um ressurgimento de seu poder sob o governo de Leão III, o Isáurio (717-740 d.C.). Leão III quis purificar a igreja de suas superstições acabando com a veneração de pinturas e ícones religiosos. Para alcançar seu intento, o Imperador sabia que seria preciso destruir o poderio dos monges que eram os grandes defensores da veneração aos ícones. Em 725 d.C., Leão III proibiu oficialmente o uso dos ícones no culto. O resultado foi a revolta religiosa dos monges e do povo em geral. Leão III lançou mão do exército e impôs sua vontade pela força. Mas a Itália estava geograficamente muito longe. O Papa Gregório III, em 731 d.C., excomungou o Imperador e todos que se opunham às imagens. Leão III em represália subtraiu à jurisdição do Papa a Sicília e o que pode da Itália. Seu filho, Constantino V, continuou sua política. Um Sínodo convocado por Constantino em 754 d.C. condenou as figuras e aprovou a extensão da autoridade imperial sobre toda a igreja. Com isto, o papado em Roma se aproxima dos Francos para obter retaguarda militar contra Constantinopla.    A mudança na política veio com a entronização de Constantino VI, sob a influência de sua mãe, Irene, partidária do uso das imagens. Em 787 d.C., reuniu-se em Nicéia o Sétimo Concílio Geral da Igreja. O resultado final deste Concílio, está transcrito a seguir:      Caminhando pela estrada real e seguindo a doutrina divinamente inspirada de nossos santos padres e a tradição da Igreja Católica (porque sabemos que sua tradição é a do Espírito Santo que habita na Igreja) definimos, com todo o cuidado e exatidão, que as veneráveis e santas imagens são erigidas da mesma forma como a figura da preciosa e vivificante cruz; imagens pintadas, feitas em mosaico ou de outro material conveniente, nas santas igrejas de Deus, sobre vasos e vestimentas sagradas, em paredes e quadros, em casas e ao lado das estradas; imagens de nosso Senhor e Deus e Salvador Jesus Cristo e de nossa imaculada Senhora, a santa Genitora de Deus, dos veneráveis anjos e todos os homens santos. Com efeito, quanto mais são contemplados por meio de tais representações tanto mais os que os contemplam são incitados a refletir nos seus srcinais, a suspirar por eles e a tributar às imagens o tributo de uma saudação e a reverência da honra, sem tributar-lhes verdadeira adoração que está de acordo com nossa fé e que é devida somente à natureza divina; mas assim como às figuras da venerável e vivificante cruz, ao santo Evangelho e aos outros monumentos sagrados, assim também a essas imagens devemos conceder a honra do incenso, o oferecimento de luzes, como piedoso costume que foi da Antigüidade. Pois as honras tributadas às imagens passam aos seus srcinais, e aquele que adora uma imagem adora a pessoa nela pintada.  
Search
Tags
Related Search
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks