Government Documents

A Violência na perspectiva de Hannah Arendt. Maíra Rosa Apostolico EEUSP

Description
A Violência na perspectiva de Hannah Arendt Maíra Rosa Apostolico EEUSP A Violência na perspectiva e Hannah Arendt Conferência Dialogada baseada na obra Da Violência Hannah Arendt Arendt H. Da violência.
Published
of 47
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
A Violência na perspectiva de Hannah Arendt Maíra Rosa Apostolico EEUSP A Violência na perspectiva e Hannah Arendt Conferência Dialogada baseada na obra Da Violência Hannah Arendt Arendt H. Da violência. Brasília: Universidade de Brasília; p. Hannah Arendt Johanna Arendt nasceu em 1906 na Alemanha; Era judia mas recebeu uma educação liberal. Formou-se em filosofia; Foi contemporânea, aluna e amante de Heidegger; O regime nazista retirou-lhe a nacionalidade em 1937 e em 1951 tornou-se cidadã americana. Hannah Arendt Em 1933 foi proibida de escrever e foi presa pelo regime nazista. Fugiu para Praga, Genebra e Paris onde ficou por seis anos. Presa novamente na França, fugiu com seu marido (marxista crítico) para os Estados Unidos; Trabalhou como jornalista e professora universitária na Universidade de Chicago e na New School of Social Research (NY); Hannah Arendt Publicou importantes obras sobre filosofia política, embora rechaçasse esse título. Preferia o termo teoria política; Defendia o conceito de pluralismo no âmbito político, criticava a democracia representativa e preferia a democracia direta; escreveu sobre política, autoridade, totalitarismo, educação, condição laboral, violência e a condição da mulher; Morreu em 1975 em Nova Iorque. Alguns livros As origens do totalitarismo (1951): assemelha de forma polêmica o nazismo e o socialismo como ideologias totalitárias que se valem da banalização do terror; A condição Humana (1958): trata da importância da política na conquista da liberdade; Alguns livros Sobre a Revolução (1963): compara revolução francesa e americana e fala sobre a liberdade; Eichmann em Jerusalém (1963): cobertura jornalística do julgamento do exterminador judeu, onde revela que ele era apenas alguém terrivelmente e horrivelmente normal, um burocrata que se limitava a cumprir ordens; Alguns livros Hannah concluiu que ele dizia a verdade: não se tratava de um malvado ou de um paranóico, mas de um homem comum, incapaz de pensar por si próprio, como a maior parte das pessoas. Sobre Heichmann em Jerusalém. Fonte: Uol Educação. Disponível em: educacao.uol.com.br/biografias/hannah-arendt.jhtm Da Violência On Violence Escrito entre 1968 e 1969; Século XX: contexto de guerras e revoluções; Não existe resposta de como sairemos deste contexto, a despeito de tantos esforços científicos e acadêmicos; Autora trata a violência como fenômeno social e político; Caráter político e histórico da violência A guerra perdeu seu caráter político dada a sofisticação dos instrumentos de violência: a guerra objetiva a dissuasão e não a vitória; Do ponto de vista cronológico, na história, a violência sempre foi a única forma de interromper processos automáticos. Caráter político e histórico da violência A nova geração vive naturalemnte com a idéia de fim de mundo; A violência é encontrada como fenômeno marginal, natural, acidental, não sério e impreciso; A violência sempre serviu como meio de manutençao e continuidade política; Caráter político e histórico da violência ninguém que se dedique a meditação sobre a história e a política consegue se manter ignorante do enorme papel que a violência desempenhou sempre nas atividades humanas, e a primeira vista é bastante surpreendente que a violência tão raramente tenha sido objeto de consideração (...). Isso mostra até que ponto tomou-se a violência e a sua arbitrariedade como fatos corriqueiros e foram portanto, negligenciadas (...). Ninguém questiona ou examina o que é obvio para todos. (Arendt, p.6) Poder Autoridade Força Violência Meios pelos quais o homem governa o homem São palavras que se referem a fenômenos distintos e diferentes entre si; Por terem a mesma função são usadas indevidamente como sinônimos. Diferenciar estes termos é uma questão de rigor gramatical e perspectiva histórica; Poder Autoridade Força Violência Poder Há um consenso entre teóricos políticos de que a mais flagrante manifestação de poder é a violência. Será????? Poder habilidade de não apenas agir mas de agir em uníssono, em comum acordo Arendt, p.19 Não pertence ao indivíduo mas é conferido a ele pelos pares; Se desaparecer o grupo que lhe conferiu o poder, o seu poder também desaparecerá; Não precisa de justificativas mas precisa de legitimidade. Outras interpretações Poder é instrumento de dominação, que vem do instinto de fazer o outro agir como eu quero ; A essência do poder é a efetividade do domínio Arendt, p.20 A legalidade do ato qualifica o instinto de dominação; Poder é a força qualificada ou institucionalizada Passerin d Entreve apud Arendt, 1985. Outras interpretações Sobre a dominação e submissão, diz a autora: (...) a primeira lição da civilização é a de obediência (...) é o desejo de se exercer poder sobre os outros. (...) O velho adágio como é competente no poder, aquele que tão bem sabe obedecer, talvez assinale uma verdade psicológica: isto é, que a vontade de poder e a vontade de obediência estão interrelacionados. A pronta submissão à tirania não é de maneira alguma causada pela passividade extrema. Contrariamente, uma forte ausência de inclinação para a obediência é frequentemente acompanhada por uma falta de iniciação igualmente forte para o autoritarismo e a dominação. Arendt, P.21 Outras interpretações Os gregos explicam o poder de outra forma: com a democracia, o poder foi transferido dos homens para as leis e o apoio do povo se faz pelo consentimento sobre as normas legais; O poder do governo é proporcional ao número de pessoas que o apóia; A tirania é a forma mais violenta e com menos poder, pois tem menor apoio popular. Vigor Fenômeno singular, entidade individual, qualidade inerente ao caráter da pessoa que se manifesta em relação a outras coisas ou pessoas, mas independe delas; O vigor do mais forte pode ser subjugado pelo grupo maior. Força É a energia liberada através de movimentos físicos e sociais e não é sinônimo de violência. Autoridade Reconhecimento sem discussões por aqueles que são solicitados a obedecer, sem coerção ou persuasão. A autoridade se conserva pelo respeito e pode ser aplicado a pessoas ou cargos. O maior inimigo da autoridade é o desprezo. A chacota é o melhor meio de arruiná-la. Nenhuma sociedade poderia viver sem ela. Violência Abriga em si um elemento de arbitrariedade; Busca destruir o poder obrigando o outro a obedecer; Não depende de números ou de opiniões mas sim de como é implementada (instrumentos); Violência Necessita de instrumentos e está amparada na revolução tecnológica; Seus instrumentos são concebidos para multiplicar o vigor, até substituí-lo; Seus resultados escapam do controle de seus atores: o preço é pago por ambas as partes pois afeta o poder de todos. Mas no mundo real Esses conceitos se apresentam diferentes, por vezes se misturam ou mesmo se sobrepoem: Poder institucionalizado aparece na forma de autoridade; Violência e poder combinam-se; Tendem-se a pensar o poder como obediência e igualá-lo à violência; Fala-se da violência como último recurso enquanto na verdade ela é pré-requisito político. Poder e violência Fenômenos distintos; Poder é predominante, fundamental e jamais florece da violência; Se a violência obriga o outro a obedecer, então ela destrói o poder; Poder e violência P V Poder e violência O poder e a violência se opõem: onde um domina de forma absoluta, o outro está ausente. A violência aparece onde o poder esteja em perigo, mas se se deixar que percorra o seu curso natural, o resultado será o desaparecimento do poder. (Arendt, p.30) Poder e violência (...) não é correto pensar na não-violência como oposto da violência; falar do poder nãoviolento é realmente uma redundância. A violência pode destruir o poder, mas é incapaz de criá-lo. (...) a violência não pode originar-se de seu oposto, que é o poder, e que para compreendê-la pelo que é, teremos que proceder ao exame de suas raízes e sua natureza. (Arendt, p.31) Natureza e causas da violência Teorias científicas Biologia: estudos sobre o comportamento animal não se aplicam ao comportamento humano e excluem o homem do reino animal; Natureza e causas da violência Teorias científicas Ciências Sociais e naturais: consideram o comportamento violento como instintivo e natural, desde que voltada à autopreservação, pois o homem é um animal rationale. O uso da razão nos torna perigosamente irracionais, uma vez que essa razão é propriedade de um ser instintivo em estado natural ; A ciência é chamada a curar os efeitos colateriais que a razão criou ao manipular e controlar os instintos. A ciência torna-se o diferencial entre o homem e os animais. Natureza e causas da violência perspectiva de Arendt A violência não é animalesca e nem irracional; Os partidários da violência, para contraporem-se à idéia de negação do biologicismo, podem alegar que no seio da natureza a destruição e a criação são dois lados do mesmo processo (o que é verdadeiro); Sob este prisma, a violência seria tão natural quanto a luta pela sobrevivência. Sem contar que devendo a violência ser justificada, a manifestação de violência pode, no caminho inverso, criar ideologias que a justifique. Natureza e causas da violência perspectiva de Arendt A violência pode se originar do ódio, da hipocrisia e da burocracia; Sendo instrumental por natureza, a violência é racional enquanto é eficaz em alcançar a finalidade que deve justificá-la, sempre a curto prazo; A violência não promove causas mas pode servir para dramatizar reclamações, trazendo-as à atenção pública; Entretanto, jamais se sabe com certeza quais as eventuais consequencias das ações. Natureza e causas da violência perspectiva de Arendt Em algumas situações (públicas ou privadas), a rapidez da ação violenta talvez seja o único remédio adequado, desde que a ação não seja uma forma de liberar impulsos reprimidos; Em certas circunstâncias onde não há argumentos ou não se ponderam as conseqüências, a violência é a única maneira de equilibrar a balança da justiça. Isso não exclui o fato dessas manifestações das emoções conflitarem com as constituições das comunidades civilizadas e também não significa que são meramente produtos da emoção. a atual glorificação da violência é causada por uma séria frustração da faculdade de agir no mundo moderno. (Arendt, p.47) Algumas reflexões Será que os maus-tratos infantis (repetidos, que evoluem em gravidade) podem ser considerados uma questão de violência na perspectiva de Arendt, ou se trata de desvio de outro fenômeno tratado por ela (como a força, o poder, etc)? Algumas reflexões A autora coloca que a violência é uma forma de alcançar objetivos pontuais e a curto prazo. Dessa forma, é possível separar a violência pontual ou ligada a uma situação extrema (entendo que aqui cabe a violência física/psicológica e a negligência em resposta a um evento pontual ou situação que foge do controle do cuidador/pais), daquela que subjuga a criança (como a violência repetida, a negligência, o abuso sexual) que embora seja identificada, e mesmo que haja alguma intervenção, não cessa ou se transforma? Neste segundo caso, pode ser tratado como terror, ou seja, o uso da força mesmo após ter domínio sobre o outro? Sendo assim, existe diferença conceitual entre a violência pontual ( corretiva ou disciplinadora ) e os maus tratos continuados? Algumas reflexões Em que medida é possível comparar a instituição familiar (micro) com a sociedade (macro), em relação aos aspectos políticos que envolvem o poder e a autoridade descritos por Arendt? Quais autores devemos adotar para essa conceituação? Algumas reflexões No que se ancora e como se mede a autoridade e o poder na relação parental? Como se define isso? Sob qual referencial ou perspectiva? Qual a relação das normas legais com a relação parental? Ao longo da história e nos dias de hoje, como se dá essa relação? Com o tempo, quais mudanças ocorreram nessa dinâmica (história social da infância, conceitos de família, influencia do Estado na vida privada e nas relações privadas, etc)? Algumas reflexões É possível traçar um paralelo entre a trajetória da violência (Arendt) e a história da família (Ariès, por exemplo)? Algumas reflexões Qualquer um que ganhar uma guerra, destruirá ambos. Segundo Arendt, este é o novo caráter da guerra/violência. Como isso pode ser pensado em relação à violência no contexto familiar, de formação e desenvolvimento da criança? Algumas reflexões Poder, força, autoridade e violência são palavras que se referem a fenômenos distintos e diferentes entre si. São os meios pelos quais o homem governa o homem e por isso são usadas como sinônimos. Como cada um destes conceitos pode ser aplicado na relação familiar? É possível dar exemplos de situações onde cada um apareceu/foi usado? Algumas reflexões O poder não pertence ao indivíduo; o indivíduo se investe de poder, conferido pelos pares; no momento em que desaparece o grupo que lhe conferiu o poder, o seu poder também desaparecerá. Quem confere o pátrio poder? Como fica o poder dos pais que agridem seus filhos? Desapareceu? Quem conferiu e retirou esse poder (a sociedade, os pares = outros pais, leis, outros)? É realmente a perda desse poder que resultará em violência? O ódio, a hipocrisia e a burocracia podem ter relação nesse caso? Algumas reflexões A atual glorificação da violência é causada por uma séria frustração da faculdade de agir no mundo moderno. O que representa a frustração hoje? De onde vem a frustração? Quem está mais frustrado: pais ou filhos? Como essa afirmação se relaciona com o fenômeno da violência doméstica?
Search
Related Search
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks