Essays

A8 - Cinética e microestrutura das transformações estruturais

Description
A8 - Cinética e microestrutura das transformações estruturais Cinética vs. Equilíbrio Diagramas de fase: sistema em equilíbrio termodinâmico, para o qual os sistemas tendem, dado tempo suficiente Os Materiais,
Categories
Published
of 29
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Related Documents
Share
Transcript
A8 - Cinética e microestrutura das transformações estruturais Cinética vs. Equilíbrio Diagramas de fase: sistema em equilíbrio termodinâmico, para o qual os sistemas tendem, dado tempo suficiente Os Materiais, em geral, não são produzidos nem utilizados nos seus estados de equilíbrio Cinética refere-se à velocidade com que um dado processo ocorre as variáveis principais são o tempo e a temperatura conhecer a relação tempo-temperatura-microestrutura para controlar propriedades do produto Força motriz para uma transformação de fase L S energia interna desordem S L Superfícies internas fronteira das fases têm energia adicional energia interfacial SSASW Quando a nova fase se forma (ou nucleia) em pontos aleatórios da fase-mãe nucleação homogénea Quando a nova fase se forma (ou nucleia) preferencialmente em pontos específicos da fase-mãe nucleação heterogénea Nucleação homogénea clustering de átomos adjacentes formação do núcleo cristalino crescimento da fase cristalina Nucleação homogénea r * (1/ΔT) ΔG * 1/(ΔT) 2 a barreira de energia para a nucleação diminui com o grau de sobrearrefecimento Velocidade e tempo de nucleação nucleação homogénea é extremamente difícil de conseguir no laboratório competição da nucleação heterogénea Nucleação heterogénea A barreira de energia para nucleação heterogénea é sempre menor do que a barreira de energia para a nucleação homogénea a energia libertada pela eliminação da interface líquido-molde pode fornecer energia para formar as interfaces líquido-sólido e sólido-molde MSOffice1 Crescimento duma nova fase fracção de material transformado X=1-exp[-(kt) n ] Depleção do soluto ou impedimento físico Tempo de incubação Válido em geral, incluindo cristalização de polímeros Crescimento da nova fase Slide 9 MSOffice1 O tempo de incubação é função do sobrearrefecimento. O tempo de incubação é o tempo requerido para nuclear a fase. X é a fracção de fase transformada. Joao Pedro Conde, 3/16/2008 Construção de diagrama TTT isotérmico (IT) Diagrama TTT (transformação isotérmica) de um aço eutectóide γ-fe α-fe+fe 3 C Arrefecimento rápido até T, seguido de manutenção a esta temperatura T=655 ºC 600 ºC 534 ºC 487 ºC Fracção de perlite transformada Diagrama TTT isotérmico para um aço eutectóide JP5 Bainite Mistura de ferrite e cementite não-lamelar (T 550 ºC) ferrite cementite 495 ºC 410 ºC Slide 14 JP5 Esta morfologia é energeticamente favorável em relação à perlite quando o sobrearrefecimento aumenta. Conde, 4/7/2003 JP6 Martensite 24 ºC -60 ºC -100 ºC Slide 15 JP6 Se a austenite de composição 0.77 wt% C for arrefecida rapidamente a ~200 ºC, não forma uma mistura de ferrite e cementite por difusão. Um tipo diferente de transformação de fase, chamada atérmica, ou sem difusão, tem lugar. Deste modo, a quantidade de fase transformada depende apenas da temperatura, e não do tempo. Conde, 4/7/2003 JP7 Transformação martensítica (atérmica, ou sem difusão) Fase γ (austenite) -20 % +12% aumento de volume causa tensões Fase BCT (martensite) Slide 16 JP7 Embora os valores específicos de a e c dependam do teor em carbono da liga, o volume aumenta sempre quando a austenite se transforma em martensite. Como resultado desta variação de volume, tensões internas significativas desenvolvem-se, e problemas com cracking podem ocorrer. Conde, 4/7/2003 Efeito do teor em C ferrite pró-eutectóide Diagramas TTT Os diagramas TTT (IT): Material num campo de 1-só fase Instantâneamente arrefecido a uma dada temperatura Mantido a essa temperatura durante um certo tempo Os diagramas TTT (CT-continuous transformation): Utilizado quando o arrefecimento não é instantaneo Mais adequado numa operação comercial, quando são utilizadas peças grandes e de forma complexa Diagrama TTT-CT para um aço eutectóide Métodos de têmpera (direct quench) têmpera revenido a martensite é dura mas frágil necessário aumentar ductilidade Métodos de têmpera (martêmpera) Minimiza gradientes térmicos no interior da amostra que podem levar à formação de fissuras na superfície Propriedades mecânicas Solidificação e homogeneização duma liga em equilíbrio (arrefecimento muito lento) Solidificação e homogeneização duma liga fora do equilíbrio Assumiu-se: 1. Difusão no estado sólido desprezável 2. Mistura completa no líquido 3. A qualquer temperatura, a composição do sólido e do líquido em contacto na interface é dado pelo diagrama de equilíbrio Próximas aulas [Estrutura dos materiais] Propriedades mecânicas dos materiais I (A9 e A10, dias 10 e 11 de Abril) Próxima aula prática P5 (8 e 9 de Abril): - discussão do TPC5 - diagramas ternários TPC5 devido sexta-feira, dia 11 de Abril Leitura: Thermodynamics of condensed phases, Kinetic processes in materials, B.S. Mitchell, An Introduction to Materials Engineering and Science for Chemical and Materials Engineers, Wiley-Interscience, Hoboken, NJ, USA, 2004.
Search
Similar documents
View more...
Related Search
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks